Com a resistência do povo ucraniano por sua vitória contra a agressão
the_mound_of_brotherhood_sofia_support_ukraine_large

Com a resistência do povo ucraniano por sua vitória contra a agressão

Declaração da Rede Europeia em Solidariedade com a Ucrânia (ENSU) em solidariedade à resistência ucraniana.

Via Commons

Como nos dias da luta de libertação do povo vietnamita, sempre estivemos do lado dos povos oprimidos e agredidos, seja pelos Estados Unidos (e seus aliados da OTAN) ou pela URSS (e seus aliados do Pacto de Varsóvia).

Estamos conscientes de que, atravessando os diversos oceanos e continentes, a luta pela libertação nacional e social dos povos é única e global.

Nunca aceitamos, e nunca aceitaremos, que qualquer poder, ou qualquer bloco militar, possa impedir um povo de decidir seu próprio futuro, em oposição ao direito dos povos à sua autodeterminação nacional.

Por estas razões, estamos com a Resistência do povo ucraniano contra a agressão do imperialismo russo e sua tentativa de reconstruir o czarismo e depois o império soviético.

Como em outras lutas de libertação nacional, nossa solidariedade com o povo da Ucrânia é incondicional e independente de qualquer julgamento sobre sua liderança política, pois cabe exclusivamente à Ucrânia e aos ucranianos decidir o futuro de seu país.

Também cabe ao povo da Ucrânia decidir continuar a guerra pela independência nacional e especificar os termos da paz com o agressor.

A efetiva resistência ucraniana diante da invasão da superpotência russa sem dúvida demonstra a força do fator moral e a direção que a vontade do povo está tomando, refutando as teorias quase racistas que fazem dos ucranianos um mero brinquedo nas mãos da OTAN. Neste sentido, pelo contrário, podemos dizer que o povo ucraniano já ganhou moral e politicamente. A vitória militar, que obviamente apoiamos, será mais difícil de ser alcançada.

A guerra desejada pelo regime semi-ditatorial de Putin:

  • é uma agressão contra a vida dos cidadãos ucranianos e contra a independência do povo ucraniano;
  • É uma agressão contra os cidadãos-soldados russos de todas as nacionalidades, enviados ao matadouro e para esmagar os ucranianos, com o único objetivo de fortalecer o regime político interno russo e o capitalismo;
  • É uma ameaça do imperialismo e do nacionalismo grão-russo a todas as repúblicas pós-soviéticas;
  • É um incentivo para que outras potências imperiais realizem intervenções militares no mundo;
  • Já teve o efeito de fortalecer e expandir a OTAN, e de multiplicar as despesas militares;
  • É um incentivo para a proliferação de armas nucleares, enquanto a Ucrânia cedeu voluntariamente à Rússia as ogivas nucleares estratégicas e táticas, bem como os porta-aviões, que fizeram dela a terceira maior potência nuclear do mundo. Em troca, em 1994, a Rússia se comprometeu a respeitar a integridade e a soberania da Ucrânia. É o primeiro Estado do mundo (depois da África do Sul) a ter alcançado unilateralmente o desarmamento nuclear.

Quando o regime nacionalista russo semi-ditatorial, que apoia muitas organizações da direita europeia, sugere que quer “desnazificar” a Ucrânia, é um insulto às vítimas do Holocausto, ao antifascismo e também aos sacrifícios do povo soviético na guerra contra o Terceiro Reich.

Não se pode dizer que esta guerra seja uma guerra entre imperialismos, porque a Ucrânia não é um país imperialista, mas pelo contrário, é penetrada pelo capital russo e ocidental.

A paz não pode ser apresentada como um acordo entre as potências imperialistas que dividiria esferas de influência em detrimento do povo.

Não podemos simplesmente dizer “pare a guerra!”, mas devemos lutar pela retirada das tropas invasoras ou por sua rotina militar.

Ao povo da Ucrânia não se pode dizer “resista!” sem reconhecer seu direito de obter as armas apropriadas para sua autodefesa, onde e como podem.

Não pode haver equidistância entre a Resistência de um povo e o agressor.

Para isso, exigimos a máxima solidariedade, moral e material, com a Resistência do povo ucraniano contra a invasão imperialista de Putin. Pedimos solidariedade àqueles que na Rússia se opõem à guerra arriscando muitos anos na prisão e àqueles soldados russos que se recusam a continuar lutando contra seus irmãos ucranianos.

Além das iniciativas locais de solidariedade com o povo da Ucrânia, propomos que seja promulgado um Dia Mundial de Solidariedade com a Resistência Ucraniana, como aconteceu com a luta de libertação do Vietnã e contra a agressão imperialista do Iraque.

Com base em nossa Declaração, aderimos à iniciativa da Rede Europeia em Solidariedade com a Ucrânia (ENSU).

Primeira assinaturas

First signatures:

(Argentina) Horacio Tarcus, Beatriz Sarlo, Vera Carnovale, Laura Fernández Cordero, Martín Baña, Alejandro Gallian, Maristella Svampa, Pablo Stefanoni, Pablo Alabarces, Carlos Altamirano, Carlos Penelas, Mariano Schuster, Abel Gilbert, Alejandro Katz, Horacio Ricardo Silva, Karina Jannello, Adrián Gorelik, Hugo Vezzetti, Patricia Collado, Laura Klein, Ernesto Manzanares, Julio Cesar Neffa, María Cecilia Trionfetti, Jorgelina Di Iorio, Carlos A. Suárez, 

(Austrália) Susan Kippax, Michael Edwards, Michael Karadjis, Federico Fuentes, Tamara Krawchenko

(Bélgica) Jean Vogel, Laurent Vogel, Daniel Tanuro

(Brasil) Maria Elisa Cevasco, Vanessa Oliveira, Fernanda Melchionna, Sâmia Bomfim, Vivi Reis, Luciana Genro, Roberto Robaina, Israel Dutra, Pedro Fuentes, Bruno Magalhães, Nara Machado, Robert Ponge, Rosangela Gaze, Luiz Carlos Fadel de Vasconcellos, René Mendes, Fernanda Giannasi, Élena Mazzeo, Ana Maria Giannasi, Eliezer João de Souza, José Marçal Jackson Filho, Luana Alves, Fabiana Amorim

(Canada) Jeffery R. Webber, Peter McLaren, Richard Fidler, Vida Cuadra

(Catalunha) Alfons Bech, Jonas Nilson, Cristina Mas, Isarn Pardes, Esther del Alcázar, Margarita Olalla, Cristina Darriba, Marc del Alcázar

(Chile) Patricio Calderón, Manuel Sepulveda Calderón, Haroldo Dilla Alfonso 

(Colômbia) Jairo Ernesto Luna García

(Cuba) Julio César Guanche, Samuel Farber, Alina Barbara López Hernández, Ivette García González, Mario Juan Valdés Navia, Mauricio de Miranda Parrondo

(Gales) Geoff Ryan

(Alemanha) Harald Etzbach, Eva Gelinsky, Lars Steinau, Sascha Schlenzig

(Equador) Marc Saint-Upery

(Irlanda) James Monaghan

(Grécia) Pantelis Afthinos,  Tassos Anastassiadis, Elea Foster,  Dimitris Hilaris,  Dimitris Karellas, Yannis Konias, Kostas Kousiantas, Moisis Litsis, Zetta Melambianaki, Sonia Mitralia,  Yorgos Mitralias, Louiza Mizan,  Athena Moss,  Giannis Papadimitriou, Spyros Staveris, Manthos Tavoularis,  Sissy Vovou

(Espanha) Jaime Pastor Verdú, Francesc Matas, Luis M. Sáenz, Ángel Rebollar López, Carmen San José Pérez, Pablo Francescutti, Jesús Jaen Urueña, Bohdan Krawchenko, Javier Cordón Cordón, Juan Manuel Vera, María Teresa Martínez Alcolea, Manuel Pozuelo, Margarita Díaz Pérez, Lucía Castellanos Marcos, Miguel Angel Rodriguez Lorite

(País Basco) Joxe Iriarte «Bikila», Jesus Uzkudun Illarramendi, Marcelino Fraile

(França) Michel Antony, Michael Löwy, Richard Neuville, Dardo Scavino, Jean Puyade, Christian Mahieux, Patrick Silberstein, Robi Morder, Mariana Sanchez, Hélène Roux, Elisa Moros, Catherine Samary, Pierre Pelan, Patrick Le Trehondat, Sylvain Silberstein, Romain Descottes, Francis Sitel, Armand Creus, Jean-Paul Bruckert, Eva Roussel, Irène Paillard, Stefan Bekier, John Barzman, Laurence Boffet, Nara Caldera, Hortensia Ines, Julien Troccaz, Jan Malewski, Vincent Présumey, Julien Salingue, Michel Lanson, Franck Gaudichaud, Didier Epsztajn, Patrick Farbiaz, Denis Paillard, Josette Trat, Richard Walter, Claude Deleville, Georges Sarda, Geneviève Dreyfus-Armand, Marc Daniel Lévy, Ludivine Bantigny, Bruno Groppo, Vincent Bruand, Alexis Cukier, Olivier Besancenot, Frank Mintz, Bruno Della Sudda, Yohann Douhet

(Índia) Jairus Banaji, Rohini Hensman

(Itália) Antonella Marazzi, Roberto Massari, Michele Nobile, Riccardo Bellofiore, Oreste Scalzone, Laris Massari, Giorgio Amico, Andrea Furlan, Giovanna Vertova, Liben Massari, Dario Giansanti, Cinzia Nachira, Anna Della Ragione, Walter Baldo C., Andrea Coveri, Marco Noris, Brunello Mantelli, Gustavo Rinaldi, Debora Trevisi, Daria Lucca, Alessandro Stiglitz, Francesco Brusa, Luigi Ficarra, Rossana Fatighenti, Piero Maestri

(México) Rafael Mondragón, Manuel Aguilar Mora, Ismael Contreras, Jaime González, Alvaro Vázquez, José Juan Grijalva, Luis Martínez Andrade, Ivett Montalván, Gabriel Roel, Joel Ortega Juárez, Alberto Hijar, Jorge Meléndez, Alejandro Gálvez Cancino, Teresa Juárez Bustos, Linda Ávila, José Atenco, Raymundo Hernández, Alberto Escalante, Guadalupe Aguilar Madrid, Cuauhtémoc Arturo Juárez Pérez, Jesús Alberto Valdés, María Guadalupe Hernández Bravo, María Isabel Cons, Ana Laura Hernández Vázquez, Adán Valencia Córdova, Enrique Alfredo Duarte Rodríguez, María Rosario Quiroz Esquer, Mary Cruz Juárez Ramírez, Ramón Espinoza, Armando Chaguaceda, Carlos Ezequiel Hernández, Marco Aurelio Palma Apodaca, José Martínez Cruz, Jesús Alberto Valdés, María Guadalupe Hernández Bravo, María Isabel Cons, Ana Laura Hernández Vázquez, Enrique Alfredo Duarte Rodríguez, Virginia Barajas Jacinto, Alexis Jovan Aguilera Guillén

(Holanda) Jan Lust

(Áustria) Christian Zeller

(Panamá) Ligia Arreaga

(Peru) Hugo Blanco, José-Carlos Mariátegui Ezeta

(Polônia) Zbigniew M. Kowalewski, Katarzyna Bielińska, Stefan Zgliczyński, Michał Siermiński, Szymon Martys, Paweł Szelegieniec, Artur Maroń, Jacek Drozda, Paweł Michał Bartolik, Michał Kozłowski, Ewa Majewska, Lech Nijakowski, Piotr Szumlewicz, Zofia Malisz, Łukasz Ostrowski

(Porto Rico)Carlos Pabón Ortega

(Quebec) Marc Bonhomme

(Rússia) Ilya Budraitskis

(Suiça) Stefanie Prezioso, Jean Batou, Jean-Michel Dolivo, Hadrien Buclin, Pino Sergi, Janick Schaufelbuehl, Pierre Vanek, Adrian Zimmermann, Joseph Daher, Angelica Lepori, Gabriella Lima, Alexis Michoud, Matteo Pronzini, Dan Gallin

(Finlândia) Nina Veikkolainen, Marcello Ganassini

(‏Tunísia) Santiago Alba Rico

(Ucrânia) Hanna Perekhoda, Vladislav Starodubtsev, Taras Bilous, Denys Gorbach, Daria Saburova, Andrij Zdorov, Oleksandr Kravchuk, Serhii Ishchenko

(Reino Unido) Alessandra Mezzadri, Gilbert Achcar, Max Civino, Michael Tucker, Christopher Ford, Paul Crofts, Roland Rance, Simon Pirani, Marko Bojcun, Corinna Lotz, Robbie Griffiths, Paul Feldman

(Estados Unidos) Scott Carter, Linda Allegro, Dan La Botz, Sherry Baron, Nancy Holmstrom, Stephen R. Shalom, Tom Harrison, John Reimann, Sandra McGee Deutsch, Jason Schulman, Alex Chis, Claudette Bégin, Peter Hudis, Suzi Weissman, Robert Brenner, Charles Post, Sam Friedman, Eric Poulos, Ashley Smith, Phil Gasper, Andrew Pollack, Marion Munk, Glenn Allen, Mel Bienenfeld, Aaron Amaral, Jack M. Bloom, Kit Lyons, Gary Holloway, David McCullough, Franklin Dmitryev, David Finkel, Howie Hawkins, William Keach, Avery Wear, Roberta Batorsky, Wendy Thompson, Joel Geier, Carmelo Mesa-Lago

(Uruguai) Gerardo Garay, Gerardo Caetano, Fernando Errandonea

(Venezuela) Stalin Pérez Borges


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).