Movimentos sociais, partidos e sindicatos fortalecem Marcha da FNL em São Paulo
Joyce Martins (PSOL)

Movimentos sociais, partidos e sindicatos fortalecem Marcha da FNL em São Paulo

A Marcha pela transformação social, coordenada pela Frente Nacional de Lutas Campo e Cidade, está ganhando reforços de diversos lugares do estado de São Paulo. Para ampliar a participação na construção, uma plenária foi realizada ontem, quarta-feira, na sede do sindicato dos Metroviários de SP.

Nathália Bittencurt 14 out 2021, 10:14

Com o objetivo de aumentar a mobilização para a marcha em novembro, cerca de 40 entidades e movimentos sociais, inclusive partidos políticos como o PSOL, PSTU, PC do B e centrais, e centrais sindicais, associações e entidades estudantis participaram da reunião. Embora a expectativa da FNL e dos movimentos sociais seja reunir muitas caravanas na marcha, a plenária foi feita apenas com pessoas representantes dos coletivos e territórios, para manter o distanciamento social dentro da sede sindical e assim amenizar o risco de contágio pelo coronavírus.

A FNL tem demonstrado, através da mobilização e ocupação de territórios públicos, que somente com combatividade e iniciativas coletivas é possível destravar a reforma agrária e o debate sobre a função social da terra no Brasil. Os partidos e entidades de classe reafirmaram sua disposição de convocar a marcha e participar ativamente da manifestação, que começará dia 10 de novembro no km 79 da rodovia Castelo Branco. 

Enquanto se articula nacionalmente para pautar a luta por terra, trabalho, moradia e liberdade em São Paulo, a FNL também tem batalhado na Justiça. O processo ilegal que condenou Zé Rainha e Claudemir Novais à prisão, novamente, gerou uma campanha nacional pela liberdade desses coordenadores da FNL e de outras lideranças regionais também perseguidas pelos latifundiários e pelo Estado. O direito de lutar pela terra e pela reforma agrária também é uma pauta fundamental não somente para a militância da FNL, mas para todos que também enxergam no governo Bolsonaro uma ameaça constante para os movimentos sociais que se organizam para defender direitos.

Os próximos passos, debatidos nesta plenária, são espalhar a campanha de apoio à marcha pelas redes sociais, compartilhar as iniciativas de arrecadação financeira coletiva e organizar as caravanas de todas as regiões de São Paulo para novembro. Em breve a programação será fechada e divulgada, contando com momentos de caminhada, de formação política e de atividades culturais. 

Participe da marcha através do link: https://marchafnl.com/participe/

Contribua financeiramente para a mobilização em São Paulo, na nossa vakinha online: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/marcha-fnl


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).