A esquerda ganha eleições na Colômbia pela primeira vez na história
elections-colombia-latin-america

A esquerda ganha eleições na Colômbia pela primeira vez na história

Uma análise sobre a as recentes eleições colombianas desde o MAS panamenho.

Lucas Guerrero 25 jun 2022, 11:11

Uma breve análise e perspectivas sobre os resultados das eleições

Hoje somos confrontados com o resultado de uma luta muito desigual; Por um lado, há aqueles que representavam as grandes potências empresariais e as multinacionais do extrativismo e muitos outros monopólios que têm grandes negócios na Colômbia, como as empresas farmacêuticas, os grandes produtores de cimento e cerveja, a indústria química e o agronegócio, os grandes magnatas da banca e da construção, como Luis Carlos Sarmiento Angulo, o maior banqueiro do país, e o próprio Jaime Gilinski, o quarto na lista dos grupos mais ricos e poderosos da Colômbia, depois do Grupo Santodomingo e do Grupo Ardila Lulle. Todos esses grupos de banqueiros e empresários, juntamente com a oligarquia latifundiária, alguns dos quais possuem centenas de milhares de hectares de terra, agrupados em seus grêmios, como por exemplo; a federação de criadores de gado, FEDEGAN, a federação de produtores de óleo de palma, FEDEPALMA, a associação nacional de industriais, ANDI ou a associação nacional de instituições financeiras, ANIF, estes são os que sempre apoiaram os candidatos do bipartidarismo colombiano (Liberais e Conservadores) durante sua longa história de mandatos ousados ousados, Para garantir seu domínio político, essas elites empresariais e bancárias não hesitaram em associar-se à máfia e usar paramilitares para expropriar a terra da população camponesa indefesa através de ameaças de morte e violência cruel, tudo isso sob o olhar cúmplice dessa série de governos indolentes e de um regime corrupto que lhes garante a impunidade mais escandalosa.

O próprio candidato Rodolfo Hernández entregou seus compromissos à alta burguesia colombiana indicando que nomearia Jorge Castaño, atual presidente da Superintendência Financeira e braço direito do grupo Gilinski, grupo conhecido por seu papel nos confrontos sobre a disputa para manter a maioria das ações das principais empresas (SURA e NUTRESA) do poderoso grupo empresarial de Antioquia, ao Ministério da Fazenda, o principal ministério desejado pela burguesia, o encarregado de administrar as finanças do país.

Do outro lado estão, antes de tudo, os “nobres” da Colômbia, um termo trazido à moda pela atual vice-presidente, Francia Márquez. Para significar, como a elite patronal, militar e de alta burocracia na Colômbia desdenha qualquer colombiano comum, qualquer membro da classe trabalhadora e assalariada, ou qualquer pessoa que não tem dinheiro ou capital, “é um zé-ninguém”. Em segundo lugar, a juventude rebelde de nossa amada Colômbia, cuja vanguarda de luta é conhecida como “A Primeira Linha”, que surgiu nos dias históricos de luta da greve nacional de 2021 e das greves de 2019-2020. Naturalmente, uma parte importante do sindicalismo colombiano, a classe trabalhadora, os funcionários públicos, os estudantes, as mulheres, os grupos LGBTI, os desempregados, os migrantes e toda uma infinidade de homens e mulheres das zonas rurais mais empobrecidas e das grandes cidades, sem trabalho, sem oportunidades de estudo, sem trabalho formal, submersos na informalidade e no trabalho cotidiano, que fazem parte da grande massa dos “Esquecidos” de nosso país.

Estas são realmente as duas Colômbia que se confrontaram na campanha eleitoral que acaba de terminar, a primeira a deter a todo custo a irrupção na política eleitoral da necessidade de acabar com o domínio do jugo político dos partidos de direita que está em vigor há 200 anos e a segunda a entrar na consciência política de setores importantes das massas que viram que poderiam expressar seu repúdio ao governo repressivo e neoliberal de Ivan Duque e Uribismo e dar a si mesmos uma chance, para mudar essa realidade que já tinha um gosto amargo, com propostas para resolver problemas básicos, como a educação gratuita, a consolidação da paz, a continuação em profundidade da implementação dos acordos de paz assinados com as FARC, para mencionar apenas dois dos mais importantes.

Ganhadores e perdedores

Definitivamente, os grandes perdedores pela enorme massa de votos que deu a vitória a Gustavo Petro (11.281.000), são o governo de Iván Duque e, naturalmente, o poder por trás do trono, Álvaro Uribe e seu partido de direita, o Centro Democrático. Outro grande perdedor é o ex-presidente Andrés Pastrana e seu partido conservador, um aliado ferrenho do Uribismo. Em geral, o establishment e a direita perderam as eleições, deixando os partidos tradicionais e o Centro Democrático de Uribe maltratados, mas ainda têm peso no Congresso, tanto no Senado quanto na Câmara dos Deputados. Se eles foram divididos durante o período eleitoral, agora que a diáspora está começando, alguns irão para a oposição, como o centro democrático, e outros para buscar os acordos que o novo governo precisa para impor maiorias no congresso; setores do partido liberal como a facção do ex-presidente Santos e figuras democráticas como Humberto de la Calle.

Rodolfo Hernandez, o candidato derrotado, teve o apoio público, velado e também o apoio vergonhoso da maioria absoluta das organizações políticas da direita colombiana, desde os conservadores recalcitrantes, como Pastrana e Uribismo, até os oportunistas do centro, como Ingrid Betancourt. Com algumas exceções, como Enrique Santos Calderón, irmão do presidente Santos e reconhecido formador de opinião em alguns setores da burguesia, e o rebelde “Danieles”, irmão e sobrinho do ex-presidente Ernesto Samper, que deu seu voto a Petro após uma análise da total superficialidade e banalidade do candidato Rodolfo Hernández, Santos terminou sua carta com esta frase que diz tudo: “Você não precisa ser um Petrista para votar na Petro”. Entretanto, devemos dizer que o candidato Rodolfo Hernández, sem se dar conta, era a única opção unificadora para todos aqueles que, por diferentes razões, não queriam votar na Petro; daqueles que tinham apoiado Federico Gutiérrez no primeiro turno, do sectarismo infundado, do medo da esquerda, dos preconceitos sobre o “Castrochavismo”, e também das franjas de eleitores que eram contra a corrupção e contra o establishment, por uma solução democrática da direita. Por esta razão, foi também um fenômeno eleitoral, que acrescentou muitos votos e conseguiu manter o voto combinado de todas as expressões da direita na Colômbia, Liberais, Conservadores, Independentes, e as da centro-direita. Finalmente, o voto em branco, para o qual havia grandes expectativas, mais de 5% dos votos, nas atuais eleições presidenciais o voto em branco foi o menor percentual dos últimos 20 anos no segundo turno, chegando a 2,24% com 501.700 contra um total de 22.637.000 votos.

Nesta ocasião, na qual Gustavo Petro concorre à presidência pela terceira vez, após ganhar 8,5 milhões de votos no primeiro turno, venceu o segundo turno. 5 milhões de votos no primeiro turno, e contra todas as previsões da mídia de que Petro havia atingido seu teto eleitoral, no segundo turno ele conseguiu somar 2,7 milhões de votos aos ganhos no primeiro turno; Este novo fenômeno, com a participação dos eleitores subindo de 54% para 58%, concentrou-se nas regiões onde o candidato da esquerda havia vencido anteriormente, ou seja, a costa do Caribe, a costa do Pacífico, os departamentos do sul do país e os grandes centros urbanos; nas quatro principais cidades da Colômbia, Bogotá, Cali, Medellín (Petro perdeu, mas aumentou seu total de votos em quase 100.000 votos) e Barranquilla, e na cidade de Barranquilla, ele conseguiu vencer o segundo turno. 100.000 votos) e Barranquilla, colocou pouco mais de 800.000 novos votos a favor de Petro. Deve-se notar que Bogotá colocou perto de 500.000 novos votos, consolidando-se como uma cidade do voto jovem e de esquerda na Colômbia. Cali também contribuiu com 130.000 novos votos neste segundo turno.

Não esqueçamos que Cali e Bogotá foram as cidades onde a luta foi mais forte durante os dias da Greve Nacional, entre outras coisas, esta luta mudou definitivamente o eixo das lutas sociais na Colômbia, que passaram a ser lideradas pelo movimento sindical e pela juventude das cidades, e os guerrilheiros, após o processo de paz, não mais formando uma parte importante do cenário nacional, perderam o protagonismo que sempre serviu ao aparelho de repressão para justificar a perseguição dos trabalhadores e a mobilização popular. Este fato também explica, em certa medida, a ampla participação eleitoral em geral e o avanço da configuração de um novo espectro político na esquerda colombiana.

Um apoio importante, nos departamentos de Valle del Cauca (64%), Cauca (79%), Nariño (81%) e Putumayo (80%), onde a maioria dos votos de esquerda foi absoluta, pois têm o apoio dos indígenas, os Afros que apoiaram massivamente Francia Márquez, e o apoio conquistado nas eleições anteriores em Nariño pelo Pólo Democrático, são regiões onde houve grandes lutas de indígenas e camponeses, mobilizações populares, bloqueios de estradas, e também onde houve vários massacres e muitos assassinatos de líderes sociais, às mãos de paramilitares e assassinos contratados a serviço das máfias e proprietários de terras.

“O povo de mãos calejadas ganhou” – Francia Marquez

Mas o mais importante neste processo são as expectativas das massas deste governo que acaba de ser eleito, que consideram suas, as pessoas saíram para celebrar o triunfo nos bairros populares da maioria das cidades da Colômbia. Francia Márquez, a vice-presidente da Colômbia, foi capaz de citar este triunfo em seu discurso, “O povo das mãos calejadas ganhou”, as mãos que simbolizam o trabalhador, o trabalhador da cidade e do campo, das minas, dos trabalhadores braçais, dos homens e mulheres que calejam suas mãos, criando a riqueza de seus patrões (como os patrões fazem), criando a riqueza de seus chefes (como Rodolfo Hernández), também representa as mulheres da Colômbia, as marginalizadas e excluídas, as massas trabalhadoras que esperam uma melhoria em seu padrão de vida, na educação, saúde, serviços básicos, moradia e tantas outras necessidades não resolvidas. Além disso, este é o triunfo expresso nas urnas, das marchas massivas, mobilizações e greves gerais, contra o governo de Ivan Duque e suas políticas antitrabalhadores e antipopulares, que tiveram lugar nos últimos anos em nosso país, lideradas por sua indiscutível vanguarda, a juventude dos bairros populares e os povos indígenas da Colômbia.

As propostas do novo governo Petro-Francia

A primeira é que ele queria confirmar à burguesia colombiana que não haverá expropriações, que não haverá retaliações e para sua tranquilidade disse-lhes “Vamos desenvolver o capitalismo na Colômbia”, referindo-se ao fato de que no campo havia relações pré-modernas ou pré-capitalistas, que tiveram que ser superadas incorporando-as à produção capitalista. É pertinente esclarecer que Petro nunca foi um militante da esquerda radical ou da esquerda marxista. Lembremos que o M-19 foi um movimento nacionalista guerrilheiro mesquinho e burguês, de caráter urbano, que se originou como um desprendimento em 1970 do movimento Aliança Popular Nacional, liderado pelo ex-ditador Rojas Pinilla, que foi roubado das eleições pelo estabelecimento da época em uma fraude eleitoral estrondosa.

Em seu discurso, Petro apresentou, em nossa opinião, quatro temas centrais, que estão intimamente relacionados, também onde são marcadas diferenças importantes com o estabelecimento tradicional: o primeiro é a mudança climática, o segundo é o tema da paz, o terceiro é a justiça social e o quarto é a unidade nacional.
Sobre a mudança climática, Petro insistiu na seriedade dos avisos dos cientistas de que a vida em nosso planeta e a existência da civilização que a humanidade construiu estão em perigo real no curto prazo, como consequência do aquecimento global e da degradação do meio ambiente de nosso planeta, e que os prazos para mitigar a tendência acelerada de deterioração ambiental e mudanças climáticas desastrosas estão chegando ao fim. Ele propõe, portanto, que seu governo queira colocar a Colômbia na vanguarda da luta contra a mudança climática no mundo, e liderará esta nova tarefa de reunir os países da América Latina e a administração Biden para chegar a acordos como o resgate da Amazônia e planos para eliminar o consumo de combustíveis fósseis, a começar pelos Estados Unidos. Ele propôs uma nova reunião dos estados das Américas, sem restrições para qualquer governo, reconhecendo um mundo multipolar, para acelerar a transição energética, para liderar a luta ambiental global e para dar à América Latina um novo protagonismo.

Sua política interna se concentrará em afastar-se dos hidrocarbonetos e do extrativismo mineiro em direção a uma energia limpa e um retorno à produção agrícola e à soberania alimentar, o que implica ao menos rever os atuais acordos de livre comércio que estão sufocando o campo colombiano e a questão das concessões de mineração e exploração de petróleo.

No campo da Paz, ele se propõe a aplicar a Constituição 91 e diz: “A paz não é nada mais que a garantia dos direitos do povo”. A paz não se reduz apenas a desarmar e desativar a guerrilha ou grupos paramilitares, como entende o establishment, a paz vai além da paz parcial, é a busca para resolver o problema estrutural da guerra, para o qual ele propõe um grande diálogo nacional, ele não será um governo revanchista, falará com Rodolfo, com o Uribismo, liberais e conservadores, para implementar os acordos de Havana e as reformas acordadas, como a reforma agrária, um ponto que tem sido sistematicamente sabotado pelo Uribismo, partido que reúne os mais atrasados dos proprietários da Colômbia, o presidente Duque, o partido conservador e uma série de políticos, parlamentares e empresários que vivem das grandes propriedades e condenam milhões de camponeses à pobreza.

De acordo com o relatório apresentado na 49ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre a situação na Colômbia em 2021, “Há uma necessidade urgente de resolver os conflitos agrários e fundiários nas áreas rurais. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) insta o Governo e o Congresso a trabalharem juntos para criar e implementar uma jurisdição agrária para tratar e prevenir estes conflitos. O relatório mais recente do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) indica uma diminuição das colheitas ilícitas na Colômbia de cerca de 7% até 2020. Entretanto, os produtores de coca, maconha e papoula que se beneficiaram dos programas de substituição de culturas relatam uma baixa implementação de projetos produtivos e o lento desenvolvimento dos Planos Nacionais de Reforma Rural Integral contemplados no Acordo de Paz”.

Ele vê a justiça social no quadro da aplicação dos direitos consagrados na Constituição de 91 e nos acordos de paz assinados com as FARC em 2016, o direito à alimentação, educação, aposentadoria, indicando que “a paz nada mais é do que a garantia dos direitos das pessoas”. Chama a retirar a da política. A Constituição de 1991 estabelece em princípio o reconhecimento dos direitos econômicos e sociais, sob um estado social de direito, o que significa que o Estado, em primeiro lugar, deve favorecer a eliminação das desigualdades sociais e oferecer igualdade de oportunidades, por exemplo, no emprego e na educação. É vergonhoso em termos de proteção social real o que está acontecendo com o direito ao trabalho, a maioria dos cidadãos pertence ao emprego informal ou está desempregada, e esta é a fonte de graves problemas em nosso país.

O presidente eleito Gustavo Petro referiu-se em várias ocasiões ao perdão, ao amor, que não haverá ódio ou vingança e pediu àqueles que não votaram nele e aos demais colombianos que não votaram, que chegassem a um grande acordo nacional, ele pediu uma política de diálogo e compreensão, que conversassem com a oposição sobre seu plano de governo, mas ao mesmo tempo afirmou que não trairia seus eleitores. É claro que estas frases envolvem sérias contradições, mas assumindo que fazem parte de um discurso abrangente, celebrando seu triunfo com sua base, pode ser deixado para os próximos dias para esclarecer as reais tendências dos apelos a um acordo nacional, que no final se resumirá ao acordo com os setores burgueses que participarão de seu governo e qual será sua conduta diante das grandes pressões do imperialismo e dos grandes empresários locais. Estas tendências podem ser intuídas pela nomeação dos novos ministros e altos cargos no governo.

Francia Marquez, o que ela representa

A vice-presidente eleita, em seu discurso perante Gustavo Petro, também expressou sua gratidão por todos os colombianos de origem pobre e humilde que a apoiaram, por aqueles que deram suas vidas nas lutas sociais e que de alguma forma ajudaram seu triunfo, mas ela, uma mulher negra e uma lutadora incansável, é uma mulher de grande dignidade, uma lutadora incansável desde sua adolescência, uma mulher do povo pobre, que era empregada doméstica, deixa claro que ela tinha que lutar pela violência perene no campo e nas áreas marginalizadas e esquecidas da Colômbia, como sua terra, no município de Suares, no departamento de Cauca. Ela chegou ao poder por causa das mudanças que a Colômbia precisa, ou melhor, porque é necessário pôr um fim à violência, à pobreza e ao desemprego. Porque é necessária uma Colômbia inclusiva, que garanta a igualdade de direitos e oportunidades para as mulheres, que deixe para trás o machismo e o patriarcado.

É por esta razão e muito mais que Francia Marques e seu movimento “Sou porque Somos” está fazendo uma forte entrada na política colombiana. Ela simboliza a luta dos setores mais oprimidos e explorados da sociedade e a defende com orgulho. Francia mostrou nestes poucos dias após a eleição que ele é um osso duro de roer para o jornalismo venal da grande mídia burguesa, que mente e se espalha de forma dissimulada ou aberta contra o povo que luta, contra a vanguarda estudantil, contra a juventude da linha de frente e contra a esquerda em geral. Francia demonstrou com sua linguagem direta e respeitosa que entende muito bem a política e seu programa, e que pode explicá-lo de forma simples e clara, e deixou mais de uma pessoa que quis colocá-la no erro ou ridicularizá-la.
Como ela mesma diz, ela ainda tem muito a aprender, mas mantém seus princípios de mudança e, junto com seu povo, espera melhorar suas vidas em muitos aspectos com este novo governo, ela estará à frente do Ministério da Igualdade. Ela representa sem dúvida um setor esquecido da Colômbia, os “ninguéns” que mencionamos no início, que saberão manter vivo o espírito de luta e os objetivos pelos quais ela lutou toda sua vida.

Um triunfo para os povos da América

Sem dúvida, a derrota da direita mais reacionária e pró-imperialista, que tem funcionado como o principal suporte das políticas neoliberais e intervencionistas do imperialismo norte-americano na América Latina, constitui um triunfo, um novo ar libertador, que fortalece a dinâmica das lutas dos povos da América, contra os governos neoliberais, ultra-direitos e fascistas, como a de Bolsonaro no Brasil, para promover lutas sociais como as da CONAIE, contra o banqueiro reacionário Lasso, em nosso povo irmão do Equador, também para enterrar monstros reacionários como o grupo de Lima e para que os governos da América Latina questionem a OEA, sempre a serviço dos interesses do império e decidam criar uma nova organização, livre deste jugo degradante de submissão a seus escuros desígnios.

Estes são novos ventos de mudança, o pêndulo da história está balançando a nosso favor, devemos aproveitá-los e trabalhar com todas as nossas forças para dar um novo impulso às lutas que nossos Povos estão travando.

Lucas Guerrero
MAS PANAMÁ


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).