Extrema direita, ataque às escolas e o novo ensino médio
Chacaras_Rio-Petropolis_Duque_de_Caxias_-_RJ_Brazil_-_panoramio_5

Extrema direita, ataque às escolas e o novo ensino médio

Nesses tempos difíceis e dicotômicos que vivemos, uma afirmação é certa: a extrema direita se articula para atacar os pilares da democracia e a educação.

Marcio Ornelas 2 abr 2023, 12:53

Os sucessivos ataques que vimos nos últimos meses em escolas de São Paulo, que culminou com a morte na última semana da professora Elisabeth, evidenciam a escalada da violência no ambiente escolar. A morte é o auge dessa violência, mas no Brasil inteiro somam-se casos de intimidação aos profissionais da educação e entre alunos.

É preciso dar um basta, mas para isso, precisamos refletir de forma honesta como proceder nessa situação de intimidação.

A escola como reflexo de uma sociedade violenta

A sentença aqui é óbvia: o ambiente escolar carrega para si as contradições da sociedade. E podemos considerar uma das contradições mais alarmantes, que recai sobretudo nos mais pobres, a questão da violência. Estamos falando de uma população que está cada vez mais acostumada a conviver com um grau abusivo de violência no cotidiano, seja ela estatal ou oriunda de algum poder paralelo. E para violência abusiva não ser o estopim de uma rebelião que coloque os oprimidos em revolta, ela precisa também ser ideologicamente naturalizada. Essa é basicamente a trilha comum de uma sociedade burguesa.

Mas nos últimos quatro anos, com a ascensão do bolsonarismo, nós temos vivenciado uma escalada dessa violência também no âmbito institucional. Isso porque o bolsonarismo, enquanto projeto autoritário de poder, não pode credibilizar as instituições ou mesmo as regras vigentes. Afinal, são parte de uma sociedade distorcida, que o projeto autoritário que se apresenta como novo, quer eliminar.

Dessa forma os direitos das minorias, as liberdades de pensamento, as formas de convivência em sociedade e o respeito mútuo, passam a ser empecilhos para a construção desse novo futuro. E a construção dessa perspectiva autoritária precisa ser necessariamente violenta, pois precisa romper com todo o acúmulo da sociedade anterior, forçar setores sociais ao retrocesso.

A violência deixa de ser algo meramente disruptivo de uma sociedade problemática e passa a ser um método de resolução de conflitos e de diferenças. Esse comportamento foi largamente incentivado pelas maiores autoridades do país nos últimos quatro anos. E podemos observar claramente a escalada desse método nos mais variados ambientes.

A extrema direita nas escolas

É evidente que a educação pública experimenta um processo de sucateamento. Faltam professores, funcionários e boa parte das escolas têm estrutura precária. Um ambiente de abandono, propicia a violência. Mas esses são velhos elementos conhecidos dessa equação, o que há de realmente novo é o avanço da extrema direita no Brasil.

Em apenas três anos as células nazistas cresceram 300% no Brasil. Estrategicamente, tem como política de crescimento o recrutamento de jovens, que em linhas gerais, possuem um perfil de classe média baixa. Muitas vezes vêm de famílias problemáticas, áreas violentas e vivenciam algum tipo de opressão. Esse perfil não é à toa, afinal, são jovens que não possuem motivos para amar a atual sociedade, mas para odiá-la. E o ódio é o principal combustível da extrema direita.

Esse jovem cada vez mais sem direitos, sem qualquer perspectiva de futuro, sem confiança no Estado que sempre lhe oprimiu e descrente dessa sociedade que lhe causa tanta dor, só pode ser um alvo muito fácil para a cooptação de um projeto ideológico autoritário. As células fascistas e nazistas, vão proporcionar alguma explicação equivocada do por que tanto sofrimento e em seguida vão ensinar a redirecionar o seu ódio a alguma minoria.

Logicamente que em casos graves como os que aconteceram em São Paulo, existe a necessidade de que medidas judiciais e administrativas sejam tomadas. Mas isso não vai bastar. Nós estamos diante de um problema que é estritamente social e político. Que precisa de ação no âmbito investigativo, para desmontar essas células criminosas, mas precisa de mobilização social. Debater largamente o que está acontecendo no Brasil e atacar as condições que engendram a reprodução de uma ideologia violenta. Toda a categoria da educação precisa estar preparada para esse embate, afinal, são um dos alvos prioritários no processo de expurgo.

O novo ensino médio é mais um gol a favor do fascismo

Aqui nesse ponto o debate é bem simples. Pegue um jovem que cresceu em meio a violência, graves contradições sociais, privação de direitos e também material. Tendo uma vida difícil e sacrificante. Possivelmente alvo de preconceito e discriminação por toda uma vida. Não lhe ofereça a oportunidade de explicar do ponto de vista histórico e sociológico, as razões para essa contradição tão latente em sua vida. Não lhe ofereça a oportunidade de explicar a formação social absolutamente desigual desse país, não lhe ofereça a chance de explicar a divisão da sociedade em classes sociais e quem são os verdadeiros inimigos que temos que derrotar.

Ao invés disso, prepare-o não para uma perspectiva de que essa sociedade pode ser transformada, mas para uma lógica de adaptação a uma sociedade trágica como a nossa. Onde se esvai a possibilidade de um futuro melhor, não apenas para si, mas todos os seus. A escola quer preparar esse jovem para a sociedade como ela é. Assim o problema deixa de ser a formação social e seu funcionamento, passando a ser uma questão de adaptação individual.

É exatamente isso que o novo ensino médio se propõe a fazer. Preparar jovens que sejam funcionais para essa sociedade de exploração, sem oferecer qualquer compromisso no âmbito da ética. Isso não somente é extremamente perigoso, como é absolutamente funcional ao fascismo.

Desse jeito, derrotar o novo ensino médio é uma das tarefas prioritárias no conjunto do que temos que fazer no âmbito educacional, para enfrentar a ascensão da extrema direita


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.