França: onze teses políticas sobre o movimento de janeiro-março de 2023
Ugo-1200x640-1

França: onze teses políticas sobre o movimento de janeiro-março de 2023

Uma análise profunda sobre as características e possibilidades da luta contra a nova reforma da previdência francesa.

Hugo Palheta 31 mar 2023, 17:17

Foto: Photothèque Rouge /Martin Noda / Hans Lucas

Via Viento Sur

I

Em muitos aspectos, o movimento que vem se desenvolvendo na França desde 19 de janeiro é apaixonante. Em apenas dois meses, ele mudou profundamente a atmosfera política do país, empurrou para trás o derrotismo dominante, desestabilizou (até mesmo assustou) os zelosos defensores da ordem social estabelecida e das políticas neoliberais, e elevou as expectativas dos milhões de pessoas que entraram na luta e, ao fazê-lo, começaram a tomar consciência de sua força. Acima de tudo, ao mostrar o isolamento social do governo macronista, esta mobilização acentuou a crise de hegemonia que vem se aprofundando na França há anos; cristalizou um descontentamento social que não encontrou necessariamente formas de se expressar politicamente e transformou em raiva legítima a desconfiança generalizada de grande parte da população – em particular da classe trabalhadora e da juventude – em relação a Macron e seu governo.

II

A partir daí, o que está em jogo não é mais apenas a contra-reforma das aposentadorias, não é simplesmente social [a questão], no sentido restritivo do sindicato. É um movimento eminente e totalmente político: a partir do momento em que adquire uma dimensão nacional e se espalha e se enraíza amplamente na sociedade, o movimento se afirma como um confronto não com este ou aquele capitalista (como no caso de uma luta contra demissões ou cortes de empregos em uma empresa), não com esta ou aquela medida setorial (por mais importante que seja), mas com toda a classe burguesa como representada (e defendida) pelo poder político. Como tal, tal movimento é capaz de abrir uma brecha na ordem política ao modificar de forma duradoura as relações de poder entre as classes.

Por outro lado, está na natureza de um grande movimento popular desfocar as categorias nas quais a luta de classes é artificialmente confinada, separando seu nível “político”, por um lado, e seu nível sócio-econômico, por outro. Toda luta de massa, e aquela que estamos vivendo não é exceção à regra, é, portanto, intrinsecamente social e política; ela tende, inevitavelmente, a ter como objetivo lógico o poder político e os grandes interesses que encarna: os dos proprietários, dos exploradores e da classe dominante. É também ideológica e cultural, na medida em que desafia as narrativas (pequenas ou grandes) que a classe dominante constrói para justificar esta ou aquela contra-reforma ou, mais geralmente, sua ordem social com seu rastro de injustiças, alienação e violência, mas também no sentido de que permite uma batalha entre concepções antagônicas do mundo e visões alternativas do que a sociedade, as relações humanas e nossas vidas deveriam ser para florescer.

III

O movimento atual está sobre os ombros de todas as mobilizações que o precederam, pelo menos aquelas que marcaram a sequência de luta que começou em meados dos anos 2010: em particular a batalha de Notre-Dame-des-Landes, a luta contra a Lei do Trabalho, os Coletes Amarelos, as mobilizações feministas contra as VSG e, mais amplamente, contra a opressão de gênero, o movimento 2019-2020 contra a reforma previdenciária, as lutas de todos os sem papéis [imigrantes indocumentados] ou todas as lutas (em particular antirracistas) contra os crimes policiais e toda a violência do Estado. Ela integra, articula e desenvolve suas conquistas, tanto em termos de métodos e táticas de luta como ideologicamente.

Entretanto, uma diferença não desprezível reside no aumento do poder e da combatividade da esquerda parlamentar, em particular dos 74 deputados da LFI, que contribuíram, em grande medida, para politizar e radicalizar uma mobilização que a maioria dos sindicatos – em particular a CFDT – queria manter em um terreno estritamente social. Portanto, podemos nos regozijar que a maioria dos novos deputados da LFI – Rachel Keke ou Louis Boyard vêm à mente – nunca tentaram opor a batalha parlamentar (com seus próprios meios) aos métodos clássicos da luta de classes: manifestações de rua, piquetes (nas quais vimos esses deputados, incluindo a presidente do grupo parlamentar da LFI, Mathilde Panot, em várias ocasiões) e bloqueios (em particular de institutos e universidades, mas também de redes viárias).

IV

Todos os nossos esforços devem ser direcionados para o objetivo de continuar a ampliar e intensificar o movimento a fim de alcançar a vitória. Não sabemos até onde poderemos ir, mas conseguir que o governo reverta sua contra-reforma é o mínimo que podemos fazer. Nos próximos meses e anos, tal vitória contará duas ou três vezes, justamente porque Macron quis fazer desta contra-reforma a mãe de todas as batalhas, um teste de força que lhe permitiria consolidar seu poder até o final de seu mandato, e iniciar a destruição total das conquistas da classe trabalhadora no século XX. Como um thatcherista que aprendeu bem suas lições (da contra-revolução neoliberal), Macron sabe que precisa quebrar os setores mais militantes do movimento social para mergulhar no desespero a maioria daqueles que atualmente se mobilizam, atacam e se manifestam, bloqueando e blocando juntos, na esperança – vaga ou forte – de um mundo de igualdade e justiça social.

V

Neste confronto, o poder macronista já indicou – no discurso e na prática – que está pronto para ir tão longe quanto necessário, enquanto contribui para a politização do movimento por meio de uma repressão policial incansável. De fato, quebrando ilusões sobre um novo esquema de lei e ordem e a nomeação em Paris de um prefeito de polícia com reputação de ser menos brutal que o notório Lallement [o anterior], nos últimos dias a polícia tem se caracterizado pela extrema brutalidade de suas intervenções, uma brutalidade normalizada e rotineira nos últimos dez anos, de modo que estas não são deslizes ou erros, mas as ações habituais de uma força policial em grande parte fascistizada. Mas a ação policial também se caracteriza por uma certa perplexidade quanto ao número e determinação dos manifestantes na sequência que se seguiu à imposição do 49.3 [aprovação pelo Decreto-Lei].

Uma minoria muito pequena no país em torno deste projeto, tendo forçado toda uma série de manobras institucionais típicas da Quinta República (cuja Constituição, como sabemos, está longe dos padrões, mesmo os padrões mínimos, de uma democracia); desestabilizado pelo acúmulo de vídeos e testemunhos mostrando ou testemunhando a violência estatal, fica claro que a Macronia, liderado por seus ideólogos, não é mais capaz de convencer a opinião pública de que a violência está do lado dos manifestantes e que a violência policial é um mito inventado por bárbaros sedentos de sangue policial. Prova de que o monopólio da violência legítima é reivindicado apenas pelo Estado, para usar a famosa definição de Max Weber, e que às vezes, quando ele não consegue entender a mensagem a que esta definição se refere, as coisas funcionam.

Tanto com o uso destas manobras quanto com a repressão extremamente brutal do movimento nos últimos dias, o próprio governo abriu uma brecha para uma campanha democrática contra o autoritarismo e a favor das liberdades políticas. Na estrita continuidade dos primeiros cinco anos dos governos Macron e Hollande-Valls, estes golpes de força permitem de fato levantar mais amplamente, em escala maciça, o problema colocado pelas instituições bonapartistas da Quinta República, a necessidade de uma ruptura com o atual quadro constitucional, através de uma Constituinte necessária, e a possibilidade de uma verdadeira democracia (que, a propósito, uma articulação com a questão social).

VI

Debates legítimos foram abertos sobre a caracterização da situação social e política. Aqui e ali, foi possível falar de um momento pré-revolucionário com vistas a uma transição para uma situação ou processo revolucionário completo, que se diz estar à vista, como se fosse suficiente “dar um empurrãozinho ao sistema para que tudo desmoronasse” (Jacques Rancière). O corolário desta afirmação, pelo menos no primeiro artigo citado, é que o principal (ou mesmo o único) obstáculo para o proletariado travar uma batalha revolucionária doravante estaria com as “lideranças sindicais”, ou para colocá-lo em termos ainda mais unificadores: “a liderança do movimento operário”, ou seja, a liderança intersindical.

De fato, na medida em que o proletariado “como um todo” – nos dizem – tinha sido radicalizado pelo movimento, o poder não mais se agarraria a nada, mas à capacidade de canalizar a raiva social das lideranças sindicais: “a intersindical atua como a última válvula de emergência do regime da Quinta República em crise”. E mais adiante: “Podemos assim dizer com segurança que o principal obstáculo à transformação do “momento” pré-revolucionário em uma situação abertamente pré-revolucionária, ou mesmo revolucionária, está na liderança conservadora e institucional do movimento operário”.

Esta hipótese é importante porque, mesmo que as correntes ou organizações que defendem esta linha sejam muito fracas, os problemas que ela levanta refletem preocupações mais amplamente compartilhadas entre os setores militantes do movimento social. E tem consequências óbvias: se levarmos a sério tais afirmações, segue-se necessariamente que a denúncia imediata desta “liderança do movimento operário” assume um papel absolutamente central para todos aqueles que trabalham por uma mudança radical na sociedade, bem como a construção de uma liderança alternativa do movimento em relação à liderança inter-sindical.

VII

O primeiro erro deste raciocínio consiste em subestimar certos limites de mobilização que devem ser levados a sério a fim de superá-los a não ser por truques retóricos, que visam apenas convencer os convencidos, ou por um apelo ao voluntarismo que só ganhará o apoio daqueles que já estão prontos para agir.

Estes limites atuais fazem dele um movimento capaz de empurrar Macron de volta ao seu projeto de contra-reformas e potencialmente, se ele for vitorioso, em todas as contra-reformas planejadas para seu mandato de cinco anos, mas não – pelo menos nesta fase – de abrir-se a uma situação revolucionária. O voluntarismo militante de uma minoria, embora absolutamente necessário, não é suficiente por si só para superar estas fraquezas e passar do protesto social – por mais amplo e radical que seja – à revolução; mesmo em uma situação que, como a nossa, exige objetivamente uma ruptura política e uma transformação revolucionária, num sentido eco-socialista, feminista e antirracista.

Uma revolução nunca é quimicamente pura, nem fiel a um manual escrito de uma vez por todas, mas pressupõe alguns elementos sem os quais falar de um momento pré-revolucionário é mais um desejo (ou uma tática de autoconstrução para pequenos grupos militantes) do que uma hipótese estratégica. Na medida em que a característica fundamental e distintiva de uma revolução é o surgimento mais ou menos sólido de uma dualidade de poderes (entre o estado burguês e formas de poder popular fora do estado, mas também dentro do próprio estado), os momentos pré-revolucionários pressupõem certos ingredientes: um bloqueio consistente da economia, um nível significativo de auto-organização, um início de centralização e coordenação nacional dos movimentos em luta, bem como fissuras no aparato estatal e, mais amplamente, na classe dominante.

Mas todos estes elementos estão faltando no movimento atual:

Apenas alguns setores da economia estão passando por uma verdadeira greve (e muito menos uma greve renovável), essencialmente pública ou para-pública (lixões, SNCF, EDF, Educação Nacional, etc.), e quase todas as grandes empresas privadas não estão de modo algum paralisadas, mesmo nos dias de maior mobilização sindical (exceto em alguns setores como as refinarias).

Mesmo nos setores onde a greve adquiriu uma certa escala, a auto-organização no âmbito das assembleias gerais (AG) e comitês de greve é muito fraca, mesmo em comparação com os movimentos anteriores.
Grupos de militantes de diferentes setores surgiram (como em 2019-2020, por sinal), mas são extremamente minoritários na escala do movimento (sem mencionar a classe trabalhadora como um todo), especialmente em comparação com as interpros [assembleias conjuntas de diferentes setores profissionais] de dezembro de 1995; eles parecem mais uma forma de pequenos grupos de militantes aumentarem seu público e se construírem do que um meio real de influenciar a extensão e intensificação da greve.
Finalmente, o aparato estatal permanece firme (em particular o aparato repressivo: polícia-exército-justiça) e a patronal segue apoiando Macron (embora pareça que esta contra-reforma não lhes parecia particularmente urgente).

Todos estes limites de forma alguma desvalorizam o movimento atual e pode ser que as próximas semanas nos permitam ir além da situação atual, indo além de certos limites, mas a definição correta das tarefas e da estratégia depende da precisão do diagnóstico. A este respeito, não há espaço para complacência.

VII

Um segundo erro, que na verdade deriva do primeiro, é fingir que o que seria um grande problema estratégico para o movimento, mas também para as organizações sindicais e políticas no próximo período, foi resolvido. Ao afirmar que testemunhamos nos últimos dois meses a “radicalização do proletariado como um todo”, ignoramos que a hostilidade generalizada e virulenta contra Macron não é de modo algum equivalente a uma consciência anticapitalista de massa. É importante lutar contra uma excessiva personalização e psicologização das questões que envolvem a figura de Macron, o que o torna um “louco”, um “desequilibrado” ou um “sociopata” quando ele é acima de tudo a personalização do poder do capital, e em particular do capital financeiro. Mas, acima de tudo, subestimamos o fato de que uma grande maioria do proletariado não entrou de fato no movimento.

É verdade que os trabalhadores são, em sua quase-totalidade, contrários à contra-reforma e hostis à Macron, mas a maioria deles tem permanecido até agora inativa. Apenas uma pequena fração da classe se manifestou e a grande maioria não atravessou o Rubicão da greve; tanto por razões materiais inevitáveis (insegurança salarial, salários estancados há tempos, inflação galopante) como também por causa da repressão anti-sindical que enfraqueceu as equipes militantes em muitas empresas, o impacto combinado da Lei Trabalhista e das portarias de Macron (que desestruturaram e restringiram os recursos sindicais, especialmente no setor privado), ao qual deve ser acrescentada a amarga memória das derrotas anteriores. Além disso, o nível de auto-organização é geralmente inferior ao dos movimentos anteriores (incluindo os recentes, como o de 2019-2020, particularmente na SNCF e, a fortiori, em comparação com o de dezembro de 1995), e a coordenação interprofissional é inexistente, ou muito débil e pontual.

De fato, o movimento popular se desenvolveu de forma mais autônoma desde a imposição do 49.3, organizando ações diárias em quase todos os lugares da França sem o apoio da intersindical e utilizando métodos mais ofensivos de luta, as assembleias gerais parecem ter sido mais numerosas nos últimos dias, mas ainda é a intersindical que dá o tom e o ritmo do movimento e ninguém está atualmente – de forma alguma – em posição de disputar este papel.

Poder-se-ia objetar que, mesmo num processo revolucionário, os explorados e oprimidos nunca são mobilizados em sua totalidade. Mas, só no caso da França, estima-se que em maio-junho de 1968 havia 7,5 milhões de grevistas (e 10 milhões de pessoas mobilizadas), em um país que, no entanto, tinha muito menos assalariados do que hoje (cerca de 15 milhões contra mais de 26 milhões hoje). Devido ao grande bloqueio da economia durante várias semanas, ao grande número de ocupações dos locais de trabalho e à desorganização inicial das autoridades políticas, a situação na época tinha aspectos pré-revolucionários (apesar dos limites da auto-organização, que não permitia o surgimento de conselhos de trabalhadores), o que deu origem a tarefas de natureza bastante particular para militantes convencidos da necessidade de uma ruptura revolucionária (dentro do PCF e das organizações de extrema esquerda).

IX

As dificuldades do movimento não podem de forma alguma ser explicadas pelo papel desastroso desempenhado pela intersindical. Sobre este ponto, não podemos nos satisfazer com um raciocínio perfeitamente circular que consiste em dizer em poucas palavras: se não há instâncias de auto-organização, é porque é a intersindical que lidera o movimento; e se é a intersindical que dá o tom e o ritmo, é porque não há instâncias de auto-organização.

Em 1968, a hipótese de lideranças traidoras no movimento operário que impediu a transformação do movimento em um verdadeiro processo revolucionário tinha, pelo menos, uma base objetiva, digna de discussão. Na França, na época, havia sindicatos de trabalhadores poderosos, o principal dos quais – a CGT – era liderado por um partido comunista com uma ampla base entre a classe trabalhadora e um grande público eleitoral (mais de 20%). De fato, o PCF impediu as formas de auto-organização que poderiam ter surgido nas empresas em favor de uma prática geralmente passiva de greve (na qual os trabalhadores eram convidados a não intervir diretamente e a deixar que os representantes sindicais liderassem a greve). O partido também se recusou a tomar iniciativas ousadas que teriam levantado a questão do poder e um governo de ruptura, especialmente durante os poucos dias ou semanas em que o governo gaullista parecia não saber o que fazer, atônito com a escala da greve dos trabalhadores e a determinação do movimento estudantil.

Hoje a situação é radicalmente diferente: os sindicatos estão muito enfraquecidos, pelo menos em relação ao que eram em 1968, e não existe mais um partido de trabalhadores de massa. Se seguirmos a hipótese de Juan Chingo, isto deveria constituir uma avenida para a construção de uma greve geral. O contrário é verdade, porque é nos setores e empresas onde há mais filiação sindical e onde os sindicatos militantes ainda estão presentes (geralmente CGT, Solidaires e/ou FSU) – porque não podemos colocar todos os sindicatos, nem mesmo todos os “líderes sindicais” no mesmo saco – que o conflito mais forte se expressa globalmente. Por outro lado, os setores e empresas não sindicalizados, longe de serem aqueles em que se expressaria uma suposta disposição das massas para uma ação radical que não seja impedida pela famosa direção do movimento operário, são aqueles em que a atomização, a passividade, o consenso pseudo-gerencial e até mesmo o voto da extrema direita prosperam.

Nas universidades, podemos ver o que vale este argumento: sendo os sindicatos muito fracos neste meio, os ativistas presentes têm enormes dificuldades, pelo menos até o momento, para provocar amplas estruturas de auto-organização (a maioria das assembleias gerais mobilizou apenas algumas centenas de estudantes até recentemente); e mesmo nas universidades que recentemente viram algumas assembleias gerais bastante maciças (Tolbiac, Mirail), a escassa presença de organizações estudantis enfraquece a ampliação e a auto-organização do movimento[1]. Em outras palavras, se o proletariado já estivesse radicalizado como um todo, e se as lideranças sindicais fossem o único cadeado a quebrar para lançar uma ofensiva revolucionária, veríamos o desenvolvimento de lutas radicais e formas avançadas de auto-organização nos setores onde a implantação sindical é mais fraca, ou seja, onde o domínio das lideranças sindicais é mais frágil. Nada poderia estar mais distante da realidade atual.

A hipótese da substituição da liderança sindical (reformista) por uma liderança verdadeiramente revolucionária tem todas as vantagens da simplicidade e todas as desvantagens do simplismo (se não do irrealismo quando se pensa que a famosa liderança revolucionária alternativa é o produto do trabalho egocêntrico de construção das micro-organizações). É claro que podemos pensar que uma política mais militante da intersindical – rejeição dos dias de [mobilização], um claro apelo à renovação da greve e à participação nas assembleias gerais, etc.., teria permitido uma mobilização mais ofensiva desde o início; entretanto, estamos tocando os limites do quadro da mobilização atual, que é também um de seus pontos fortes: a unidade mantida pela frente sindical, sem a qual é duvidoso que o movimento teria adquirido esta escala e teria recebido a aprovação majoritária da população.

No período atual e futuro, os desafios e tarefas parecem ser de natureza completamente diferente para os ativistas que não querem abrir mão nem da perspectiva revolucionária nem do trabalho dentro do movimento real: estender a implantação sindical para além dos setores atualmente mobilizados, fortalecer a esquerda dentro das organizações sindicais (os sindicatos ou sensibilidades de “luta de classes”), contribuir para o surgimento de novas correntes ou movimentos radicais (fora das organizações tradicionais, mas articulados, e não em oposição a elas), aprofundar o trabalho político-cultural que nos permitirá passar do ódio contra Macron à crítica ao sistema como um todo e, finalmente, à necessidade de uma ruptura anticapitalista para construir uma sociedade completamente diferente.

X

Um dos pontos centrais expressos pela situação atual é a extrema dispersão dos níveis de consciência política entre trabalhadores e jovens. É verdade que a perspectiva de uma ruptura anticapitalista e outra sociedade avançou entre a população na sequência 2016-2023, mas não está crescendo à mesma velocidade que o ódio visceral ao poder político e em particular ao Macron. Tanto assim que o sentimento anti-Macron, em geral, e a hostilidade em relação à sua contra-reforma de aposentadorias, em particular, pode ser de considerável benefício para a extrema direita.

Uma pesquisa bastante recente (no final de fevereiro) colocou Marine Le Pen como a principal oponente do projeto de contra-reforma de Macron (ligeiramente à frente de Jean-Luc Mélenchon), especialmente entre as classes trabalhadoras, apesar de o RN não propor um retorno à idade de 60 anos de aposentadoria e se opor a greves renováveis. Uma pesquisa recentemente publicada confirma isto sugerindo que o FN/RN poderia ser a força política que mais se beneficiaria com a rejeição da contra-reforma da aposentadoria. É claro que isto tem causas profundas e uma longa história de implantação eleitoral e impregnação ideológica, mas nada pode ser compreendido sem levar a sério a forma como as elites políticas e da mídia não cessaram nos últimos anos de normalizar a extrema direita e banalizar suas ideias, enquanto demonizam a esquerda (em particular a LFI).

Houve decantações parciais em alguns movimentos, mas elas afetam apenas parcialmente as classes e frações de classe que constituem seu centro de gravidade. Assim, os Coletes Amarelos têm sido o cenário de um processo de esclarecimento e radicalização política; no entanto, isto só penetrou uma seção limitada das classes trabalhadoras, mesmo dentro das frações mais favoráveis ao movimento, em áreas rurais ou semi-rurais e em pequenas cidades em particular. Isto é sem dúvida tanto mais verdadeiro quanto existe uma grande lacuna entre a adesão ao movimento (que pode ser extremamente ampla, como no movimento atual, e em menor grau no início dos Coletes Amarelos) e a participação real nas mobilizações (especialmente quando esta participação é reduzida a uma ou várias manifestações, cujos efeitos politizadores são muito menores que os de uma greve, a fortiori quando esta última é de longa duração e conta com uma grande participação nas assembléias gerais).

Um dos problemas graves para a esquerda social e política é, portanto, conseguir manter e aprofundar o movimento onde ele se desenvolveu, ao mesmo tempo em que o estende a setores ou setores da juventude nos quais o nível de consciência de classe – marcado pelo fato de se organizar coletivamente, em particular nos sindicatos, e de se mobilizar pelos próprios interesses, com base em uma representação mais ou menos clara e coerente desses interesses – está em um nível muito inferior. Nestes últimos setores e nestes amplos estratos da população, o que está em jogo está a mil milhas de distância das grandes proclamações sobre o momento pré-revolucionário: é necessário atrair a maioria dos trabalhadores para um primeiro dia de greve e manifestação, levá-los a participar de uma assembleia geral para decidir coletivamente as modalidades de ação, etc. Nesta perspectiva, o slogan mecânico e abstrato de denunciar as lideranças traidoras não é apenas um engano, mas na maioria das vezes um obstáculo.

XI

Obviamente, surge a questão da saída política para o movimento. As mobilizações sociais – por mais maciças e radicais que sejam – não geram espontaneamente perspectivas políticas, ainda mais quando voluntariamente fogem da questão do poder e do confronto político necessário com as classes possuidoras (o que Daniel Bensaïd chamou de “ilusão social”). Isto é ainda mais verdadeiro no caso presente, uma vez que o movimento tem sido caracterizado até agora por um baixo nível de auto-organização e coordenação. Entretanto, isto não significa que os movimentos sociais devam se contentar com um papel subordinado em relação às forças políticas, que são as únicas capazes de apresentar perspectivas. É antes no âmbito de uma dialética de colaboração-confronto entre o movimento social e a esquerda, de uma unidade que de forma alguma impede um debate mais aberto sobre orientações e perspectivas, que devemos imaginar uma proposta política para uma ruptura com o passado.

Comecemos dizendo a este respeito até que ponto a perspectiva de um referendo de iniciativa compartilhada (RIP), defendida em particular pelo PCF, fica muito aquém do potencial aberto pelo movimento, revela-se profundamente irrealista sob o pretexto do pragmatismo e não responde de modo algum ao imperativo, para a esquerda, de propor uma solução para a crise política. Isso significaria recolher 4,8 milhões de assinaturas, o que exigiria muito trabalho militante ao longo de nove meses. Isto desviaria energias para um terreno puramente de coleta de assinaturas, numa época em que o principal é ampliar a mobilização, e numa época em que a Macronia já anuncia novos projetos mortais (não apenas a lei Darmanin, mas também uma lei sobre trabalho e emprego). Por outro lado, mesmo se os 4,8 milhões de assinaturas fossem coletadas, a proposta do referendo ainda teria que ser examinada pelas duas câmaras dentro de seis meses… Em outras palavras, a situação terá mudado muito nesse meio tempo, talvez em detrimento do movimento, e tal proposta nada faz para impulsionar a tripla vantagem que a mobilização tem aqui e agora: uma greve enraizada em vários setores-chave, uma mobilização multifacetada que nos últimos dez dias se tornou incontrolável [para quem está no poder] e uma opinião pública amplamente favorável.

A perspectiva de um “maio de 68 que iria até o fim” é às vezes levantada. O slogan é sedutor, tanto mais que maio de 68 continua sendo uma referência positiva (embora sem dúvida vaga) para grandes setores da população, particularmente aqueles que estão atualmente mobilizados. Entretanto, como já foi dito, não é certo que a analogia com maio de 68 seja eficaz neste caso, além dos efeitos agitacionais que um slogan pode produzir. Mas é sobretudo a ideia de “ir até o fim” que não parece muito clara. Se se trata de dizer que as esperanças de uma ruptura com o capitalismo e de emancipação social suscitadas pelo movimento de maio-junho de 68 devem ser levadas adiante até o fim, isso é óbvio para nós. Mas isto não responde às questões estratégicas imediatas colocadas para o movimento e para a esquerda.

Com a politização da luta e o enorme nível de desconfiança do poder político, apenas uma proposta que articula a retirada imediata da contra-reforma, a dissolução da Assembleia Nacional e a realização de novas eleições parece estar à altura da tarefa, sem cair na dupla armadilha do maximalismo verbal e do fetichismo das fórmulas do passado. É claro que a ruptura política não pode ser reduzida à fase eleitoral, mas como Daniel Bensaïd nos lembrou: “É evidente, a fortiori em países com tradição parlamentar de mais de cem anos, onde o princípio do sufrágio universal está firmemente estabelecido, que um processo revolucionário só pode ser imaginado como uma transferência de legitimidade dando preponderância ao socialismo de baixo, mas em interferência com formas representativas” (ênfase acrescentada).

Entende-se que é necessário acrescentar a estas consignas a luta por um governo de esquerda de ruptura com o passado, o que implica na concretização de elementos do programa, em particular em torno de questões centrais e imediatas para as classes trabalhadoras como um todo e, mais geralmente, para os assalariados, mas também mais especificamente para certas franjas dentro delas: aposentadoria aos 60 anos com remuneração integral para todos (aos 55 anos para empregos fisicamente exigentes), aumentos salariais imediatos e indexação à inflação (escala móvel de salários), congelamento de preços e alugueis, permanência de trabalhadores precários no setor público e mudança para contratos permanentes no setor privado, medidas pró-ativas contra a discriminação sistêmica de gênero e racial no emprego, salários e pensões, contratação em massa na função pública, renacionalização imediata dos principais serviços e bens públicos (transporte, energia, saúde, auto-estradas, etc.), bem como o planejamento ecológico.

Levantaria necessariamente a questão da relação dos movimentos sociais, e em particular dos sindicatos – especialmente aqueles em que o sindicalismo de luta de classes ainda existe: a CGT, Solidaires e a FSU – com tal governo, tomando suas reivindicações como um todo. Qualquer governo de esquerda com um programa de ruptura estaria sob enorme pressão da classe dominante (chantagem sobre investimentos, pressão das instituições europeias, etc.). Somente uma vasta mobilização popular tornaria possível contrabalançá-la, evitar uma capitulação total e impor as propostas mencionadas acima. O confronto social que seria posto em marcha teria uma dinâmica fundamentalmente anticapitalista, na medida em que inevitavelmente levaria, a mais ou menos curto prazo, a levantar a questão do poder do capital sobre toda a sociedade, sobre nossas vidas e sobre o meio ambiente e, portanto, sobre a propriedade privada dos meios de produção, intercâmbio e comunicação.

No caso de novas eleições, uma nova batalha política seria aberta, mas uma vitória do movimento social sobre a contra-reforma da aposentadoria colocaria o NUPES – especialmente a força dominante dentro dele, que sem dúvida se mostrou a mais combativa contra Macron e seu projeto, ou seja, o LFI – em uma posição de força. Este não é de forma alguma um caminho real, pois as mobilizações sociais nunca têm efeitos automáticos sobre as relações de poder eleitoral (pense em maio-junho de 68 e na eleição da câmara mais à direita da Quinta República, apenas algumas semanas após o movimento…). Foi apontado acima que a FN/RN parece ser atualmente a força que mais se beneficia com a ampla rejeição popular da contra-reforma, por razões que as práticas parlamentares reais da extrema-direita não contrariam realmente. No entanto, deve-se ter em mente que as pesquisas atualmente em curso se baseiam na suposição derrotista – amplamente aceita pelos entrevistados nesta fase – de que o Macron não recuará. Se o movimento fosse finalmente vitorioso, a hipótese de uma ascensão político-eleitoral da esquerda não seria irrealista, embora não haja nada que indique que ele anularia pura e simplesmente a da extrema- , dada a banalização desta última no cenário da mídia e na arena política.

A mobilização criou sem dúvida uma nova situação e a possibilidade de uma bifurcação, no sentido de uma dinâmica de ruptura com a ordem estabelecida. Obviamente, nem tudo está ao alcance, mas as perspectivas que poderiam parecer irrelevantes há alguns meses estão agora ao alcance. Não haverá descanso nos próximos dias e semanas de luta; cabe a nós empurrar não apenas o poder político, mas os limites do que é possível.

*O autor agradece aos membros da redação da Contretemps por seus comentários e sugestões sobre uma primeira versão deste texto, mas continua sendo o único responsável pelas posições defendidas neste artigo.


[1] Tanto que muitos estudantes participam de manifestações, mas sem discutir coletivamente o movimento em assembleias gerais (e a fortiori em comitês de greve ou de mobilização) e, portanto, sem decidir sobre iniciativas futuras a serem tomadas (em particular para ampliar o perímetro dos estudantes mobilizados), o que limita os efeitos de politização que um movimento de tal envergadura produz necessariamente.


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin