Os sindicatos e a guerra

Os sindicatos e a guerra

Segundo relato de Alfons Bech direto de Lviv na Ucrânia.

Alfons Bech 9 maio 2022, 16:55

Os sindicatos na Ucrânia, como em muitos países anteriormente chamados socialistas, são compostos por uma parte oficial e uma parte criada mais recentemente, a partir da queda do muro de Berlim, também chamados de sindicatos livres. A primeira está mais ou menos ligada aos governos e segue as instruções acima e está organizada com duas centrais sindicais que, por sua vez, têm os ramos industriais ou de serviços. Os sindicatos livres não têm uma central por enquanto e surgem em cada ramo de produção ou serviço ou mesmo em uma região. É certamente o mesmo processo seguido por muitos dos sindicatos de hoje na Europa e em todo o mundo antes da formação dos centros sindicais nacionais.

Estive numa conferência onde falaram representantes dos sindicatos livres, assim que só posso falar deles. Mas, para começar, devo colocar o leitor no contexto de que estamos falando. A Ucrânia está em guerra após ser invadida pela Rússia em 24 de fevereiro e o governo ucraniano declarou lei marcial. Isso significa uma restrição quase total das atividades de protesto que os sindicatos têm que desempenhar: greves são proibidas; você tem que aceitar as alterações ou prorrogações de horários; salários integrais não podem ser pagos, etc. Os sindicatos, oficiais ou livres, aceitaram esta situação. Então, que papel eles desempenham durante esta guerra?

O líder sindical ferroviário do depósito de kyiv, Olexander Skyba, diz: “nós ferroviários não transportamos apenas pessoas. Também transportamos materiais e ajuda necessária de uma cidade para outra. No momento, é a forma mais importante de mobilidade e transporte na Ucrânia. Sem a ferrovia muitas cidades ficariam isoladas. Os russos consideram a ferrovia como inimiga e destroem os carros e máquinas que transportam medicamentos, insulina, alimentos. Deixaram passar alguns remédios por pressão internacional, mas destruíram a ferrovia. No momento, nós ferroviários temos uma grande responsabilidade no país.”

Yurii Salmoilov, líder da União Independente de Mineiros da Ucrânia, diz que “a comunicação da esquerda europeia com a esquerda ucraniana é muito importante. Esta conferência deverá servir para consolidar a relação. O sindicato mineiro é a alternativa que temos.” No final, ele surpreende todos os ocidentais levantando o punho. Vê-se que a proibição oficial do Partido Comunista anos atrás não afetou a ideologia de muitos antigos militantes.

Vasily, outro líder mineiro nos diz que “500 sindicalistas estão no exército. Minha mensagem a todos os sindicatos, parlamentos e governos é que parem de importar gás, petróleo ou carvão da Rússia. Pare de alimentar o monstro.”

Pavlo Oleshchuk, da União Atômica da Ucrânia, explica as duras condições em que trabalham: “Apesar dos ataques à maior usina nuclear da Europa, nós, trabalhadores, continuamos trabalhando. Quando as tropas russas deixaram a parte que ocupavam da usina, só encontramos destruição e lixo nos quartos, não sabemos se foi uma ordem dos comandantes ou não. Agora continuamos a trabalhar “ordenados” pelos russos, embora eles não estejam mais lá. O objetivo é recuperar o patamar econômico anterior… Não estamos arrecadando salários. Em março cobramos apenas 70 dólares…”

Um cientista intervém: “pedimos ajuda para a Ucrânia, não apenas para ajudar os ucranianos, mas para ajudar a todos nós. O imperialismo ataca todos os povos do mundo, diferentes nações, então toda solidariedade dos trabalhadores, toda ajuda pelos direitos sociais é bem-vinda.” Entra também no debate político: “Zelensky foi eleito democraticamente. Não aceitamos outra visão do povo ucraniano. Queremos e esperamos a vitória da Ucrânia. Não queremos esmagar a Rússia, se pudéssemos. Não somos imperialistas.”

No final do debate, aproximo-me de Olexander, o ferroviário, e digo-lhe que também trabalhei na ferrovia. Seu rosto se ilumina e imediatamente ele me convida para ir a Kiev para pegar um trem. Digo a ele que não posso, não agora, mas aceito o convite para mais tarde. Estou lhe dando uma pequena doação econômica que coletamos para os sindicatos. Na hora do almoço, ele me oferece uma cerveja ucraniana que, para minha surpresa, está em uma garrafa plástica de um litro. Há muito tempo não vejo a bondade dessas pessoas. Quase, quase… vou para Kiev… Será outra hora.

\
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).