Os curdos não são uma “Ameaça à Segurança” – Eles são os únicos a serem atacados
Kurdish Protest Demonstration "Broke The Silence"

Os curdos não são uma “Ameaça à Segurança” – Eles são os únicos a serem atacados

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, empurrou a Suécia e a Finlândia para um golpe contra o povo curdo.

Devriş Çimen 14 jul 2022, 08:22

Via Jacobin

A Finlândia e a Suécia estão se aproximando da adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) – mas somente graças ao presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desistir de seu veto à sua adesão à aliança militar. Isto veio com condições: citando “preocupações de segurança”, ele extraiu uma série de concessões dos países nórdicos, dos Estados Unidos e da OTAN – aceitando-as somente após assinar um memorando que transformaria novamente os curdos em vítimas.

O memorando promete muito para a Turquia, em detrimento dos curdos. Após a cúpula da OTAN em Madri, em 29 e 30 de junho, o ultranacionalista Devlet Bahçeli – parceiro não oficial da coalizão Erdoğan – chamou-o de “ganho estratégico para nosso país e ao mesmo tempo um sucesso nacional”. Em certo sentido, ele está certo: isto é, de fato, um passo à frente na guerra da Turquia contra os curdos e para um governo que precisa de tais “sucessos” para sustentar seu governo interno.

Eu sou o representante europeu do Partido Democrático dos Povos (HDP), a segunda maior força de oposição da Turquia e o maior partido de esquerda. É minha triste experiência ver que as pessoas vão falar sobre os curdos, mas sem que os curdos façam parte das conversações. E mais uma vez, ao invés de ouvir os curdos, o Ocidente está cedendo diante da chantagem do Erdoğan.

Democracia, libertação das mulheres, ecologia, participação popular e liberdade são valores universais que o movimento curdo pela liberdade vem sustentando politicamente há anos. Ele busca uma alternativa democrática para os regimes autoritários do Oriente Médio que minam as liberdades. Os governos ocidentais citam muitos desses valores em nome de seu apoio à Ucrânia contra a invasão russa. Mas quando se trata dos próprios curdos, o Ocidente está perfeitamente disposto a jogar esses valores fora – e jogar os curdos para os lobos.

Parece que o Ocidente cedeu a praticamente todas as exigências do Erdoğan. Estas incluem a reentrada da Turquia no programa de caça F-16; a retomada do pleno comércio de armas com os dois países nórdicos; a extradição de exilados curdos e figuras políticas, incluindo uma deputada curda iraniana no parlamento sueco, Amineh Kakabaveh, que não tem nenhum vínculo com a Turquia; e o fim do apoio limitado desses países ao diálogo político com os representantes curdos e a Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria (AANES).

Nova ocupação

Pior ainda, novos ataques militares turcos contra AANES, com uma nova proposta para ocupar seu território, estão agora iminentes. As regiões de Manbij e Tell Rifaat estão na mira depois das últimas declarações de Erdoğan. Nunca se deve esquecer que AANES liderou a luta no terreno contra o ISIS em nome de todo o mundo, perdendo mais de 11.000 de suas filhas e filhos como parceiro oficial da coalizão internacional para derrotar o ISIS. De fato, ambas as regiões foram liberadas à medida que o projeto político federal no norte da Síria se espalhou da região curda de Rojava para abranger milhões de árabes, curdos, cristãos, turcomenos, circassianos, chechenos e yezidis em um sistema democrático direto e descentralizado. No entanto, tanto a Rússia quanto os Estados Unidos (sob a administração de Donald Trump) deram luz verde às devastadoras invasões da região em 2018 e 2019, matando milhares e deslocando centenas de milhares de civis.

O mesmo Parlamento Europeu que recentemente reconheceu as “legítimas preocupações de segurança” da Turquia sobre o movimento curdo no ano passado, apelou à Turquia para “retirar suas tropas da Síria do Norte que está ocupando ilegalmente fora de qualquer mandato da ONU”. Afirmou que a ocupação turca “poderia significar uma limpeza étnica” contra os curdos, enquanto as Nações Unidas descobriram que a ocupação turca da região de Afrin resultou em estupro e sequestro em massa de mulheres curdas e yezidi, “deslocamento forçado” em base étnica, tortura na presença de oficiais turcos e destruição de locais históricos, religiosos e culturais, entre outras atrocidades.

Em casa, na Turquia, milhares de aldeias curdas são despovoadas e assassinatos não resolvidos, existem dezenas de milhares de presos políticos e as proibições de partidos políticos, organizações e associações são apenas alguns exemplos de medidas repressivas que o Estado turco tem usado contra nosso povo.

Milhares de membros do HDP, incluindo antigos co-presidentes, deputados, executivos e prefeitos, foram presos desde as eleições gerais de junho de 2015. Há doze ex-deputados do HDP na prisão e muitos mais no exílio, enquanto cinquenta e nove dos sessenta e cinco co-prefeitos democraticamente eleitos do HDP foram destituídos do cargo.

Além disso, há agora também um caso no Tribunal Constitucional que procura proibir o HDP. Há uma grande ameaça de que o governo usará o poder judiciário, que está sob seu total controle, para acabar com o HDP antes das eleições presidenciais e parlamentares marcadas para junho de 2023.

Pela Democracia, Contra o Colonialismo

A política anti-curda da Turquia é capaz de impedir todos os esforços de luta democrática liderados pelos curdos porque não existe um órgão oficial representando os interesses e direitos curdos internacionalmente. O povo curdo é manipulado e aproveitado pelos Estados coloniais. São as potências coloniais que apresentam a resistência curda contra a exploração, repressão e limpeza étnica como uma “ameaça à segurança”. É exatamente aqui que surge a ameaça de segurança para os mais de 40 milhões de curdos.

Se os curdos poderiam ser acusados de alguma coisa hoje, é de que eles não resistiram o suficiente no passado e não derrotaram o colonialismo. Isto não significa que estamos procurando construir nosso próprio estado-nação. Para o movimento curdo pela liberdade, é absolutamente claro que ele pode lutar pela liberdade e direitos democráticos reconhecidos com estruturas autônomas de autogestão em seus respectivos estados, e eles têm o direito de fazê-lo.

De fato, todos os Estados onde os curdos estão presentes em seus milhões – Turquia, Síria, Iraque e Irã – precisam urgentemente de democratização. Os curdos e sua luta são a chave para a paz e estabilidade duradoura desses Estados críticos e do Oriente Médio como um todo. A única solução está no diálogo com o movimento de liberdade curdo, na libertação do curdo Abdullah Öcalan, o “Mandela do Oriente Médio” ainda preso, e na retomada das conversações de paz como as que foram realizadas em 2013-15.

Mesmo antes que tal processo possa ocorrer, há uma necessidade urgente de uma zona de exclusão aérea sobre a AANES, o que também é corretamente exigido. Vários organismos internacionais podem usar seu peso político para evitar novos ataques da Turquia contra os curdos no país e no exterior. Em geral, deve terminar sua política míope de ceder a todas as exigências do Erdoğan na ilusória crença de que um dia ele será apaziguado.

Reclamações exageradas

Na realidade, a política anti-curda e ultranacionalista do Erdoğan é construída sobre o mesmo ódio anti-curdo que tem resultado em genocídios e pogroms ao longo da história (como os genocídios armênio e assírio), e que ele usa para se fortalecer nas urnas na Turquia. Sua conversa sobre “preocupações com a segurança” é apenas uma desculpa – como uma investigação da BBC descobriu, o governo turco exagerou enormemente a ameaça praticamente inexistente que a AANES representa para suas fronteiras, em 2018 alegando ter enfrentado “mais de setecentos” ataques da região. Em suas declarações, porém, os representantes da AANES disseram que nenhum ataque de sua região foi dirigido contra a Turquia e apelaram para o diálogo e uma solução democrática. Mesmo agora, nenhuma das regiões que a Turquia quer atacar está mesmo na fronteira turca.

Autocratas e opressores não podem ter “preocupações legítimas de segurança”. Pelo contrário, os oprimidos têm preocupações de segurança que deveriam ser moral, política e legalmente apoiadas por todos os outros.

Os curdos não fazem parte de nenhum órgão com o poder de decidir se a OTAN deve ser expandida, reduzida ou dissolvida. Mas os curdos têm o direito de exigir um compromisso claro com o direito internacional, a democracia e a liberdade, o que também deveria se aplicar aos curdos. Hannah Arendt disse que ninguém tem o direito de obedecer. Os curdos e os outros povos diversos que o HDP representa não obedecem a Erdoğan e seu regime autoritário. E outros também não deveriam obedecer. Não é Erdoğan, mas nossos valores universais que devem determinar o futuro.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).