Notas do MAS Panamá sobre a situação política

Notas do MAS Panamá sobre a situação política

O Movimiento Alternativa Socialista do Panamá publica notas sobre a situação política.

2022 começou com toda uma série de problemas gigantescos que muitas vezes tendem a sobrecarregar a capacidade dos Estados e seus governos.  Em nível internacional, a invasão da Ucrânia pelo exército russo abre um novo cenário de crise do capitalismo mundial.  Uma crise supostamente gerada pelos governos dos Estados Unidos e alguns governos da União Européia, que levou o governo de Volodymyr Zelensky a expressar seu desejo não muito original de incorporar seu país à OTAN, e uma Rússia que afirma não querer uma Ucrânia armada com mísseis em sua fronteira e que promove os desejos expansionistas da OTAN, com os Estados Unidos à frente.  Apesar de todas as análises que têm sido feitas sobre o assunto, acreditamos no seguinte.  É uma crise que expressa ou destaca o colapso da Ordem Mundial política e econômica, estabelecida nos acordos de Postdan e Yalta (1945) entre Roosevelt, Churchill e Stalin, no final da Segunda Guerra Mundial.

Esta crise do capitalismo mundial, impulsionada pelo fracasso do modelo neoliberal, cria um cenário que, como apontam alguns autores e analistas, o mundo está dividido entre uma velha ordem capitalista que ainda não desvaneceu e uma nova que ainda não apareceu e se consolidou.  Assim, os Estados Unidos, em seu estágio de decadência, resiste a não querer perder o poder hegemônico e privilegiado que costumava ocupar na direção dos destinos do mundo, e uma Rússia capitalista, que está tentando abrir caminho para ocupar um lugar importante nesta Nova Ordem, que começa a aparecer, mas sem que fique claro exatamente para onde esta Nova Ordem está indo.   Mesmo assim, já existem aqueles que afirmam que a China será o maior beneficiário desta disputa e que, apesar de não fazer parte dela em aparência, também está silenciosamente tentando se colocar à frente desta chamada Nova Ordem Mundial, na qual de fato ocupa o segundo lugar como uma crescente potência econômica capitalista. 

Para os trabalhadores do mundo, isto é muito grave, porque em meio a esta onda de crises, a classe trabalhadora não está consciente de uma proposta clara e aceitável, como de fato foi no início do século 20, quando idéias socialistas e revolucionárias estavam ganhando a consciência e a confiança da classe trabalhadora na Europa, América do Norte, Ásia e América Latina.  Esta confusão atual da classe trabalhadora mundial é a explicação mais sensata que podemos ter para explicar porque, quando o capitalismo está no meio de uma das crises mundiais mais graves dos últimos tempos, as massas continuam a apoiar o sistema.  Vemos isso na França com as recentes eleições presidenciais, onde os candidatos do segundo turno serão a extrema direita representada pelo Marine Le Pen e o capitalismo financeiro europeísta, representado por Emmanuel Macron. Não há dúvida de que a experiência soviética, com a dissolução da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e a passagem de suas diferentes repúblicas ao capitalismo, incluindo a Rússia e a Ucrânia, é uma das razões pelas quais a classe trabalhadora européia e mundial está tão hesitante em apostar em uma saída socialista.  Aqui na América Latina, as massas decidem continuar apostando no progressivismo, quando sabemos de antemão que estes progressistas não estão interessados em questionar o sistema, muito menos em aspirar a ir além dele. 

COMO AS COISAS ESTÃO INDO NO PANAMÁ

Apesar do profundo impacto da pandemia sobre o povo panamenho, com mais de 250.000 contratos de trabalho suspensos, e atualmente, segundo dados do Ministério do Trabalho, pouco mais de 30.000 empregos ainda não foram recuperados, a classe trabalhadora não perdeu seu entusiasmo na luta pela defesa de seus interesses.  Vale a pena reconhecer que apesar do golpe recebido dos efeitos da pandemia, os trabalhadores não desistiram de seus esforços quando se tratava de tomar as ruas para defender a previdência.  Alguns mais alguns menos, a liderança sindical estava sempre em alerta e não comprou a história de que a previdência estava à beira da falência e que era apenas uma questão de esperar mais alguns meses antes que o programa de Deficiência, Velhice e Morte entrasse em colapso.

Até agora, este ano houve lutas importantes, que não deixam dúvidas sobre o estado de espírito da classe. A greve dos trabalhadores da BIMBO, por melhores salários, assim como as ameaças de greve da SUNTRACS, pelas mesmas razões, as pressões dos trabalhadores da ETESA, da AUTHORIDAD MARITIMA, dos trabalhadores da saúde, do IDAAN, do Departamento de Saneamento, são apenas um sinal de que as mentiras e enganos da APEDE, da Câmara de Comércio, da Câmara da Construção, não são suficientes, que não é o momento mais propício para exigir melhorias nas condições de vida dos trabalhadores e suas famílias. Certamente para a Mercedes Eleta da APEDE, ou para Marcela Galindo da Câmara de Comércio, o aumento dos preços é normal porque, como dizem, é o resultado do mercado livre, algo que não pode ser controlado, enquanto boa parte da liderança sindical continua a enviar mensagens falsas para a hierarquia, dizendo-lhes para não negociarem acordos de negociação coletiva, pois a economia deve poder se recuperar. 

Como em outros países, o povo panamenho e a classe trabalhadora ainda não conseguiram desenvolver sua própria proposta política, através da qual podem expressar o repúdio ou a indiferença que sentem pelos partidos políticos corruptos dos patrões, sejam eles chamados PRD, PANAMEÑISTAS, CAMBIO DEMOCRÁTICO. Nem sequer consegue contruir uma proposta democrática, que se aproxime mais das necessidades populares, como é o caso do chamado prograssismo na America do Sul, o recentemente com a eleiçao de Xiomara Castro em Honduras, pelo contrário, o povo panamenho tenta expressar seu descontentamento através das chamadas candidaturas independentes ou através de novos partidos da burguesia ou da classe média (Partido País, Otro Camino, Alianza), ou na pior das hipóteses, novamente um “salvador” (Rubén Blades).  Apesar dos repetidos esforços da Frente Amplio por la Democracia (FAD), pensamos que esta proposta ainda não conseguiu penetrar nos setores de vanguarda da luta popular ou na base da classe trabalhadora.  A proposta política da FAD, de construir uma alternativa política popular, assim como o chamado para um CONSTITUINTE ORIGINÁRIA, que foi feito nos últimos anos, baseiam-se no chamado de uma vanguarda classista ou intelectual, mas nenhum deles conseguiu se conectar a consciência das massas populares, isto é explicado porque não são o resultado consciente de grandes lutas e mobilizações de massas, como foi o caso na Bolívia, Venezuela, ou recentemente em Honduras, guardando as proporções do caso, é por isso que pensamos que a melhor preparação para a postulação dos trabalhadores e combatentes populares à luta política eleitoral é o impulso à mobilização unitária, ou a solidariedade com os trabalhadores e setores populares em conflito com a patronal e o governo, para continuar lutando e se mobilizando pela defesa do Fundo de Previdência Social, pelo aumento geral dos salários, pela defesa dos acordos coletivos, nas lutas aprendemos a identificar nossos inimigos de classe e devemos também aproveitar para tomar consciência de que eles também são nossos inimigos políticos e que não devemos apoiar seus partidos ou seus candidatos, Ao invés disso, devemos promover e apoiar a participação na política das correntes e partidos operários, dizer às massas que nós trabalhadores podemos liderar o país em nosso benefício, com nossos próprios candidatos faremos muito melhor do que os atuais líderes, agentes da burguesia e do imperialismo, devemos acabar com a vergonha que décadas de domínio político por parte dos patrões e seus partidos de bolso significaram. 

Panamá, 21 de abril de 2022.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).