Que dizem feministas, ecologistas e ciganos?

Que dizem feministas, ecologistas e ciganos?

Terceiro relato de Alfons Bech desde Lviv na Ucrânia.

Alfons Bech 9 maio 2022, 16:32

Sempre há que perguntar às minorias ou, sem ser minoria, sobretudo às mulheres, para saber que grau de cultura e progresso alcançou uma sociedade. Durante estes dias que estou em Lviv tive a oportunidade de escutar ativistas de organizações diversas que falam da situação interna da Ucrânia em questões delicadas como feminismo, racismo, destruição ecológica. Isto é o que pude recolher de suas informações e opiniões, após o filtro das traduções do ucraniano ao inglês ou, às vezes, ao francês.

Ksenia, uma mulher ativista do grupo Feminist Workshop, nos conta que nas cidades ou povoados ocupados pelos russo a situação é muito difícil para as feministas. Muitas ativistas foram assassinadas. Esta e outras brutalidades tem feito com que pessoas normais que nunca haviam se mentido com política saiam a protestar contra as tropas russas na rua.

“As tropas russas incorporam a homofobia como parte oficial da nova situação em terras ocupadas. É uma cultura patriarcal dominante que ataca a cultura europeia como “gay-europeia”. E isso é transferido para os políticos de nosso país. Os militares russos e o exército defendem a ideia de que, se os políticos não são capazes de satisfazer às mulheres, é por esse motivo que há lésbicas na Ucrânia. Não se trata só de uma guerra para defender a terra e a independência do nosso país, senão também por nossos valores”.

Em Járkiv e outras cidades as ativistas vão receber as pessoas que chegam como refugiadas de outros lugares, sobretudo mulheres e crianças. Foram formadas cinco cooperativas feministas. Fazem massagem, piercings e outro serviços para contribuir a uma vida normal. Nelas há jovens chegadas de todas as regiões da Ucrânia e tomam as decisões por consenso. 80% das ativistas estão integradas na defesa territorial lutando pela vitória da Ucrânia. De fato, hoje é o país europeu onde as mulheres tem mais peso na defesa armada. Em geral, 50% das mulheres estão em tarefas de defesa.

Ulyana Ustinova, da Fundação KSENA Charitable explica a grava situação de exploração sexual das mulheres ucranianas. As redes mafiosas se incrementaram e hoje há muitas mulheres que tem sido enviadas para esta exploração para Rússia, Polônia e Turquia. É o negócio do pornografia.

Iryna Yuzyk, do People’s Action aborda as violações a mulheres e crianças. Trata-se de uma violência sexualizada cujo objetivo é a destruição emocional. A violação é uma tragédia não só pessoal senão também social por seus efeitos. Por exemplo, a decisão de abortar às vezes é tomada pelas mulheres fora do prazo seguro e isso traz muitos problemas porque o aborto ilegal e criminalizado é mais perigoso. Também a legalização do uso de arma pode converter-se em um perigo para mulheres, meninas, meninos. A guerra rompe as normas tradicionais e patriarcais e, portanto, que as decisões sejam só de homens representa um perigo.

Iryna Yuzykm, da Acción Popular, diz que nas cidades muitos homens tem perdido a vida e suas mulheres e filhos ficam sozinhos. Elas perderam seus trabalhos e fontes de alimentação. Elas têm uma rede de médicos internacionais que enviam medicamentos e sua organização os distribui para a frente do exército e defesa territorial. Os anarquistas têm sua cooperativa e trabalham na defesa do território. Mas ela reclama que o transporte do material é muito alto, entre 5 e 7 mil euros.

Serhii Mouchan é membro da Operación Solidaridad, uma rede de resistência anti-autoritária que já existia antes da guerra. Um de seus objetivos agora é a defesa das mulheres. O primeiro período pós guerra foi caótico, eles reuniram ativistas de toda ideologia: de esquerdas, socialistas, anarquistas. Organizam envios de materiais onde fazem falta e contam com o apoio de sindicalistas.

Julian Kondur representa a Fundação de Mulher Ciganas, Roma Women Fund. Para ela não há diferença entre a implicação ideológica de uma ONG e o Movimento Social (nome de uma organização de esquerda) porque estão ambos implicados socialmente.

A maioria de ciganos provêm do Leste e Sudeste e sofrem uma situação de marginalização. Mas a maioria está agora no exército. As mulheres e crianças sofrem uma situação dramática quando cruzam a fronteira porque os ciganos não têm documentos. A estratégia para buscar sua defesa tem sido acolher-se na cláusula europeizes de proteção das minorias. Com eles o governo decidiu criar um gabinete especial para poder dar documentação a essas pessoas. Necessitamos de ajuda dos europeus para sairmos mais fortes em direitos depois desta guerra. Ela também aponta que a maioria dos meios de comunicação russos deturpam os ataques aos ciganos na Ucrânia para nos apresentar como uma sociedade racista e violenta.

Oleh Stavytski, da organização ecologista Ecodia mostra em um contador a quantidade de milhões que os países europeus e do mundo estão pagando a Rússia pelo gás, petróleo e carvão. A soma é realmente enorme. A petição de sua organização é que haja um boicote a estes produtos.

Durante uma palestra que tivemos com vários grupos ecologistas da Ucrânia me inteiro de como os oligarcas estão se aproveitando da situação de guerra. Por exemplo, Ucrânia dedica a metade de todas as suas terras a agricultura e boa parte a exploração de grãos, sementes. Os russos que minaram boa parte das terras, então o governo está promovendo decretos nos quais possam ser invadidas zonas naturais protegidas. Também a invasão de zonas naturais serve para poder construir edifícios.

Uma das campanhas que levam faz um tempo é a defesa da floresta primária do Cárpatos, na região de Svydovets. Esta é uma região quase única do Centro e Leste da Europa que se extende desde a Chequia, Polônia, Hungria, Ucrânia e também Romênia e Sérvia. Na parte da Ucrânia estão derrubando a floresta primária para fazer uma estação de esqui. A guerra está dando novas “oportunidades de negócio” às custas da natureza e das pessoas pobres que não podem comprar terras ao estado, pois a maior parte da floresta é do estado.

Uma carta de 40 organizações ecologistas ucranianas pede a entrada na União Europeia. Seu objetivo é que, fazendo parte da UE possam acolher-se leis ambientais mais protecionistas. No debate surge a pergunta: mas se a União Europeia sabe que parte da madeira da Ucrânia sai da zona protegida, por que não põe um freio nas empresas europeias que a importam? Ao final aceitam que também há muita hipocrisia na UE, mas creem que estarão melhor dentro do que fora.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).