A Ucrânia e a “neutralidade” dos anti-Otanistas
President is on a working trip to the east of Ukraine. December 6, 2021

A Ucrânia e a “neutralidade” dos anti-Otanistas

“Justificar-se nas políticas neoliberais de Zelenski ou no batalhão fascista de Azov para não apoiar a nação atacada é apenas mais um elemento dessa neutralidade hipócrita ou cega”.

Alfons Bech 7 fev 2023, 18:36

Sou um dos membros da comissão que prepara a manifestação pela paz e em solidariedade com a Ucrânia em seu primeiro aniversário de guerra. Esta comissão, Catalunha pela Paz, inclui hoje muitas organizações pacifistas, sindicatos, ONGs e partidos. Eu vou como porta-voz da organização La Aurora (organização marxista) e também como membro da Rede Europeia de Solidariedade com a Ucrânia (ENSU).

Desde o início da plataforma “Detenemos a Guerra”, a primeira plataforma formada em torno da guerra do Iraque e outros conflitos bélicos, tem havido debates, alguns deles muito apaixonados, em torno dessas mobilizações. Hoje também. Lembro-me, por exemplo, como naquela época tivemos que debater muito com um setor que se opunha a que o Partido Socialista pudesse assinar o manifesto e participar da convocação para a manifestação. O argumento era que o PSC-PSOE era Otanista e, se não renunciasse à adesão à OTAN, não poderia ser a favor da paz.

Como finalmente conseguimos convencer os camaradas esquerdista (a maioria dos quais eram homens), o PSC se juntou e convocou a manifestação. Isto não mudou a política pró-OTAN e pró-armamento do PSOE. Mas, como todos sabemos, essa foi uma enorme demonstração de um milhão de pessoas a que o presidente americano George Bush se referiu, dizendo que não iria ceder à pressão das ruas como a de Barcelona. O sucesso dessa manifestação foi acompanhado na política: Zapatero venceu as eleições contra o PP de Aznar, que havia tirado a foto do “trio dos Açores” com Bush e Blair. E, pouco tempo depois, as tropas espanholas estavam deixando o Iraque.

Esse setor anti-Otanista que coloca sua luta contra os Estados Unidos e a OTAN acima dos fatos e da política concreta de fazer a paz real continua a existir. E continua a tentar condicionar a unidade e o consenso com suas exigências. Ele o faz considerando todos aqueles que não estão em sua posição como apoiadores da OTAN, o que é uma aberração. Hoje ele argumenta que devemos ser “neutros” entre a Ucrânia e a Rússia. Ou seja, entre o agredido e o agressor. Negando as evidências de quem atacou e invadiu outro país, ele insiste na narrativa conformista de que “na realidade” é uma guerra “entre a Rússia e a OTAN”.

Há outros argumentos que eles usam principalmente como uma suposta demonstração de que não há outra posição além daquela que defendem, que é “parar a guerra por qualquer meio” e “contra o envio de armas para a Ucrânia”. A primeira delas é que “a Rússia não pode perder a guerra”. Embora tenhamos visto no último ano que a Rússia perdeu posições e teve que se retirar do território que ocupava, este argumento vem em cima do argumento do medo: “A Rússia, antes de perder a guerra, começaria uma guerra nuclear”.

É por isso que a direita ucraniana, o destino do povo ucraniano, não importa para estas pessoas amantes da paz “a qualquer preço”. Embora muitas vezes repitam e repitam que o povo ucraniano é vítima, que são eles que “colocam os mortos e os destroços” e que esta seria a principal razão de sua preocupação em parar a guerra, eles não se importam com o que o povo está fazendo lá, por que ainda estão lutando e morrendo. No fundo, este argumento é hipócrita porque o que importa é salvaguardar a integridade e a segurança ocidentais. Alguns deles o admitem descaradamente: “Se fôssemos ucranianos, certamente lutaríamos como eles, mas não somos”. Em nossa pacífica Europa na costa do Mediterrâneo, não queremos que nenhum míssil nuclear chegue até nós ou qualquer repercussão da guerra que já começou a muitos milhares de quilômetros de distância?

Outro argumento, que surgiu na última reunião do comitê, é que devemos escolher entre solidariedade e paz. “Somos um comitê pela paz, não pela solidariedade com a Ucrânia”. Alguns de nós não poderíamos deixar de reagir a um tal ultraje. Devemos escolher uma “paz” que não seja solidária com o povo da Ucrânia? Uma paz que seja “às custas da Ucrânia”? Tal “paz” seria que a Ucrânia capitulasse, desistisse do território ocupado e da divisão do país, o controle da saída do mar pela Rússia, nenhum pagamento pelos crimes e nenhuma compensação financeira pela destruição? Esta é a paz dos cemitérios.

Este tipo de “neutralidade” que alguns defensores são muito parecidos com o que a República espanhola sofreu com as potências democráticas ocidentais diante das tropas fascistas de Franco e dos bombardeios dos nazistas e fascistas italianos. O fascismo se preparava para a guerra em toda a Europa. A revolução espanhola estava no meio desses planos e os burgueses ocidentais preferiam uma Espanha fascista a uma Espanha revolucionária. Depois vieram as invasões da Áustria e da Polônia…. Esta política de neutralidade por parte das potências imperialistas permitiu a Hitler preparar a invasão de uma grande parte da Europa.

Finalmente, há o argumento de que enviar armas para a Ucrânia é incentivar o belicismo, desviar os gastos sociais para gastos militares e a subjugação dos ucranianos para os Estados Unidos, o Reino Unido, a Alemanha…. Este é um argumento comum em muitos grupos e setores diferentes, pacifistas ou de esquerda. Sou radicalmente contra o aumento dos orçamentos militares, mas por que um governo democrático e de esquerda não poderia deixar a OTAN e ao mesmo tempo enviar armas para defender os ucranianos? A Espanha tem tanques Leopard e mísseis que estão enferrujando nos armazéns, por que eles não os entregam na Ucrânia? Eles não são necessários aqui!

Agora outro tipo de fascismo está tentando impor à força suas condições por toda a Europa e o mundo. O regime ditatorial de Putin não só renegou Lênin e o direito à autodeterminação, mas está tentando refazer o império russo sob o mundo globalizado de hoje. É por isso que ela nega a existência da Ucrânia como uma nação e um estado próprio. A negação dos direitos humanos e do direito internacional decorre desta primeira negação. Os aliados de Putin são muitos dos partidos fascistas na Europa, incluindo o Vox. A luta do povo ucraniano é hoje a ponta de lança contra um novo tipo de fascismo.

Quem não entende que a ocupação de parte da Ucrânia pela Rússia pode ser o início de uma escalada militar e invasões em todo o mundo pelos imperialismos existentes, é cego. Estive duas vezes na Ucrânia durante esta guerra, em maio e setembro do ano passado, e me encontrei com os líderes dos dois principais sindicatos para pedir sua opinião e o que eles precisavam. Tanto os líderes da FPU como da KVPU concordaram que tinham que lutar contra o ocupante russo e expulsá-lo de seu território. Eles agradeceram aos sindicatos ocidentais por seu apoio contra a aprovação de leis antitrabalhadores pelo parlamento e pelo governo Zelensky, mas querem que eles entendam a realidade da luta que estão liderando, na frente e nas empresas: “Uma coisa é lutar aqui com leis e políticas que são neoliberais e nós não queremos, mas sob o regime de Putin não teríamos direitos nem liberdade”.

Assim, justificar-se nas políticas neoliberais do governo ou no batalhão fascista de Azov (ambos verdadeiros) para não apoiar a nação atacada é apenas mais um elemento dessa neutralidade hipócrita ou cega.

Agora aqueles de nós que estão organizando solidariedade com a Ucrânia, juntamente com outras associações da plataforma, estamos tentando não repetir o erro da primeira manifestação em março do ano passado, na qual a comunidade ucraniana foi ofendida, e realmente expulsa, por um manifesto e slogans que falavam em parar as guerras em geral, mas não falavam da Ucrânia. Desde então, ucranianos e catalães seguiram seus caminhos separados. Este erro não deve ser repetido. Uma Europa unida e pacífica começa apoiando o lado fraco e atacado e procurando o melhor caminho para sair desta guerra. Paz com justiça e respeito ao direito internacional e aos direitos humanos. Acho que o melhor seria realizar uma única manifestação. Se possível em 24 de fevereiro, o aniversário da guerra e da invasão. Espero que tenhamos sucesso.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.