Primeiras impressões desde Varsóvia
WhatsApp-Image-2022-04-14-at-16.43.46

Primeiras impressões desde Varsóvia

Direto da Polônia, Bruno Magalhães escreve as primeiras impressões sobre o impacto da invasão russa à Ucrânia no país.

Bruno Magalhães 14 abr 2022, 16:56

Quem chega a capital da Polônia imediatamente percebe os sinais da guerra no país vizinho. Bandeiras da Ucrânia nas ruas e nos carros, cartazes escritos em ucraniano, posters e pixações contra Putin por todos os lados, entre outros exemplos, refletem o enorme fluxo de refugiados ucranianos. Os dados oficiais indicam que 4.7 milhões de ucranianos já saíram de seu país após o início da invasão russa, sendo mais de 2 milhões com destino à Polônia.

Nas ruas de Varsóvia esses números se transformam em pessoas chegando a todo momento nos postos de atendimento na estação Warsawa Centralna e nos diferentes centros de acolhimento do governo, da igreja e de outras organizações como ONGs ou mesmo partidos políticos como o Lewica (“A Esquerda” em polaco, principal partido social democrata do país). As longas filas formadas para distribuição de comida durante a noite, com termômetros marcando 2º C, a distribuição de roupas e a gratuidade para refugiados no transporte público buscam amenizar a dramática situação das famílias dos idosos, mulheres e crianças que chegam à cidade.

Um dos vários exemplos é o de Anna, da cidade Smila, uma jovem mulher atendida em um destes postos com seu filho pequeno. Na Polônia já há alguns dias, ela buscava ajuda para receber outros parentes que chegariam à Varsóvia em breve. Mesmo com a dificuldade de comunicação, ela insiste que nunca pensou em ter que sair de sua casa e até poucos dias antes da invasão não acreditava que a guerra começaria. Porém, com o avanço das tropas russas, ela fugiu primeiro para a região oeste do país e algumas semanas depois cruzou a fronteira para a Polônia.

Histórias voluntárias

Além dos refugiados, se percebe também o grande número de voluntários estrangeiros. Jonathan é um jovem que veio de Los Angeles e acaba de voltar da Ucrânia pela segunda vez no último mês. Participando de comboios de ajuda humanitária realizados por uma organização francesa, ele diz que a situação em Lviv (cidade grande mais próxima da fronteira polonesa) é bastante tranquila, com hotéis e cafés abertos, e que o fluxo de refugiados diminuiu bastante após o recuo do exército russo nos arredores de Kiev. Ele teme que esta relativa calma seja apenas aparente, diz que Putin prepara uma nova ofensiva ainda mais violenta e se preocupa com a diminuição do fluxo de voluntários. “Na fronteira tem mais jornalistas que voluntários” diz de forma exagerada. Ele não votou nas últimas eleições americanas, não tem religião e veio para a Polônia com recursos próprios.

Outro caso interessante é o de Ali, um sorridente fotógrafo malaio pai de quatro filhos que acabou de chegar em Varsóvia. Ele está de partida para a Ucrânia pela primeira vez e planeja ficar um mês no país, tirando fotos e ajudando nos comboios. Se preocupa bastante com a obrigação de informar a embaixada da Malásia sobre seus planos porque seu país e a Ucrânia tem péssimas relações diplomáticas depois da suposta derrubada por engano do voo Malaysia 17 pelo exército ucraniano em 2014*. Ele não informará a embaixada: “Não foram as crianças ucranianas que derrubaram aquele avião e eu me senti tocado para vir ajudar quando começou a guerra. Vão me chamar de traidor por levar remédios para as crianças?”, pergunta este muçulmano que não se interessa por política.

Centro de atendimento para refugiados ucranianos

A ideia de que a Ucrânia provocou esta guerra é uma mentira que soa quase ofensiva para quem a houve pela cidade. “Putin é um ditador, ele é o nazista nessa história” é o que diz Antoni, um jovem polonês que veio do interior para ajudar como intérprete. Interessado por política, ele é taxativo quando questionado sobre a extrema-direita ucraniana: “A Alemanha tem mais nazistas do que a Ucrânia e lá eles ganham eleições”. Ele não participa de nenhuma organização política, se considera um democrata radical e diz que se a Polônia não estivesse na União Européia seria mais um alvo na mira de Putin.

A contradição da direita polonesa

A invasão russa também trouxe à tona as grandes contradições do Lei e Justiça (PiS), partido de direita do presidente Andrzej Duda que tem laços com figuras como Marine Le Pen, Viktor Orbán e Matteo Salvini. Profundamente conservador, com uma agenda anti-trabalhista, anti-imigração e contra os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, Duda é visto como pró-Putin na política polonesa e a guerra aprofundou o desgaste de partido pelo impacto da invasão russa no país.

O PiS também se alinhou profundamente aos EUA durante o governo de Donald Trump, inclusive com intenções de criar uma nova base militar no país que seria chamada de “Forte Trump”. Tomando posição clara no conflito entre os chamados “europeístas” e “nacionalistas”, Duda já denominou a União Européia como uma “comunidade fantasma” e em diversas ocasiões se alinhou à extrema-direita do continente ao mesmo tempo em que atacou violentamente a oposição interna de centro e de esquerda.

Cartaz nas ruas de Varsóvia

Eleito denunciando a politica de “portas abertas” aos refugiados promovida pela Alemanha de Angela Merkel, o PiS foi obrigado a mudar sua orientação sobre o tema com a guerra e hoje abre as portas para os refugiados ucranianos. Mas esta mudança não é tão profunda como parece, afinal imigrantes da África e do Oriente Médio continuam sendo barrados nas fronteiras polonesas e refugiados sírios e afegãos continuam sendo presos e deportados para o vizinho Belarus. Também há relatos de que refugiados ucranianos chegando a Polônia através da Moldávia estariam recebendo um tratamento bem pior. Esta política racista torna ainda mais evidente a posição desta extrema-direita que cresce no cenário político europeu.

A derrota de Trump e a guerra podem ter promovido um giro no governo polonês, que hoje acena a Biden como líder da OTAN contra o expansionismo russo. Mas o perigo do imperialismo russo ainda parece mais evidente para a população polonesa do que para seu governo, contribuindo para uma possível mudança na dinâmica política do país nos próximos anos. A Polônia é o país onde a participação na União Européia tem a maior popularidade e, apesar de incorreta esta posição é facilmente compreensível tendo em vista a localização geopolítica do país.

A contradição que enfrenta a direita polonesa é interessante porque desmente toda a narrativa – infelizmente comum no Brasil – de que a invasão russa seria parte de um processo de “desnazificação” da Ucrânia. Enquanto um setor significativo da esquerda mundial lava as mãos perante o avanço dos tanques e bombardeiros russos, a extrema-direita europeia até ontem via com bons olhos o exemplo nacionalista do regime de Putin. Nesse contexto, a esquerda polonesa tem um grande desafio à enfrentar, espremida entre os interesses imperialistas ocidentais, as alternativas de extrema-direita em seu próprio país e o imperialismo russo em suas fronteiras.

* Investigações conduzidas tanto pelo Ministério Publico holandês como por uma comissão internacional estabeleceram com provas materiais que o MA17 foi derrubado por um míssel russo atirado da área do Donbass controlada pelos separatistas. 4 individuos (três russos e um ucraniano) estão sendo alvo de um mandato de prisão internacional e serão condenados à revelia a prisão perpétua pela Corte Europeia de Direitos Humanos.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.