Protestos contra a política de imigração de Biden e o tratamento dos haitianos
Reprodução

Protestos contra a política de imigração de Biden e o tratamento dos haitianos

Além dos políticos e organizações de direitos humanos, centenas de americanos protestaram contra o tratamento dos haitianos em manifestações em São Francisco, Houston, Boston, Miami e outras cidades.

Dan La Botz 5 out 2021, 17:35

Fotografias e vídeos de agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA usando seus cavalos e o que parecia ser chicotes contra imigrantes haitianos na fronteira EUA-México levaram na semana passada à indignação, condenação generalizada e a protestos contra o Presidente Joseph Biden, inclusive de líderes de seu próprio Partido Democrata que acusam a administração de políticas desumanas e racistas.

Já haviam havido protestos contra a manutenção de Biden em vigor de uma Regra 42 da era Trump que usava a COVID como desculpa para negar a entrada aos requerentes de asilo, mas as cenas de migrantes negros mantidos em condições caóticas, perigosas e imundas em Del Rio, Texas, e depois de agentes da Patrulha de Fronteira montando seus cavalos nos migrantes, suas rédeas parecendo chicotes, provocaram indignação. O chicote é um símbolo americano da escravidão na qual os negros americanos já foram mantidos.

A situação dos migrantes haitianos é extraordinária. O Haiti, já a nação mais pobre do Hemisfério Ocidental, sofreu recentemente o assassinato de seu presidente, uma poderosa tempestade tropical que deixou um rastro de destruição, e um terremoto de 7,2 graus de magnitude que se somou ao desastre. Milhares de pessoas procuraram refúgio em outros países. No entanto, os Estados Unidos, violando suas próprias leis e acordos internacionais sobre asilo, usaram a Regra 42 do ex-presidente Donald Trump para excluir os haitianos por causa da crise da COVID nos Estados Unidos e depois os deportaram de volta para o Haiti, onde a COVID é galopante e a taxa de vacinação é baixa.

Na semana passada, de repente, 15.000 haitianos apareceram nas cidades irmãs de Ciudad Acuña, Coahuila, México e Del Rio, Texas. Vivendo em condições esquálidas sob uma ponte rodoviária no México, os haitianos tentaram atravessar para os Estados Unidos, onde agentes da Patrulha de Fronteira os pararam.

O posterior tratamento dos haitianos pela administração Biden em Del Rio parece ser arbitrário. Milhares foram colocados em aviões e voaram de volta ao Haiti, milhares foram admitidos temporariamente nos Estados Unidos, e outros permanecem no México.

Biden concorreu à presidência como candidato da comunidade negra e como proponente da reforma da imigração. O fato de os haitianos serem migrantes negros, não latinos, mudou o debate nacional e dividiu o partido de Biden.

O líder da maioria do Senado Charles Schumer declarou: “Insto o Presidente Biden e o Secretário Mayorkas a porem um fim imediato a estas expulsões e a porem fim a esta política do Título 42 em nossa fronteira sul. Não podemos continuar com estas odiosas e xenófobas políticas Trump que desconsideram nossas leis de refugiados”. Devemos permitir que os requerentes de asilo apresentem seus pedidos em nossos portos de entrada e tenham acesso ao devido processo”. Um Tribunal Federal dos EUA declarou, de fato, a regra 42 ilegal mais ou menos ao mesmo tempo.

O Caucus de Congressistas Negros reuniu-se com funcionários da Casa Branca para expressar sua preocupação. A representante Barbara Lee, uma democrata da Califórnia, apelou à administração para parar os vôos de deportação para o Haiti.

Derrick Johnson, presidente da Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor, a histórica organização negra, emitiu uma declaração dizendo: “Esta crueldade é totalmente repugnante”. Os eventos que aconteceram hoje são muito familiares àqueles que conhecem a história feia dos Estados Unidos. As ações que testemunhamos hoje foram desumanas durante a última administração, e esse sentimento permanece. Nenhuma pessoa que foge da pobreza e da fome deve ser tratada desta maneira flagrante. Por muito tempo, a comunidade haitiana sofreu maus-tratos às mãos de nossa nação”.

Além dos políticos e organizações de direitos humanos, centenas de americanos protestaram contra o tratamento dos haitianos em manifestações em São Francisco, Houston, Boston, Miami e outras cidades.

As propostas do Partido Democrata para a reforma da imigração estão paradas no Congresso e não são passíveis de aprovação. Os socialistas democráticos da América e outros da extrema esquerda pedem a abolição da polícia de imigração e a abertura da fronteira, embora tais exigências tenham pouco apoio.

Artigo originalmente publicado em Europe Solidaire. Reprodução da tradução realizada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!