Nota do Sotsialnyi Rukh (Movimento Socialista Democrático) da Ucrânia sobre a proibição pelo governo Zelensky da atividade de diversos partidos no país
Ukrainian President Volodymyr Zelenskyy Holds Trilateral Meetings

Nota do Sotsialnyi Rukh (Movimento Socialista Democrático) da Ucrânia sobre a proibição pelo governo Zelensky da atividade de diversos partidos no país

O Movimento Socialista Democrático ucraniano se pronuncia frente à recente proibição de alguns partidos políticos no país.

Recentemente, o Conselho Nacional de Defesa e Segurança decidiu pela suspensão temporária das atividades de diversos partidos políticos ucranianos. A lista inclui tanto os principais partidos da oposição como os menos conhecidos que usam as palavras “progressista”, “esquerda” ou “socialista” em seus nomes. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou-os de “conexões com a Rússia”, não apoiando as reivindicações com nenhum raciocínio jurídico adequado.

Percebemos claramente que pelo menos alguns membros destes partidos, e particularmente sua liderança:

  • minimizaram o perigo das ambições chauvinistas russas e limitaram-se a justificar a agressão, ou mesmo trabalharam diretamente com o Kremlin;
  • desviaram a frustração popular causada pelas políticas neoliberais dos governos para combater a imagem caricatural do “Ocidente”, destruindo a “civilização eslava”;
  • espalharam xenofobia, anti-semitismo, homofobia e ódio.

Assim, mesmo aqueles que utilizam, mas de fato sequestram, a fraseologia de esquerda na realidade apenas serviu ao consenso oligárquico.

Entretanto, qualquer possível cooperação das organizações acima mencionadas, assim como de seus membros individuais, com os imperialistas russos tem que ser investigada, e eles foram julgados pelo tribunal. Pessoas concretas envolvidas na sabotagem da resistência popular têm que assumir responsabilidade individual por suas ações. Reconhecemos a importância e o simbolismo das liberdades democráticas e acreditamos que as proibições partidárias indiscriminadas não têm lugar na luta de hoje.

Já vimos como o governo tentou abusar da situação de guerra para atacar os direitos dos trabalhadores ucranianos, agora suas ações têm como objetivo limitar as liberdades políticas e civis. Não podemos apoiar isto.

Além disso, gostaríamos de advertir contra quaisquer tentativas de estigmatizar a esquerda e os movimentos sociais em geral pela ligação absurda da agenda progressista ao Kremlin, que na verdade encarna tudo o que é contrário a ela. A esquerda e os ativistas sindicais lutam hoje contra o agressor como membros da força militar e da defesa territorial, como voluntários envolvidos no fornecimento de equipamentos, alimentos e suprimentos médicos, evacuação e alojamento dos refugiados e deslocados, como grupos construindo a solidariedade internacional e exigindo a anulação da dívida externa, confiscando os bens do Estado russo, e deixando de tolerar o a evasão de divisas.

Só podemos apreciar numerosos movimentos de esquerda em todo o mundo que já manifestaram seu apoio, reconheceram o direito da Ucrânia à autodefesa e continuam pressionando seus governos para que tomem medidas concretas.

O povo da Ucrânia, não os capitalistas que sempre os usaram para extrair valor e armazená-lo no exterior, está sofrendo imensas dificuldades hoje, e merecem um amanhã mais justo. O socialismo é a melhor maneira de trazer mais justiça em nossa sociedade e perseguir objetivos comuns. É isso que nós, Sotsialnyi Rukh, defendemos!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).