Grupo de estudantes de Hong Kong se dissolve após detenção de líderes sob a lei de segurança
Reprodução

Grupo de estudantes de Hong Kong se dissolve após detenção de líderes sob a lei de segurança

Um grupo de estudantes pró-democracia de Hong Kong anunciou sua dissolução, citando nenhum “espaço previsível” para o ativismo.

Kelly Ho 14 out 2021, 16:04

“Infelizmente, dada a falta de espaço previsível para nossa organização continuar nossa missão, anunciamos a dissolução da Política do Estudante”, escreveu o grupo no Facebook.

Um grupo de estudantes pró-democracia de Hong Kong anunciou sua dissolução, citando nenhum “espaço previsível” para o ativismo. A decisão veio dias depois que quatro de seus membros atuais e ex-membros foram presos e acusados sob a lei de segurança nacional.

A Política Estudantil anunciou que iria desistir na última sexta-feira, depois que seu convocador Wong Yat Chin, a porta-voz Alice Wong, a ex-secretária geral Chan Chi-sum e a ex-porta-voz Jessica Chu foram detidas por alegada conspiração para incitar a subversão.

A organização – fundada em maio do ano passado – disse que não podia mais “continuar nossa missão” e decidiu dispensar todos os membros e voluntários. Ela prestou homenagem ao “precioso apoio” do povo de Hong Kong e disse que eles venderiam seus suprimentos restantes para subsidiar as taxas legais dos líderes estudantis detidos.

A Política Estudantil estava entre dezenas de grupos da sociedade civil que se dissolveram nos últimos meses em meio à pressão da legislação de segurança imposta por Beijing. O grupo estudantil tinha organizado cabines de rua para pedir apoio aos ativistas locais, exposição de fotos dos protestos de 2019, e reunia material prisional para os manifestantes atrás das grades.

A polícia acusou os líderes estudantis presos de tentarem “recrutar pessoas com os mesmos interesses” na prisão, enviando presentes como o chocolate.
Dizia-se que eles haviam provocado ódio contra o governo dizendo às pessoas que não usassem o aplicativo LeaveHomeSafe da Covid-19.
A polícia confiscou suprimentos como M&Ms, destinados a prisioneiros. Aos quatro foi negada fiança pendente de julgamento.

Em junho de 2020, Pequim inseriu a legislação de segurança nacional diretamente na mini-constituição de Hong Kong – contornando a legislatura local – após um ano de protestos e tumultos pró-democracia. Ela criminalizou a subversão, secessão, conluio com forças estrangeiras e atos terroristas, que foram definidos de forma ampla para incluir a interrupção do transporte e outras infra-estruturas.
A medida deu à polícia novos poderes, alarmando democratas, grupos da sociedade civil e parceiros comerciais, já que tais leis foram amplamente utilizadas para silenciar e punir dissidentes na China.

No entanto, as autoridades dizem que ela restaurou a estabilidade e a paz na cidade.

Artigo originalmente publicado em Europe Solidaire. Reprodução da tradução realizada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!