Ato em solidariedade aos presos e perseguidos na Nicarágua reúne dirigentes históricos e militantes de mais de 10 países
280012870_4984260521609199_1171884366111859585_n-1-2

Ato em solidariedade aos presos e perseguidos na Nicarágua reúne dirigentes históricos e militantes de mais de 10 países

Dirigentes históricos e miitantes de mais de 10 países estiveram presentes na atividade.

Revista Movimento 23 maio 2022, 11:39

No último sábado (23/05) aconteceu o Ato em Solidariedade aos presos e perseguidos da Nicarágua, reunindo dirigentes históricos como a ex-comandante guerrilheira Mônica Baltodano, o sociólogo Óscar René Vargas, Zoilamérica Ortega Murillo (filha de Rosário Murillo), Paulo Abrão (ex-Secretário Executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos), Eric Toussaint (IV Internacional) e a saudação de parlamentares como o eurodeputado Miguel Urbán e as deputadas brasileiras Fernanda Melchionna e Talíria Petrone (PSOL).

Além disso, camaradas de organizações políticas e sociais de mais de 10 países também se fizeram presentes, como Darío Gonzales Posso, do Indepaz colombiano e ex-membro da Brigada Simón Bolívar, Orlando Barrantes do MTC costa-riquenho, a ex-ministra do governo Hugo Chavéz Olly Milán e o dirigente do LUCHAS venezuelano Stálin Borges, Evelyn Captchi (dirigente nacional do partido Nuevo Perú), Alfons Bech de La Aurora do Estado Espanhol, José Luiz Hernández da CSR mexicana, além das organizações brasileiras do PSOL, com Pedro Fuentes (MES) e Ana Carvalhaes (Insurgência).

Entre outros encaminhamentos, o encontro aprovou a proposta de Declaração de Solidariedade com Nicarágua (veja abaixo) e impulsionar a criação de Comitês de Solidariedade com a Nicarágua nos diversos países participantes

Veja o vídeo do evento aqui e leia a declaração abaixo:

Declaração pela Liberdade dos Prisioneiros Políticos na Nicarágua

Aqueles de nós que assinam este texto têm fortes laços com a Nicarágua, alguns criados durante os anos 80 e outros mais recentemente. Nossa solidariedade de ontem anda de mãos dadas com a indignação que sentimos hoje contra um governo ditatorial que dispara sobre o povo em nome de uma revolução que foi traída.

Cada dia mais e mais de nós tomamos consciência de que o Sandinismo histórico é o antípoda do poder autocrático de um presidente que usa obscenamente a linguagem, os slogans e até mesmo os cantos de uma revolução extinta para manipular os sentimentos do povo e fazê-los acreditar que a repressão, as centenas de pessoas mortas, feridas, presas e os milhares de exilados, estudantes, feministas, defensores dos direitos humanos…, são o caminho para uma vida melhor.

O último episódio de um regime repressivo que está fugindo para a frente são as eleições de 7 de novembro de 2021. Fraudulentos e intervencionistas do governo e de um Conselho Supremo Eleitoral subordinado, eles deixaram candidatos e forças políticas que poderiam ter desafiado a hegemonia de Daniel Ortega fora da competição. A prisão, prisão e exílio dos candidatos, assim como a proibição de vários partidos políticos, são a melhor prova do esmagamento da democracia na Nicarágua no momento.

A escalada repressiva de um regime que elimina as liberdades e persegue os opositores remonta a um longo caminho. Primeiro, estabeleceu um acordo mafioso com o ex-presidente Arnoldo Alemán no qual, em troca de garantir-lhe total impunidade por sua escandalosa corrupção e a continuação das reformas neoliberais, o partido de Alemán votaria por uma reforma da Lei Eleitoral que facilitaria o triunfo de Danielismo, e não do Sandinismo, nas eleições de 2006. O regime Ortega-Murillo fez sua estréia no final de 2007 com a aprovação de um novo código penal que criminaliza todos os tipos de aborto, incluindo o aborto terapêutico e quando a vida da mãe está em perigo. Este foi o preço que Ortega pagou ao Cardeal Obando y Bravo por não bloquear seu acesso à presidência. Naturalmente, os movimentos de mulheres saíram às ruas em protesto e se tornaram um alvo prioritário para a repressão do regime.

Desde sua posse como presidente em janeiro de 2007, a repressão do regime tem sido sistemática e cada vez mais generalizada e radical, chegando ao ponto de cometer crimes contra a humanidade quando reprimiu com sangue e disparou contra a insurreição cívica de abril de 2018. Desde então, dezenas de ONGs foram fechadas, tanto locais quanto estrangeiras; organizações de direitos humanos foram dissolvidas; prisões e prisões indiscriminadas como método de semear o medo são acrescentadas à repressão de figuras políticas e culturais relevantes; a prevaricação dos juízes é recompensada, e milícias de gatilho são mobilizadas para deter os protestos legítimos dos cidadãos. Jornais e estações de rádio críticos são fechados; o jornalismo independente é impedido; jovens ativistas são expulsos das universidades.

Existem atualmente cerca de 180 presos políticos, alguns deles ex-combatentes proeminentes contra a ditadura de Anastasio Somoza, que estão sendo julgados sumariamente, sem tempo suficiente para preparar sua defesa contra falsas acusações e sofrendo as piores condições carcerárias. Basicamente, as monstruosidades destes julgamentos não são diferentes dos julgamentos de Moscou, pelos quais o ditador Joseph Stalin eliminou toda a velha guarda bolchevique. Esperemos que agora, ao contrário daquela época, a maioria da esquerda socialista não fique em silêncio e se junte à luta pela libertação dos presos políticos nicaraguenses e pela restauração das liberdades democráticas na terra do general Augusto César Sandino.

Em 21 de maio de 2022

Liberdade para os presos políticos da Nicarágua!
Abaixo a tirania da família Ortega-Murillo!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).