Novo gabinete, um giro perigoso: reafirmar o processo de mudança e a nova Constituição
Reprodução

Novo gabinete, um giro perigoso: reafirmar o processo de mudança e a nova Constituição

O presidente Castillo anunciou profundas reformas que fazem parte das mudanças prometidas.

Jorge Escalante 15 out 2021, 17:20

Nestes dois meses e dias, o governo de Pedro Castillo tem estado em meio a uma violenta campanha de desestabilização por setores de ultra-direita, não apenas buscando a queda de alguns ministros, mas também procurando criar as condições para apresentar a vacância como um objetivo central, e nem por um único momento pretende colocar as necessidades prementes de nosso povo em primeiro lugar a fim de atendê-las.

Mesmo assim, e apesar da pressão, o Presidente Castillo anunciou profundas reformas que fazem parte das mudanças prometidas, tais como a necessidade de uma Reforma Tributária, continuidade do plano de vacinação, geração de empregos, renegociação do gás e uma IIª reforma agrária que foi lançada em Cuzco no domingo, 2 de outubro.

Novo gabinete, novo momento

A nomeação do novo gabinete sob a presidência de Mirtha Vásquez reflete uma mudança em direção ao centro. Um setor da direita pode respirar de alívio, mas exige mais; enquanto a direita retrógrada e fascista continua com suas pintura de guerra, não se importando com as mudanças, o que eles realmente querem é derrubar o governo “comunista” de Castillo e recuperar o controle do Estado, impedir qualquer mudança que ameace seus privilégios e parar o processo constituinte que lhes está causando enorme pânico.

Para levar adiante as mudanças oferecidas na campanha, precisamos dos melhores quadros do movimento social, aqueles que sempre estiveram comprometidos, que a esquerda e o progressismo têm, para formar, sem sectarismos ou oportunismos, uma equipe politicamente sólida e coerente, condição que não está presente no novo gabinete. Como o Presidente Castillo explica que Mirtha Vásquez tenha chamado o Sr. José Roger Incio, que vem do antigo partido Acción Popular, para assumir o cargo de Ministro da Produção? Como explicar o fato de que o Sr. Maurtua, que substituiu Héctor Béjar, forçado a renunciar, nas Relações Exteriores? Como explicar o fato de que há ministros que se pronunciaram contra o processo constituinte, tendo esta sido a principal proposta do candidato Castillo durante a campanha eleitoral?

Esta giro do gabinete ao centro cria dúvidas e um risco perigoso e, ao mesmo tempo também não significa que um processo de “Ollantização” tenha começado ou que a traição esteja em andamento, como insinuou a bancada do Perú Libre. Mas precisamos de respostas, retomar o país e fazer mudanças em favor dos trabalhadores e dos povos está em jogo e nesta luta estávamos e estaremos na linha de frente. Acreditamos que estas mudanças devem ajudar a colocar a casa em ordem e não retardar o processo.

Nos reafirmamos no processo de mudança e na Assembleia Constituinte

Com o novo gabinete, um novo momento se abriu para Castillo e seu governo; é uma oportunidade que devemos aproveitar para reafirmar o processo de mudança e trabalhar no processo constituinte. Nesta linha, é necessário fechar o caminho para as correntes centristas e oportunistas. Consolidar um acordo político com as organizações de esquerda, sindicatos e sindicatos para melhorar as relações com o movimento social e correlacionar forças em favor do processo e dar a luta política para o golpe de direita em melhores condições.

Além disso, é necessário continuar melhorando a atenção às necessidades imediatas da população, reativando a economia, cobrando as dívidas das empresas devedoras, aplicando impostos sobre o superlucro da mineração. O progresso com as vacinas, o retorno à sala de aula, que o bônus Yanapay chegue a todos e de forma oportuna, tomar medidas urgentes contra a insegurança que cresce dia a dia, melhorar as condições de vida levando água para os setores mais vulneráveis, gerar recursos para as cozinhas comunitárias, entre outras medidas imediatas.

A luta contra a corrupção, que tem causado tantos danos ao país, é outro dos desafios que o Presidente Castillo e seu gabinete devem assumir com firmeza, além de estarem vigilantes na distribuição das nomeações que estão sendo feitas nas instituições estatais.

As negociações para recuperar o gás não devem parar, e a IIª Reforma Agrária deve ser implementada com a participação das organizações camponesas.

Também é importante ter uma orientação para os cidadãos a fim de envolvê-los na campanha de assinatura do referendo para uma Assembleia Constituinte, para que o povo possa decidir se quer ou não, e que não deve ser uma decisão de um Primeiro Ministro ou de um Ministro.

Esperamos que o Presidente Castillo assuma firmemente a liderança do novo gabinete, que reafirme as propostas de mudança e que demonstre que a esquerda pode fazer um governo a favor das grandes maiorias, que haverá apoio popular e, é claro, nosso. Mas também devemos estar atentos se houver uma tentativa de parar este processo de mudanças fundamentais, que custaram mortes como a de Inti e Bryan e a grande luta nas urnas e nas ruas com a mobilização do movimento social, que alcançou uma grande vitória histórica e popular.

Finalmente, devemos relançar a Frente Nacional pela Democracia e Governança (FNxDG) como um órgão unificador e centralizador do movimento que surgiu no calor da luta e desempenhou um papel muito importante na luta pela defesa do voto e da democracia, e que é um espaço que ajuda a mobilização e deve continuar a desempenhar um papel em tarefas importantes como a campanha para o processo constituinte.

Artigo originalmente publicado em Súmate. Reprodução da versão traduzida pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!