A guerra na Ucrânia e o Sul Global
Последствия_удара_ракеты_по_Голосеевскому_району_киева_6-1

A guerra na Ucrânia e o Sul Global

O companheiro ucraniano Taras Bilous critica a posição da Internacional Progressista sobre o conflito no país e reflete sobre o papel do Sul Global nesta situação.

Taras Bilous 15 mar 2022, 16:36

Via Commons

Em 10 de março de 2022, The Guardian publicou um artigo intitulado “The west v Russia: why the global south is not taking sides”, de David Adler, o coordenador geral da Internacional Progressista. Em essência, o autor do texto tenta justificar a posição daquela parte da esquerda ocidental que se recusou a apoiar a resistência do povo da Ucrânia contra a agressão de Putin e se limitou aos apelos gerais pela paz e por uma “solução diplomática”. Decidi escrever uma resposta a este artigo por várias razões. Primeiro, seu argumento principal pode parecer convincente para muitas pessoas de esquerda, embora eu discorde dele; segundo, nossa revista Commons ainda é membro da Internacional Progressista; e terceiro, o autor se refere diretamente à minha “carta à Esquerda Ocidental”, daí que seu artigo também é uma resposta a mim. Esta é a minha tentativa de continuar esse diálogo.

Direito Internacional

O artigo de Adler começa com uma referência a uma sessão de emergência da Assembleia Geral da ONU sobre a agressão russa contra a Ucrânia. Francamente, isto me surpreendeu, pois contra o pano de fundo da declaração do Gabinete da Internacional Progressista sem dentes, a resolução da ONU é francamente um modelo de radicalismo. Infelizmente, David Adler não explica por que o não eleito Gabinete da Internacional Progressista não fez o que 141 países na Assembleia Geral fizeram – apoiar a exigência da Rússia de “retirar imediata, completa e incondicionalmente todas as suas forças armadas da Ucrânia”. Em vez disso, Adler aponta que o Sul Global não impôs sanções contra a Rússia, portanto, somente o “Ocidente” e seus aliados do Leste Asiático estão pressionando ativamente a Rússia.

“A verdadeira cisão não é entre esquerda e direita”, Adler escreve, mas “entre o norte e o sul, entre as nações que chamamos desenvolvidas e aquelas que chamamos em desenvolvimento”. Em resumo, ao apontar a relutância dos governos do Sul Global em impor sanções, Adler está tentando se absolver da responsabilidade e manter sua posição de avestruz.

Eu não pretendo minimizar a distância entre o Sul Global e o Ocidente. Pelo contrário, como residente do país mais pobre da Europa Oriental, sou solidário com a relutância dos países pobres em sofrer perdas econômicas óbvias devido ao seu envolvimento ativo no conflito. Especialmente porque é o Sul Global, não o Ocidente, que sofrerá com a crise alimentar que nos espera a todos por causa da invasão russa da Ucrânia. Mas eu tenho uma atitude completamente diferente em relação à relutância dos países ricos em impor sanções, pois estas acarretariam perdas para eles. Os governos ocidentais não têm desculpa nesta questão. E, para a esquerda ocidental, a posição do Sul Global não pode servir de desculpa para tentar se retirar deste conflito.

Entretanto, a relutância em participar ativamente do conflito de países que foram vítimas do imperialismo ocidental não tem apenas razões econômicas, mas também razões históricas e políticas óbvias, às quais Adler se refere. Ele também cita Pierre Sané, presidente do Instituto Imagine Africa e ex-secretário geral da Anistia Internacional. “Neutralidade não significa indiferença”, diz Pierre Sané, “Neutralidade significa exigir continuamente o respeito às leis internacionais”. A posição de Pierre Sané é inequívoca. A da Internacional Progressista, por outro lado, não é, e não posso deixar de perguntar novamente, por que então sua declaração não exigiu o cumprimento do direito internacional e, consequentemente, exigiu que a Rússia retirasse imediatamente suas tropas da Ucrânia?

Como Marwan Bishara salientou, a relutância de muitos países em se envolverem no conflito “tem menos a ver com a Ucrânia e mais com a América”. Isso é compreensível. Mas defender o direito internacional agora é apoiar a luta do povo ucraniano por sua liberdade e independência, pelo menos através de declarações. Infelizmente, a Internacional Progresista nem mesmo fez isso.

Paralelos históricos

David Adler traça um paralelo entre a relutância do Sul Global em participar ativamente do atual conflito e o Movimento dos Não-Alinhados durante a Guerra Fria. Mas ele ignora uma diferença fundamental entre o conflito atual e a Guerra Fria. Se o Ocidente não mudou muito politicamente desde a Guerra Fria, o outro lado do conflito, a Rússia, mudou drasticamente. Gostando ou não, a Rússia hoje tem mais em comum com o Terceiro Reich do que com a União Soviética. Eu não considero o regime de Putin fascista, mas neste caso é realmente difícil evitar paralelos. Em ambos os casos, temos um império que perdeu o confronto global, com o qual o inimigo se comportou arrogantemente após a vitória, e onde os sentimentos revanchistas se enraizaram. Uma sociedade que não aceitou as perdas territoriais e apoiou o uso da força militar bruta para recuperar território.

A União Soviética, apesar de seu autoritarismo, deportações e massacres, ofereceu ao mundo um projeto progressista definido. O regime de Putin promove apenas o conservadorismo, o nacionalismo agressivo e a divisão do mundo em esferas de influência das “grandes potências”. Neste sentido, apesar de todas as diferenças, o Terceiro Reich é a analogia mais próxima da Rússia de Putin.

A relutância do Sul Global em apoiar a pressão ocidental sobre a Rússia também é comparável à relutância dos movimentos anti-coloniais em apoiar as guerras de suas metrópoles com os países do Eixo. Agora, muitas vezes, a situação é ignorada, mas as colônias africanas e asiáticas dos estados europeus tinham atitudes diferentes em relação à participação na Segunda Guerra Mundial. Chandra Bose, um dos líderes do Congresso Nacional Indiano, até cooperou com os alemães e japoneses e participou da formação da Legião SS da Índia Livre. E ele estava longe de estar sozinho – como observa o historiador David Motadel:

“No auge da Segunda Guerra Mundial, dezenas de revolucionários anticoloniais afluíram à Alemanha vindos do Norte da África, do Oriente Médio e da Ásia Central e do Sul, transformando Berlim em tempo de guerra em um centro de ativismo revolucionário anti-imperial global. Impulsionados pelas contingências da guerra, as autoridades alemãs fizeram esforços crescentes para mobilizar movimentos anti-imperiais, alcançando os súditos dos impérios britânico e francês e as minorias da União Soviética”.

Não menciono isto para julgar as pessoas que participaram destes movimentos anticoloniais. Não há ambiguidade sobre o Terceiro Reich, mas os movimentos anticoloniais que optaram por colaborar com ele e com os japoneses merecem mais compreensão. Especialmente da parte de cidadãos de países ocidentais que nunca enfrentaram uma escolha tão difícil como as nações colonizadas fizeram durante a Segunda Guerra Mundial. As pessoas que lutam por sua liberdade têm que escolher seus aliados não em circunstâncias de sua própria escolha, mas sob circunstâncias que já existem. Ao recordar este episódio, quero simplesmente mostrar que a posição dos países do Sul Global não pode ser um argumento na discussão da agressão russa contra a Ucrânia mais do que há 80 anos.

Mas chega de digressões históricas. Felizmente, a Rússia moderna não é o Terceiro Reich, e não será capaz de travar uma guerra em larga escala por muito tempo. Não devemos permitir que a escalada da guerra entre na Terceira Guerra Mundial, portanto, a esquerda internacional não deve apoiar o envolvimento direto de outros Estados na guerra. Mas os socialistas devem condenar inequivocamente o agressor e apoiar a pressão política e econômica sobre ele. Ao mesmo tempo, a esquerda internacional não deve ver os ucranianos apenas como vítimas – nós também temos nossas próprias opiniões sobre o que gostaríamos que nosso país fosse, e estamos prontos para lutar por ele. E precisamos de ajuda internacional em nossa luta. Apoiar a reivindicação de dar aos aviões e à defesa aérea da Ucrânia. Se você não quer pressionar seus governos sobre esta questão, pelo menos apoie a exigência de anular a dívida externa da Ucrânia e exija sanções duras, especialmente contra os oligarcas.

Sul Global

Em conclusão, gostaria de me dirigir ao povo do Sul Global. Nas últimas duas semanas tenho lido respostas surpreendentes de sírios que perguntam por que o mundo não reagiu tão ativamente quando aviões russos bombardearam suas casas e por que os refugiados sírios não foram tratados com tal hospitalidade. Obviamente, uma das razões é que nós somos mais “brancos”. Sinto muito que tenham sido tratados de maneira diferente. Mas, ao mesmo tempo, a situação atual dá uma chance ao mundo inteiro.

Uma das características da política de Hitler foi que ele transferiu as práticas coloniais europeias destinadas aos “não-brancos” para a Europa. Isto ajudou a desacreditar a política colonial como tal, e a derrota da Alemanha contribuiu para o colapso de outros impérios coloniais. Algo semelhante poderia acontecer novamente agora. Putin decidiu repetir o que os EUA fizeram com o Iraque, mas não considerou que a reação à agressão de um império autoritário contra uma república mais democrática da Europa Oriental seria tão diferente. E isto nos permite finalmente pôr um fim a tais políticas em todo o mundo.

Compreendo a relutância em apoiar seus antigos colonialistas em sua luta contra outro imperialismo e as advertências de que um EUA mais forte teria um impacto negativo sobre você. Mas não esqueçamos que no ano passado as tropas americanas foram retiradas do Afeganistão em desgraça – por um tempo isso as desencorajará de perseguir políticas agressivas.

Ao mesmo tempo, como vemos agora, outros predadores imperialistas podem lucrar com esta situação. A Rússia já bombardeou a Síria, subjugou os governos da África Central e de Mali, para não falar de seu domínio imperial sobre o Cazaquistão e a Ásia Central. Se vencer na Ucrânia, poderá imiscuir-se também nos assuntos de seus países. Ao mesmo tempo, sua derrota pode conter não apenas a Rússia, mas também outras potências globais e regionais. E quanto mais cedo esta guerra terminar, menos negativas serão suas consequências, inclusive em termos da crise alimentar.

Isto não significa que a vitória da Ucrânia não terá consequências negativas. E enquanto agora desejo de todo o coração que a Rússia seja derrotada o mais rápido possível, também estou preocupado que um enfraquecimento da Rússia no Cáucaso do Sul permita ao Azerbaijão retomar a guerra em Nagorno-Karabakh. Tenho amigos vivendo na Armênia, e embora não gostem da dependência de seu país em relação à Rússia, assim como eu não gosto da dependência da Ucrânia em relação ao Ocidente, em ambos os casos a dependência oferece fracas, mas certas garantias de segurança. E compreendendo a posição da Armênia, não espero muito deles – pelo contrário, sou grato que na Assembleia Geral da ONU a Armênia pelo menos se absteve e não votou contra a resolução.

Mas a preservação deste sistema não é a solução. Precisamos desenvolver e fortalecer o sistema global de segurança internacional. E em Nagorno-Karabakh, por exemplo, a questão da segurança poderia ser parcialmente resolvida substituindo as “forças de manutenção da paz” russas por forças de manutenção da paz da ONU. Ao mesmo tempo, a solução dos problemas ucranianos poderia ajudá-lo também. Por exemplo, a anulação de nossa dívida externa abriria um precedente, que espero que você possa então utilizar.

Os tempos difíceis estão chegando. Mas só há uma coisa pior que uma crise: perder a chance que ela oferece. A Ucrânia deveria se tornar o Vietnã da Rússia, mas para isso precisamos de ajuda internacional, da mesma forma que o Vietnã precisou durante a invasão dos EUA. Atualmente não temos nem mesmo Kalashnikovs suficientes. Por favor, nos ajude. Se você não pode impor sanções, ajude-nos de qualquer outra maneira que puder. E depois que a Rússia for derrotada, teremos que trabalhar em conjunto na democratização da ordem global.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).