Revolucionários “esquecidos” pela história. Os trotskistas cubanos dos anos 1930 a 1959
WhatsApp-Image-2021-11-11-at-13.49.27

Revolucionários “esquecidos” pela história. Os trotskistas cubanos dos anos 1930 a 1959

Uma breve história do trotskismo cubano nas décadas anteriores à Revolução.

Eric Toussaint 2 ago 2022, 08:52

Via Anticapitalistas

Em Cuba, a maioria dos escritos históricos sobre as lutas sociais e políticas produzidas entre a década de 1920 e a revolução triunfante de 1959, na melhor das hipóteses, ignoram a contribuição dos militantes trotskistas cubanos daquele período e, na pior das hipóteses, repetem as clássicas calúnias dirigidas pelos estalinistas aos partidários da revolução permanente (esta última atitude perpassa completamente o livro do comunista cubano Lionel Soto, La revolución de 1933, Ed. Pueblo y Educación, Havana, 1985).

A importância de outros militantes revolucionários cubanos também é largamente subestimada. Tal é o caso de Antonio Guiteras[3].

Uma novidade: uma tese de doutorado sobre as origens do trotskismo em Cuba

Havana, 2 de julho de 1997: Rafael Soler, professor de história na Universidade de Santiago de Cuba (900 km a leste da capital cubana) defende sua tese de doutorado sobre o trotskismo cubano (1932-1935). A sessão foi pública: Rafael Soler compareceu perante o Tribunal Permanente de Graus Científicos de Ciencias Históricas (um júri composto por acadêmicos) responsável pela concessão ou não do título de doutor. O título de sua tese: “O trotskismo na revolução dos anos 30″[4].

Dentro do “tribunal”, uma doutora de história estava encarregada de criticar a tese. Algumas críticas formais e depois uma pergunta: “Como você justifica a caracterização dos trotskistas cubanos como revolucionários? Outro colega é encarregado de apoiar a tese. Ele ressalta o caráter inédito do assunto, considera a tese muito bem fundamentada e sugere que ela não deve ficar por aí: outros pesquisadores devem aprofundar o assunto e aproximar-se mais do presente.

Após isso, a palavra é dada ao autor. Em quinze minutos ele resume seu trabalho mostrando as características contraditórias do movimento trotskista cubano: implantação significativa em vários meios sociais em quase todo o território, sectarismo em resposta ao do PC oficial, o papel da divisão, dogmatismo (os trotskistas não teriam entendido a estratégia revolucionária de Lênin e aplicariam mecanicamente a teoria da revolução permanente, que é uma teoria do tipo esquerdista)…. Entretanto, apesar dessas críticas, Rafael Soler afirma que, nos anos 30, “o movimento trotskista cubano (…) se caracteriza por seu caráter anti-imperialista, sua orientação revolucionária, sua aderência ao marxismo e sua defesa dos interesses nacionais”. Foi formado, em sua maioria, por homens e mulheres muito jovens que agiram honestamente, guiados pela vontade de obter mudanças radicais na sociedade cubana (…)” (Rafael Soler, tese de doutorado, p. 24 do capítulo “Los Orígenes del trotskysmo en Cuba”).

A discussão começa. Um colega intervém para expressar uma crítica à tese. Em substância, ele diz que “não é verdade que os trotskistas tenham defendido uma posição dogmática sobre a natureza da revolução”. A prova: a revolução que triunfou em Cuba em 1959 teve um caráter socialista. Foi o PC oficial que teve uma visão dogmática da revolução (…) O Movimento 26 de Julho conduziu uma revolução socialista em Cuba em 1959″. Outro colega afirma que no decorrer da pesquisa que vem conduzindo há 20 anos entre os sobreviventes do movimento “Jovem Cuba” (nascido após a crise revolucionária de 1933, ver abaixo) e do Partido Ortodoxo (do qual Fidel Castro veio), vários testemunhos indicam uma certa influência do programa trotskista sobre os movimentos em questão. E propõe, em substância, como tema de uma tese futura: o programa trotskista influenciou indiretamente o programa do Movimento 26 de Julho elaborado por Fidel, mesmo que este último não tivesse contato com os trotskistas?

Seria muito tempo para resumir aqui toda a discussão sobre a tese de Rafael Soler. Ele obteve seu doutorado por unanimidade e sua tese (parcialmente publicada em várias revistas cubanas) foi selecionada como a melhor tese de 1997 (tese de doutorado em ciências históricas) pela Comissão Nacional de Graus Científicos. O autor também recebeu o prêmio de melhor pesquisa histórica de 1997 do Ministro do Ensino Superior.

É encorajador notar que, apesar dos desenvolvimentos contraditórios na sociedade cubana de hoje, há espaço para tais pesquisas (a tese em questão faz atualmente parte do programa de graduação de várias universidades cubanas). Seria necessário que, de uma forma ou de outra, o trabalho de Rafael Soler se tornasse acessível internacionalmente. O autor, cujos pontos de vista estou longe de compartilhar, fez um trabalho notável e sincero. Um dos aspectos insubstituíveis de seu trabalho é o fato de que, durante dois anos, ele viajou por toda a ilha para entrevistar veteranos do trotskismo cubano na década de 1930. Ele encontrou mais de trinta deles, muitos dos quais reivindicam orgulhosamente suas convicções trotskistas e sua vontade de defender Cuba contra o imperialismo norte-americano.

Os trotskistas cubanos na década de 1930

Em 1931, uma corrente de esquerda no PC de Cuba se aproximou de Trotsky e seus apoiadores na Oposição Internacional de Esquerda (que, em 1933, tomou o nome da Liga Comunista Internacional, para se tornar, em 1938, a Quarta Internacional).

Esta situação reflete o que acontece um pouco por toda parte nos partidos comunistas. Na URSS, Stalin liderou uma contra-revolução burocrática e reforçou até o ponto de caricatura as características autoritárias do regime que emergiu da revolução de outubro de 1917. Ele reprimiu brutalmente e depois proibiu todas as críticas dentro da sociedade soviética e do partido soviético. Uma burocracia conservadora, da qual ele mesmo é o chefe, exerce uma ditadura feroz sobre o povo. Para se proteger internamente, esta burocracia estalinista liquida fisicamente os opositores (incluindo os primeiros revolucionários), ao mesmo tempo em que aniquila toda expressão revolucionária, instituindo uma polícia política implacável e um sistema de delação que mina a solidariedade cidadã.

No nível da política externa, em nome da salvaguarda do socialismo mas sempre para preservar seu poder pessoal, Stalin embarcou os PCs em uma série de ziguezagues: em 1926-1927, seus compromissos com os burgueses os distanciaram da revolução mundial (comitê anglo-russo na Grã-Bretanha, aliança suicida entre o Kuomintang de Tsiang Kai Check e o PC na China em 1926). No final dos anos 20 – início dos anos 30, Stalin deu uma guinada esquerdista e sectária nos PCs: a da ofensiva revolucionária com a autoproclamação dos soviets em muitos países semicoloniais ou coloniais (Cuba ou Vietnã) e a rejeição da unidade de ação com os socialistas para enfrentar o fascismo e o nazismo na Europa. Esta linha esquerdista seria então seguida por uma orientação de “frente popular” (1935-1936) e depois, na América Latina, pelo apoio dos PCs aos regimes ditatoriais a serviço dos Estados Unidos (Somoza na Nicarágua, Batista em Cuba) no âmbito da grande aliança mundial antifascista.

Para a corrente trotskista, ao contrário, a realização do “socialismo em um país”, como proposto por Stalin, é uma aberração: era necessário romper o isolamento da URSS e avançar na perspectiva revolucionária no mundo, assegurando uma frente unida dos oprimidos e de suas organizações. O conceito de “revolução permanente” significa a necessidade de realizar a conquista dos direitos democráticos, a reforma agrária e a independência efetiva dos países coloniais ou semicoloniais, lutando até a conclusão socialista da destruição do Estado capitalista sem fazer compromissos inconsistentes com as burguesias nacionais. Isto requer uma política de alianças inequívocas com os burgueses e apoio incondicional a toda luta pela emancipação dos oprimidos.

Os militantes que constituem esta corrente de esquerda no PC de Cuba vêm do movimento sindical (a Federación Obrera de La Habana); muitos são de origem anarco-sindicalista, da organização solidária Defensa Obrera Internacional (DOI) e do movimento estudantil, chamado Ala Izquierda Estudiante (AIE).

Em 1932, o retorno a Cuba de Sandalio Junco[5] e Juan Ramón Brea[6], dois líderes comunistas que haviam permanecido na Europa trabalhando para o Partido e a Internacional Comunista, reforçou os laços entre esta oposição e a corrente trotskista internacional.

Sandalio Junco, um padeiro, foi um dos raros líderes negros do PC. Ele havia militado com Julio Antonio Mella[7] (a figura principal do comunismo cubano na década de 1920) em Cuba. Em novembro de 1925, ambos estavam entre os militantes presos após a descoberta de uma bomba no teatro Payret, em Havana. Em 1927, Junco e Mella fizeram uma primeira viagem a Moscou (Mella foi via Bruxelas onde se realizava um congresso internacional da Liga Anti-Imperialista).

Mais tarde, ambos se encontraram em exílio forçado no México, onde fundaram a Associação dos Novos Emigrantes Revolucionários Cubanos. O jovem Antonio Mella foi muito crítico em relação à orientação tomada por Moscou na política interna e externa. Mella havia sido sancionado pelo Comitê Central do PC mexicano do qual era membro; ele também teve sérios conflitos com a liderança do PC cubano fortemente influenciado por Moscou. Mella foi assassinada em janeiro de 1929 por agentes do ditador Machado.

Por sua vez, Juan Ramón Brea, depois de ter liderado lutas estudantis em Cuba (com Raul Roa e Rubén Martínez Villena), tornou-se trotskista durante sua estada na França e na Espanha (quando Junco estava em Moscou). Ao retornar a Cuba, ele foi preso por vários meses com Raul Roa na prisão modelo da Isla de Pinos.

Em agosto de 1932, a Oposição Comunista Cubana de Cuba foi formada dentro do PC cubano. Ela se opunha à linha da maioria da liderança do PC, que tinha uma orientação esquerdista ultra-sectária.

Sandalio Junco e vários outros líderes comunistas foram excluídos do partido em setembro de 1932. Apesar do efeito combinado da repressão pela ditadura de Machado e das denúncias da liderança estalinista do PC, seus apoiadores conquistaram a maioria do movimento estudantil (AEI) em nível nacional. Por sua vez, Sandalio Junco e seus camaradas foram eleitos para a liderança de uma federação sindical (FOH) que rapidamente estendeu sua implantação a grande parte de Cuba (até Santiago de Cuba e Guantanamo). Finalmente, eles gozaram de grande influência na Defesa Operária Internacional (DOI).

Durante a primeira metade de 1933, os EUA, percebendo o perigo de uma derrubada revolucionária da ditadura de Machado, enviaram uma missão de alto nível liderada por Welles para tentar preparar uma saída negociada de Machado, preservando ao mesmo tempo o domínio americano sobre a ilha. Os trotskistas cubanos denunciam virulentamente esta manobra. Foram eles que escreveram o famoso manifesto da Aliança de Esquerda Estudantil “Ao povo de Cuba! A todos os estudantes”, Havana, 28 de junho de 1933 (reproduzido em Pensamiento Crítico n. 39, abril de 1970, Havana). O verão de 1933 viu o desenvolvimento de um movimento de massa que tomou formas cada vez mais radicais. As greves setoriais começaram em julho e no início de agosto de 1933 se transformaram em uma formidável greve geral política. Durante uma manifestação em 1º de agosto de 1933 em Santiago de Cuba, América Lavadi Arce foi baleada pela polícia: ela foi a primeira mártir trotskista cubana.

Após ter participado do desencadeamento da greve, o PC estalinista pede o fim da mesma, pois está em negociações secretas com o ditador Machado (a liderança do PC estalinista espera assim obter do ditador uma legalização das atividades do partido e do sindicato que influencia, a CNOC – Confederação Nacional dos Operários Cubanos). As massas continuam a greve.

Os trotskistas, que se movem na luta como peixes na água (graças à sua prática que é tanto não sectária em relação às outras organizações quanto radical em termos de propostas e exigências), pedem mais ações. No auge da ascensão do movimento de massas, fundaram o Partido Bolchevique-Leninista, de acordo com a decisão da liderança trotskista internacional de construir partidos independentes dos PCs a partir de agosto de 1933. Este partido estabelecido nacionalmente está presente principalmente no leste da ilha. É a maioria em Guantanamo (quase toda a seção do Partido Comunista nesta cidade decidiu mudar para o trotskismo) e está bem estabelecido em Santiago de Cuba, Las Tunas, Puerto Padre e Holguín. Ela também desempenha um papel importante em Havana e Matanzas.

A situação se torna quase revolucionária por um período de vários meses. O PC declara que cometeu um erro ao chamar pela interrupção da greve geral. A ditadura de Machado teve que dar lugar a um governo de transição democrática (o governo de Carlos Manuel de Céspedes de 13 de agosto a 4 de setembro de 1933, seguido pelo governo de Grau San Martin[8] e Antonio Guiteras, vários dos quais elementos sinceramente anti-imperialistas defenderam posições de esquerda), o que não pôs fim à radicalização das massas. O sargento Fulgencio Batista estava do lado daqueles que derrubaram o ditador Machado. Mas ele estava esperando seu momento para organizar a ofensiva contra o movimento de massas e estabelecer seu poder. Antonio Guiteras constitui a ala esquerda radical, revolucionária e anti-imperialista do governo Grau. Ele é apoiado em particular pelos trotskistas que colaboram com o movimento “Jovem Cuba” que ele fundou.

Quando se desenvolveu uma poderosa corrente anti-Yankee, Ramón Grau San Martin (um dos estudantes universitários mais comprometidos com a luta contra Machado), o novo chefe de Estado, ordenou uma redução do horário de trabalho, reconheceu o direito à greve e, sob pressão popular, conseguiu obter a revogação da emenda Platt (1934). Os trunfos do governo Grau San Martin-Antonio Guiteras também incluem: o direito de voto das mulheres, o direito dos camponeses à terra que ocupam, o anúncio de um programa de distribuição de terras, uma redução maciça dos juros dos empréstimos e uma repressão à usura, uma redução de 40% nas taxas de eletricidade e uma suspensão do pagamento da dívida externa. Grau San Martin explicou que se tratava de “liquidar a estrutura colonial que havia sobrevivido em Cuba desde a independência”.

Assediado pelos comunistas que declaram que está à frente de um “governo criado pela pequena burguesia e pelo exército, um governo que defende os interesses da burguesia, dos grandes latifundiários e dos imperialistas” (sic!), Grau San Martin foi derrubado em 15 de janeiro de 1934 pelos coronéis Batista e Mendieta. Seu golpe de estado foi apoiado, até mesmo dirigido, pelos Estados Unidos. Fulgencio Batista tornou-se chefe do exército. A ditadura aberta se estende de 15 de janeiro de 1934 até o verão de 1938, quando Batista decide iniciar uma abertura democrática.

Em março de 1935, foi lançada uma greve geral contra Batista e Mendieta. Os trotskistas participaram ativamente dela, em particular através da Federação Operária de Havana (FOH), cujo secretário geral era Gaston Medina (líder do partido trotskista PBL). A greve geral foi preparada por um comitê unitário no qual a Jovem Cuba e o PBL desempenham um papel central. Os comunistas estalinistas escolhem chamar a greve separadamente e permanecem fora do comitê unitário. A greve foi um fracasso.

Em 8 de maio de 1935, Antonio Guiteras é assassinado pelos soldados de Batista. De 1935 a 1938, o movimento popular é reprimido e se retrocede. Os trotskistas cubanos são arrastados por este refluxo e foram vítimas de campanhas caluniosas do PC estalinista que não hesitou, em certos casos, em usar a força (já em 27 de agosto de 1934, um comando de comunistas estalinistas havia atacado as instalações da FOH dirigidas pelos trotskistas em um ataque armado. O resultado: um morto e vários feridos).

Duas orientações diferentes separaram então os militantes trotskistas cubanos. A primeira é dar prioridade à construção de um partido trotskista independente como uma tarefa imediata, a segunda é juntar-se a organizações mais amplas, em particular a Jovem Cuba, e desempenhar um papel de liderança nas mesmas, defendendo uma política revolucionária.

Aqueles que optam pela construção de uma organização trotskista independente mantêm o PBL que se tornará o Partido Operário Revolucionário (POR) em 19 de setembro de 1940, algumas semanas após o assassinato de Trotsky no México por um agente de Stalin. Entre os líderes do POR estava Ramón Brea, que, após ter participado com o POUM da guerra espanhola nas brigadas internacionais, permaneceu na Tchecoslováquia e depois retornou a Cuba, onde morreu em 1941. Também fez parte da liderança do POR Pablo Díaz, que mais tarde participou com Fidel Castro e Che Guevara na expedição Granma.

Os outros (incluindo Sandalio Junco e Gustavo Fraga) se juntaram à Jovem Cuba, uma organização política radical de esquerda fundada por Antonio Guiteras, que conseguiu se manter, apesar da repressão e das denúncias a que foi submetida pelo PC estalinista. A jovem Cuba conseguiu até mesmo continuar a se desenvolver.

Em 13 de setembro de 1938, o Partido Comunista foi legalizado por apoiar a abertura democrática de Batista.

Em 1940, o homem forte do regime desde 1934, o Coronel Fulgencio Batista, conseguiu ser eleito presidente graças a um sistema de votação que permitiu que apenas metade do eleitorado votasse. Para fazer isso, ele desfrutou do apoio do Partido Comunista e dos poderosos interesses americanos. Segundo o PC, por ordem da burocracia estalinista no poder em Moscou, diante do avanço do fascismo e do nazismo na Europa, é necessário levar em conta “a orientação democrática” da administração Roosevelt, que substituiu a política tradicional do porrete pela de boa vizinhança. Consequentemente, Cuba, afirma o PC, deve colaborar com os governos democráticos, e mais particularmente com os dos Estados Unidos. Cuba veria uma aliança entre o Partido Comunista e o Coronel Fulgencio Batista, que duraria de 1939 a 1944, quando este último se demitiu. Em 1943, o presidente do Partido Comunista, o escritor Juan Marinello, tornou-se um ministro sem pasta no governo Batista.

Em 8 de maio de 1942, Sandalio Junco foi assassinado na cidade de Sancti Spiritus por um comando estalinista enquanto falava num comício em memória do assassinato de Antonio Guiteras. Sandalio Junco era então Secretário Geral da Comissão Nacional dos Trabalhadores do Partido Revolucionário Cubano (Autêntico), muito influente na classe trabalhadora. Ele foi denunciado pelos estalinistas como um hitlero-trotskista que havia se infiltrado na PRC para trair os trabalhadores honestos.

A partir do final dos anos 30, o partido trotskista cubano viveu uma situação de marginalização política da qual não se recuperaria. Vários de seus militantes, no entanto, exerceram localmente uma atividade revolucionária que lhes trouxe um verdadeiro reconhecimento político. O partido trotskista que se tornou o Partido Operário Revolucionário no final dos anos 30, substituindo o PBL, manteve uma influência realmente organizada na parte oriental da ilha, particularmente em Guantánamo e Santiago de Cuba. Alguns de seus membros participaram do combate insurrecional liderado pelo movimento de 26 de julho entre 1953 e 1959 (Idalberto Ferrera Acosta[9], Juan Medina, Luciano García, Guarina Ramírez, Juan Leon Ferrera, Ricardo e Idalberto Ferrera).

Por outro lado, outros militantes trotskistas que não tinham mais ligações organizadas com o POR também desempenharam um papel significativo no Movimento 26 de Julho (M26-7) dos anos 50. Em particular o operário Gustavo Fraga, que afirmou até o final suas convicções trotskistas. Desde a década de 1930 até sua morte, ele desempenhou um papel decisivo no movimento operário em Guantánamo. Em 1933 ele foi a figura principal do Partido Bolchevique Leninista naquela cidade e liderou a greve geral de agosto de 1933. Em 1934, no âmbito da orientação adotada pelos trotskistas, ele se uniu à Jovem Cuba e se tornou um de seus principais líderes na região. Ele liderou ações famosas como a tomada da alfândega de Guantánamo (base militar americana). Após a fundação do Movimento 26 de Julho, ele se tornou o chefe da seção de trabalhadores do M 26-7 na região e organizou a greve em resposta ao assassinato de Frank País em Santiago de Cuba em 30 de julho de 1957. Ele morreu em 4 de agosto de 1957, em Guantánamo, no manuseio de explosivos em combate. Pouco depois, a liderança da M 26-7 deu o nome de Gustavo Fraga a um destacamento guerrilheiro da segunda frente oriental liderada por Raul Castro.

Pablo Díaz também é digno de menção. Trabalhador de tinturaria, ele se juntou à liderança local do Partido Bolchevique Leninista em 1933 em Santiago de Cuba. Mais tarde, ele se estabeleceu em Havana. Ele foi o editor responsável pelo órgão do Partido Obrero Revolucionario (trotskista) (La revolución proletaria) que surgiu entre 1941 e 1945. Mais tarde, tendo deixado o POR, ele foi o tesoureiro da M26-7 em Nova York, onde se instalou temporariamente. Ele participou então da expedição do Granma com Fidel Castro e, após outra estadia em Nova York, da luta insurrecional em Sierra Maestra.

Também deve ser feita menção a Roberto Acosta Hechavarria (1912-1995), que foi membro do PCC antes de ingressar no PBL em 1933. Em 1956, participou em Havana da organização “Resistencia Cívica” e apoiou ativamente a rede “Acción y sabotaje” do M 26-7. Após a revolução, embora ainda reivindicando explicitamente suas convicções trotskistas, ele trabalhou diretamente na companhia de Che no Ministério da Indústria, até a partida deste último em 1965 [10].

Bibliografia:

Aguilar L.E., Cuba 1933, Edit. Ithaca, 1972

Alexander Hamilton Robert (1973), Trotskysm in Latin America, Hoover Institution, Californie, Stanford, 1973

Arico Jose (1978), Mariategui y los origines del marxismo latinoamericano, Cuadernos de Pasado y Presente, n° 60, Mexico, 1980, 341p.

Brea Juan et Low Mary (1943), La Verdad Contemporanea (Ensayos y conferencias), Imprenta O’Relly, La Habana, 1943

Broué Pierre (1997), Histoire de l’Internationale Communiste. 1919-1943, Fayard, Paris 1997, 1120p

Centre Interuniversitaire d’Etudes Cubaines et Université de la Sorbonne-Nouvelle, Paris VIII, Les années trente à Cuba, Actes du colloque international organisé à Paris en novembre 1980, Editions L’Harmattan, Paris, 1982

Cupull Adys (1983), Julio Antonio Mella en los mexicanos, Ed. El Caballito, Mexico, 1983, 118p

Galvez Cancino Alejandro, “ L’auto-absolution de Vidali et la mort de Mella ”, Cahiers Léon Trotsky, n°26, juin 1986, Paris

Galvez Cancino Alejandro, “ Julio Antonio Mella : un marxista revolucionario ”, Criticas de la Economia Politica, Mexico, 1986

Galvez Cancino Alejandro, “ Le mouvement ouvrier mexicain, les communistes et Julio Atonio Mella ”, Cahiers Léon Trotsky, n° 59, août 1997

Löwy Michael (1980), Le marxisme en Amérique latine de 1909 à nos jours, François Maspero/Bibliothèque socialiste, Paris, 1980, 445p

Mariategui José Carlos (1928), Siete ensayos de interpretacion de la realidada peruana, Serie popular Era, Mexico, 1979, 342p. Se pueden encontrar en http://www.marxists.org/espanol/mar…

Martínez Heredia Fernando, La revolución cubana del 30, Editorial de Ciencias Sociales, La Habana, 2007 http://www.ruthcasaeditorial.org/li…

Mella Julio Antonio, Mariatégui Jose Carlos, Ponce Anibal, Marinello Juan (1985), Marxistas de America, Ed. Arte y Literatura, 1985, La Habana, 465p

Soler Martinez Rafaël R. (1997), El trotskismo en la revolucion del 30, Tesis, Universidad de Oriente, Facultad de Ciencias sociales y humanisticas, Departamento de Historia, Santiago de Cuba, 1997. Se puede encontrar un artículo de Rafael Soler Martínez, “Los orígenes del trotskismo en Cuba” en http://archivo.po.org.ar/edm/edm20/…

ver :

http://bdigital.bnjm.cu/catalogo/we….

Soto Lionel (1977), La Revolución del 33, Ed. Pueblo y educación, La Habana, 1985, 435p

Tennant Gary (1996), “ Una Historia del Trotskismo cubano (1era parte) ”, En Defensa del marxismo, Buenos Aires, 5ème année, n° 14, septiembre 1996, pp. 46-60

Tennant Gary, “ Julio Antonio Mella et les origines de la crise dans le PC de Cuba ”, Cahiers Léon Trotsky, n° 70, juin 2000

Tennant Gary, The Hidden Pearl of the Caribbean. Trotskyism in Cuba, Socialist Platform, London, 2000

Trotski Léon (1928-1931), La révolution permanente, Ed. de Minuit, Paris, 1963. En español, http://www.marxists.org/espanol/tro… y http://www.marxists.org/espanol/tro…

Trotski Léon (1936), La Révolution trahie, Ed. de Minuit, Paris, 1973 . En español, http://www.marxists.org/espanol/tro…

Trotski Léon, L’internationale communiste après Lénine, tomes 1 et 2, PUF, Paris, 1969. En español, http://www.marxists.org/espanol/tro…

Trotski Léon (août 1936 à décembre 1936), Œuvres, n° 11, publications de l’Institut Léon Trotski, Paris, 1981. Se pueden consultar las obras de Leon Trotsky en español en http://www.marxists.org/espanol/tro…

Transcripción dactilográfica

Testimonios de Luis Miyares, Bernardo Betancour, Idalberto Ferrera Acosta, Juan Leon Ferrera Ramirez.

Notas

[1] O texto, baseado em numerosos documentos e testemunhos que recolhi, é de minha própria responsabilidade. Foi escrito em 2000 e publicado no livro de Yannick Bovy e Eric Toussaint, Le pas suspendu de la révolution, Approche critique de la réalité cubaine, Edition du Cerisier, Cuesmes, Bélgica, 2001, 387 pp. Com um prefácio de Manuel Vázquez Montalbán. O livro contém contribuições de Fernando Martinez Heredia, Abel Prieto, Mayra Espina Prieto, Julio Fernandez Bulté, Yannick Bovy, Janette Habel, Frangois Houtart, Jean Lazard, Maria Lopez Vigil, Osvaldo Martinez, Julio Carranza Valdes, Haroldo Dilla Alfonso, Silvio Rodriguez, Maya Roy, Eric Toussaint, Laurence Weerts.

[2] Eric Toussaint, historiador e doutor em ciência política, autor de vários livros.

[3] Antonio Guiteras Holmes (1906-1935): líder estudantil em Havana, membro do diretório estudantil revolucionário, Ministro do Interior no governo revolucionário de Grau San Martín. Fundador e organizador da Jovem Cuba, organizador do ataque insurrecional de março de 1935, assassinado pelos soldados de Batista em maio de 1935.

Felizmente, nos anos 2000, foi publicado o importante livro de Fernando Martínez Heredia, La revolución cubana del 30, Editorial de Ciencias Sociales, Havana, 2007. Ver em particular o capítulo: “Guiteras y el socialismo cubano”. Disponível para download: http://www.ruthcasaeditorial.org/li…

[4] Soler Martinez Rafaël R. (1997), El trotskismo en la revolucion del 30, Tesis, Universidad de Oriente, Facultad de Ciencias sociales y humanisticas, Departamento de Historia, Santiago de Cuba, 1997. Um artigo de Rafael Soler Martínez, “Los orígenes del trotskismo en Cuba” pode ser encontrado em http://archivo.po.org.ar/edm/edm20/….

ver: http://bdigital.bnjm.cu/catalogo/we ….

[5] Sandalio Junco (1894-1942): padeiro, depois vendedor de tabaco, fundador de uma central sindical em Cuba, conquistou as ideias da oposição de esquerda de Andrés Nin em um congresso do Profintern (Internacional Sindical Vermelha), é um dos líderes da ANERC após ser expulso de Cuba e funda o Partido Bolchevique-Leninista de Cuba. Ele se uniu à Jovem Cuba, um movimento nacionalista, e foi assassinado durante uma reunião pública por um comando estalinista.

[6] Juan Ramón Brea, um líder estudantil preso várias vezes em Cuba, passou vários períodos na Europa. Ele foi ativo no campo literário com o escritor e poeta surrealista francês Benjamin Peret. Ele participou da fundação do Partido Bolchevique Leninista de Cuba em 1933. Em 1936, ele deixou Cuba para se juntar às Brigadas Internacionais como membro do POUM (Partido Obrero de Unificación Marxista). Após a derrota na Espanha, ele permaneceu na Europa, particularmente em Praga. Ele manteve contato regular com Victor Serge, James P. Cannon, etc. Em 1940, ele retornou a Cuba e retomou sua posição na liderança do partido trotskista cubano. Ele morreu em Havana, em 17 de abril de 1941.

[7] Julio Antonio Mella (1903-1929): organizador da resistência estudantil à ditadura cubana e dos trabalhadores do tabaco, então líder do PC cubano, teve que se exilar após uma acusação de terrorismo e uma greve de fome. Ele participou do Quinto Congresso da IC em Moscou, e depois se estabeleceu no México, onde foi por algum tempo Secretário Geral interino do Partido Comunista do México (PCM). Ele fez contato no congresso da Internacional Sindical Vermelha (ISR) com Andrés Nin e trabalhou com um grupo de oposicionistas de esquerda, cujo líder era Rosalio Negrete e que incluía imigrantes. Ao mesmo tempo, ele preparou uma expedição militar contra o regime Machado cubano. Em janeiro de 1929, ele foi assassinado no México, onde era um refugiado.

[8] Ramón Grau San Martin (1887-1969): Professor de medicina em Havana, ele defendeu seus alunos perseguidos pela polícia de Machado e ganhou grande popularidade. Ele foi presidente do governo provisório em 1933, derrubado por Batista, então presidente de Cuba de 1944 a 1948.

[9] Ver Eric Toussaint, “Idalberto Ferrera Acosta” 1918-2013.

[10] Ver Entrevista com Roberto Acosta Hechavarría em Gary Tennant, A Pérola Escondida do Caribe. Trotskyism in Cuba, Plataforma Socialista, Londres, 2000, pp. 243-251.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).