Rishi Sunak: polarização social total na Grã-Bretanha
0_JS273172473

Rishi Sunak: polarização social total na Grã-Bretanha

A polarização social aumenta no Reino Unido.

L´Anticapitaliste 25 nov 2022, 17:51

Via L´Anticapitaliste

Rishi Sunak sucedeu recentemente à efémera Liz Truss como primeira-ministra do Reino Unido. A reação dos “mercados” foram favoráveis : a Libra se recuperou e as obrigações do governo britânico se estabilizaram. Aclamado pela sua “seriedade”, a sua “competência” e a “estabilidade” que pode restaurar, ele chega ao poder nomeado apenas pelos deputados conservadores.

Sunak, ex-ministro das finanças de Boris Johnson, foi outrora gestor de hedge fundos (especulativos) depois de trabalhar para a Goldman Sachs. O hedge fundo que ele mesmo lançou m 2009, Theleme Partners, está registado nas Ilhas Caimão e, a propósito, diz-se que detém investimentos no valor de £500.000 nos Laboratórios Moderna. Não é claro se – ou em que medida – Sunak aproveitou esta posição quando o governo fez uma encomenda de cinco milhões de doses do laboratório que tinha acabado de desenvolver a sua vacina Covid. Quando questionado sobre isto em 2020, o próprio Sunak não considerou oportuno ser transparente a este respeito.

Um primeiro-ministro da oligarquia

Akshata Murty, esposa de Rishi Sunak, tem uma participação estimada de £690m na empresa de serviços digitais Infosys, propriedade do bilionário indiano Narayana Murty, o seu pai. Os dividendos desta participação são estimados em cerca de £11,5 milhões por ano. De notar: em finais de 2021, Infosys anunciou que tinha reforçado a sua relação com a gigante petrolífera Shell, com um novo e lucrativo negócio.

O novo Primeiro-Ministro “da paz” da quinta maior economia do mundo, que chegou ao poder sem um mandato democrático, tem um passado na banca e hedge fundos, ligações significativas à indústria petrolífera (à qual ofereceu “incentivos” fiscais generosos) através da sua esposa e sogro, e uma história de evasão e opacidade fiscal generalizada.

Uma profunda crise social

Se tem uma ideia do contexto de crises em que Sunak assume a sua nova posição. Contudo, alguns dados são pouco conhecidos: 14,5 milhões de pessoas vivem abaixo do limiar de pobreza no Reino Unido (8,1 milhões de adultos em idade ativa, 4,3 milhões de crianças, e 2,1 milhões de aposentados). O aumento maciço dos preços e o declínio contínuo dos salários, após mais de uma década de austeridade, significa que se projeta que 1,3 milhões de pessoas se encontrão na pobreza absoluta até 2023, incluindo 500.000 crianças. Após o rápido crescimento do número de bancos alimentares, particularmente desde 2013-2014, e depois de ver muitas escolas tentarem substituir os serviços sociais falhados, uma nova rede de “bancos quentes” está agora se organizando: museus, bibliotecas etc. estão se planejando para acolher pessoas que não têm de condições de manter suas casas aquecidas. A questão fica aberta, para muitos destes estabelecimentos públicos, como seus responsáveis conseguirão fazer face ao aumento maciço das suas contas de aquecimento e eletricidade.

As greves para vir

No início de agosto de 2022, Sunak, cuja fortuna se eleva a 730 milhões de libras, gabou-se de ter realocado recursos de áreas mais pobres das cidades do norte para cidades de classe média no sul. Numa polaridade social agora perfeita, cada uma destas crianças pode agora sentir na carne o preço da “seriedade”, da “competência” e da “estabilidade” finalmente de volta de acordo com tantos comentadores, já não ao serviço da oligarquia dominante, mas agora diretamente nas mãos de um dos seus representantes.

Algumas horas antes da tomada de posse de Sunak, foi a vez de 70.000 funcionários da União do Ensino Superior (UCU) em 150 universidades votarem a favor de uma greve (em mais de 80%). A votação dos 300.000 membros do Royal College of Nurses (RCN, Colégio Real das Enfermeiras) está em curso até 2 de novembro. O mesmo acontece com os 150.000 membros do Sindicato do Pessoal do Governo (GSU), até 7 de novembro.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão