Grã-Bretanha: Onda de greve continua adiante no 15 de Março
whatsapp_image_2023-03-06_at_8.06.41_am

Grã-Bretanha: Onda de greve continua adiante no 15 de Março

Trabalhadores e trabalhadores em greve no Reino Unido voltam às ruas hoje em sua jornada de lutas.

Susan Price e Terry Conway 15 mar 2023, 14:37

Via Green Left

Diante de um dia significativo de ação industrial em toda a Grã-Bretanha em 15 de março – Dia do Orçamento – Susan Price, da Green Left australiana, perguntou à integrante da Resistência Anticapitalista (A*CR) Terry Conway sobre o significado da onda de greve e o que será necessário para forçar o governo a tomar a mão.

Os professores estão em greve rolante de 28 de fevereiro em toda a Inglaterra, e até 100.000 sindicalistas de todo o setor público estão planejando uma ação industrial em 15 de março (Dia do Orçamento). O que os trabalhadores estão exigindo e quão significativa é esta onda de greve?

A greve vem ocorrendo intermitentemente desde junho passado: particularmente por trabalhadores ferroviários e de correio, professores universitários e universitários, funcionários públicos e, mais recentemente, em partes do serviço de saúde e escolas.

Os trilhos e o correio são, em sua maioria, privatizados – mas são lugares nos quais os governos têm mais impacto nas negociações do que em outras partes da economia. Uma ética de serviço público também é esperada tanto pelos trabalhadores quanto pelos usuários. Assim, embora o pagamento seja central, a prestação de serviços também é um problema. Assim, por exemplo, quando os patrões falam sobre a necessidade de aumentar a produtividade a fim de financiar um aumento de salário – não que eles estejam dispostos a dar muito terreno lá – os sindicatos respondem que os cortes de empregos ameaçam a saúde e a segurança e, em particular, os direitos de muitas pessoas deficientes que precisam de assistência para usar trens inacessíveis. Para os sindicatos de educação e saúde, estas questões são ainda mais centrais para as disputas – e para o nível de apoio público que elas atraem.

Os níveis de ação industrial na Grã-Bretanha têm sido incrivelmente baixos desde a derrota da emblemática greve dos mineiros de 1984-85 pelo governo de Margaret Thatcher. Muitos dos trabalhadores em greve nos últimos meses nunca testemunharam uma ação sindical bem sucedida – não importa a participação ativa nela.

O pico da ação até agora foi em 1º de fevereiro, com mais sindicalistas na Grã-Bretanha em greve em um único dia do que durante décadas. Cerca de meio milhão de trabalhadores de seis grandes sindicatos saíram na primeira tentativa séria de coordenação interprofissional desde que as greves começaram em junho passado. Mas havia um milhão de trabalhadores que poderiam ter sido chamados legalmente naquele dia – que tinham um mandato existente para greve – então esta ação só alcançou metade de seu potencial.

O dia 15 de março parece desigual porque existe uma situação contraditória. No entanto, há algumas boas notícias. Em 1º de fevereiro, o sindicato do funcionalismo público trouxe membros em 124 departamentos. Eles falharam no “limiar de participação” – ditado pelas leis anti-sindicalistas extremamente reacionárias da Grã-Bretanha – em nove outros departamentos por margens estreitas. Eles se reequilibraram nesses departamentos e conseguiram, portanto, em 15 de março, mais 33.000 trabalhadores estaram em greve.

Os dois maiores sindicatos do metrô de Londres estão em greve no dia, o que significa que a rede de metrôs será fechada – e os manifestantes de toda a capital se amontoarão em ônibus para se juntarem aos que vêm em ônibus de fora da cidade para o comício central.

Talvez o elemento novo mais excitante seja os médicos juniores – um termo confuso que cobre os médicos que se qualificaram até 20 anos atrás. Mais de 35.000 deles votaram esmagadoramente a favor da greve e imediatamente anunciaram que fariam uma greve total de 72 horas que terminaria na madrugada do dia 16 de março.

Mas também houve fragmentação em três áreas: educação superior, correio e grande parte do serviço de saúde.

Em 17 de fevereiro, a secretária-geral do Sindicato das Universidades e Faculdades (UCU), Jo Grady, anunciou que a greve planejada seria pausada para negociações intensivas. Ela o fez unilateralmente sem nenhuma consulta – e sem mostrar nenhum progresso concreto na oferta de gestão. Membros furiosos e ativistas foram apresentados com um fato consumado.

Os trabalhadores dos correios não estão em greve desde antes do Natal – após 18 dias de ação antes. Uma nova convocação ocorreu com uma maioria de 96,9% para novas ações. Vários representantes do local de trabalho foram perseguidos e os gerentes estão impondo novos padrões de trabalho – um aspecto significativo da disputa, em primeiro lugar. Apesar disso, a liderança e a gerência do sindicato emitiram uma declaração conjunta em 2 de março. As autoridades afirmam que outras mudanças não serão feitas sem consulta – mas isto poderia ser facilmente utilizado para vincular os representantes do local de trabalho ao policiamento de negócios duvidáveis. Há muita raiva, mas não há um verdadeiro fórum para os ativistas lutarem por uma estratégia alternativa.

Na saúde, há duas áreas principais onde a ação industrial já vem ocorrendo – entre enfermeiros e no serviço de ambulância. O principal sindicato envolvido na primeira é o Royal College of Nursing (RCN), que até pouco tempo atrás tinha uma proibição de ação industrial, mas começou a atacar em dezembro de 2022. Ficou claro desde o início que sua liderança queria que as enfermeiras fossem tratados como um caso especial.

Elas se mantiveram bem afastadas da ação em 1º de fevereiro. Portanto, não foi uma grande surpresa quando anunciaram em 22 de fevereiro que estavam em discussões com o governo. Não inesperadamente, desde então não ouvimos nada sobre o que poderia estar sendo oferecido.

Na última semana, os trabalhadores das ambulâncias concordaram em conversar e cancelaram a ação. O que parece estar em oferta é um pagamento único para o salário do ano passado – que nada faz para combater o salário real perdido durante a última década.

Qual é a profundidade da crise do custo de vida/salário na Grã-Bretanha? Qual é o seu impacto sobre as pessoas comuns?

Existem diferentes elementos para a crise do “custo de vida”. Para a maioria dos grevistas, o valor real de seus salários caiu durante uma década ou mais. Os serviços têm sido minados pela privatização e casualização, o que significa que trabalhadores e usuários têm ressentimentos de longo prazo.

A inflação galopante subiu formalmente no outono passado para mais de 11% – mas com um impacto ainda pior no nível de vida da classe trabalhadora. Os alimentos básicos, combustível e custos de moradia constituem os elementos mais significativos disto.

Muitos têm sido confrontados com dificuldades – com uma escolha entre aquecimento e alimentação. O uso do banco de alimentos elevou-se a um nível em que uma em cada cinco pessoas no trabalho está usando-os!

Esta é uma das principais razões pelas quais as greves têm um apoio público muito amplo. Isto é particularmente verdadeiro para os trabalhadores dos serviços de saúde. A grande maioria das pessoas está desesperada para ver um financiamento adequado para o Serviço Nacional de Saúde, um fim da privatização e um salário decente para acabar com a situação em que, por exemplo, enfermeiras estão saindo para trabalhar em supermercados para ganhar uma taxa horária mais alta lá.

Qual tem sido a resposta do governo Rishi Sunak às exigências dos trabalhadores até agora? O que será necessário para forçar a mão deles?

Este tem sido um momento de turbulência política com três Primeiros Ministros Conservadores diferentes – Boris Johnson, Liz Truss e agora Sunak. Inicialmente todos adotaram uma abordagem de lavar as mãos – enquanto utilizavam a mídia para culpar a inflação salarial pela crise do custo de vida.

Quando ficou claro que os sindicatos não estavam recuando, eles mudaram de rumo. Apesar da Grã-Bretanha já ter as leis anti-sindicalistas mais repressivas, eles começaram a introduzir uma “lei de nível mínimo de serviço” que obrigaria muitos a trabalhar, mesmo votando para a greve. A ironia é que esses níveis muitas vezes não são atingidos mesmo quando não há greves – portanto, certamente não estão ganhando nenhum concurso de popularidade com isso. Eles também começaram a tentar algumas lideranças sindicais em conversações que não abordam as verdadeiras preocupações que levaram às disputas em primeiro lugar.

A geografia política destas greves é complicada – diferentes sindicatos se organizam em diferentes países – Escócia, País de Gales, Irlanda como um todo e às vezes o norte da Irlanda, assim como a Inglaterra. Enquanto os Conservadores estão no governo em Westminster, em Edimburgo há um governo do SNP e em Cardiff um governo trabalhista – ambos fizeram ofertas separadas e melhores para alguns trabalhadores cujas contas de pagamento vêm de seus orçamentos.

Esta onda industrial tem o potencial de gerar um movimento político que poderia desafiar os partidos de austeridade e privatização? Que postura o Partido Trabalhista de Kier Starmer está adotando em relação a ele? Quais são as perspectivas de unir a esquerda em torno de um projeto desse tipo?

A posição do Starmer tem sido terrível – proibir os membros de seu Gabinete Sombra de se unirem às linhas de piquete. Na medida em que ele mencionou as queixas dos trabalhadores, ele enfatizou o quão fiscalmente responsável seria o trabalho no governo.

Alguns sindicatos fizeram movimentos para estabelecer uma campanha política mais ampla, indo além das questões do local de trabalho, para questões mais amplas como moradia e o direito à alimentação. No entanto, isto murchou na videira por falta de estruturas democráticas que pudessem unir aqueles com o compromisso de construí-la. Comitês de solidariedade grevista se desenvolveram em algumas áreas, mas estes não têm uma agenda política ampla.

Se algo disto poderia contribuir para o desenvolvimento de um novo partido político é algo que eu não posso abordar neste artigo.


TV Movimento

Entenda a história da luta palestina por liberdade e soberania

A deputada Luciana Genro entrevista a professora Arlene Clemesha, doutora em História Árabe e docente da USP, sobre a luta palestina. Mais do que nunca, é urgente que possamos aprofundar o conhecimento sobre o tema para somarmos cada vez mais força em apoio a esta causa!

Palestina Livre do rio ao mar! Colonialismo, racismo e apartheid (parte 2)

Segunda aula do professor de sociologia Frederico Henriques, dirigente da TLS e do MES/PSOL, sobre colonização e racialização na Palestina

Antônia Cariongo denuncia a violência política no Maranhão

Companheira Antônia Cariongo, liderança quilombola e dirigente do MES/PSOL no Maranhão, denunciando a violência política contra militantes do movimento quilombola e da luta pela terra no estado. Todo apoio aos lutadores e lutadoras do Maranhão!
Editorial
Israel Dutra | 04 dez 2023

“Chernobyl brasileiro”: mais uma tragédia anunciada

O afundamento do solo foi promovido pela ganância da Braskem, com a anuência dos responsáveis políticos, devastou bairros e comunidades inteiras.
“Chernobyl brasileiro”: mais uma tragédia anunciada
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 44
Conheça a edição especial Marxismo Negro: História, Teoria e Política
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Conheça a edição especial Marxismo Negro: História, Teoria e Política