Crônica georgiana: Conferência global Labour Start em Tbilisi
WhatsApp-Image-2023-05-03-at-09.39.54-1

Crônica georgiana: Conferência global Labour Start em Tbilisi

A conferência sindical reuniu líderes sindicais de vários países na capital da Geórgia

Alfons Bech 2 maio 2023, 10:45

Foto: Alfons Bech / Facebook

A conferência Labour Start terminou no dia anterior a 1º de maio. O número de participantes ultrapassou 200, vindos de cerca de 30 países. Eis uma lista parcial: Albânia, Armênia, Belarus, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Israel, Cazaquistão, Quirguistão, Lituânia, Mianmar, Macedônia do Norte, Holanda, Noruega, Palestina, Polônia, Rússia, Espanha, Suíça, Turquia, Ucrânia, Reino Unido e Uzbequistão.

Uma conferência que contou com o apoio logístico e político do sindicato da Geórgia, o GTUC. Falaremos mais tarde sobre esse sindicato, um dos exemplos da transformação dos sindicatos nos países pertencentes à ex-URSS, segundo sua própria visão e segundo a Confederação Sindical Internacional da qual é membro.

Nesta crônica, vou me concentrar nos aspectos que têm a ver com a missão que me levou a participar da conferência: solidariedade com os sindicatos da Ucrânia. Antes, porém, gostaria de fazer uma breve revisão de alguns aspectos que me chamaram a atenção. Em primeiro lugar, o significado de uma conferência como essa.

O valor da solidariedade dos trabalhadores hoje

Como Eric Lee e outros coordenadores do Labour Start disseram, a conferência é um ponto de encontro e um local de solidariedade entre sindicalistas. Não importa se você vem em nome de uma organização ou como indivíduo, todos têm a possibilidade de participar, falar ou se candidatar a um workshop. Nesse sentido, é uma reunião muito democrática e aberta, que oferece uma oportunidade em nossos dias de trocar informações e experiências. Esse é, em minha opinião, o aspecto mais importante. E é isso que torna esta conferência tão bem-sucedida e preenche uma lacuna que, por algum motivo, os sindicatos e as próprias centrais sindicais internacionais precisam preencher. Especialmente diante de uma guerra como a da Ucrânia.

O outro aspecto que tem a ver com o anterior é o fato de ser, em essência, um trabalho militante. Com base em uma pequena rede de coordenadores que lidam com áreas ou questões, e com uma rede mais ampla de correspondentes, o Labour Start oferece a qualquer sindicalista uma visão global das lutas sindicais ou políticas relacionadas à vida da classe trabalhadora. É uma janela para o mundo do trabalho, embora focada no aspecto material e concreto da luta por salários, direitos, condições de trabalho e liberdade. Os outros aspectos políticos mais gerais e a tomada de posição não entram nesse site e nesse trabalho.

Eric Lee destacou o valor da solidariedade dos trabalhadores em uma “era de crises, guerras e desastres”. No final da conferência, ele expressou o desejo de poder realizar a próxima conferência em uma Kiev sem guerra e com sindicatos totalmente restabelecidos. Esperamos que isso seja possível.

Como a guerra na Ucrânia afeta os países vizinhos

Portanto, a conferência não teve uma posição oficial sobre a Ucrânia. Mas todas as intervenções dos sindicalistas da Geórgia e de todos os outros expressaram sua solidariedade com os sindicatos ucranianos e seu desejo de vitória sobre os invasores. As intervenções nas sessões plenárias de Olesia Briazgunova, oficial internacional do sindicato KVPU, Ivanna Khrapko, chefe da coordenadora da juventude da FPU, bem como da jovem advogada Inna Kudinska, membro da ONG Labor Initiaves, estavam entre as mais ouvidas e aplaudidas. Nos corredores da Universidade Nacional da Geórgia, onde a conferência foi realizada, havia a mesma atmosfera que nas ruas, bares, restaurantes e residências particulares de Tbilisi, onde cartazes, grafites e faixas em solidariedade à Ucrânia são exibidos.

As intervenções feitas por sindicalistas bielorrussos, incluindo Maksim Pazniakou, também foram ouvidas com atenção. Em um espaço de tempo muito curto, de 2020 até hoje, a situação em Belarus mudou completamente. De um regime encurralado pela mobilização popular, o regime passou à repressão brutal e ao desmantelamento da oposição política e sindical. Maksim reconheceu que o sindicalismo independente não estava preparado para isso. Eles estavam confiantes de que o regime cederia à pressão da mobilização. Os trabalhadores haviam conquistado algumas vitórias antes de 2020 e foram a força motriz por trás da mobilização dos cidadãos na época da fraude eleitoral. Mas o apoio de Putin ao seu protegido Lukashenko virou a maré. Quando a invasão ocorreu em 24 de fevereiro de 2022, o sindicalismo independente do BKDP entendeu e apoiou totalmente seus irmãos ucranianos. Agora ele está pagando com a prisão e o exílio de seus líderes por sua posição firme e de apoio.

Ter um plano para a reconstrução social

O workshop apresentado pela Rede Europeia de Solidariedade com a Ucrânia (ENSU) foi muito interessante no sentido de que abriu uma reflexão e algumas ideias para um plano de reconstrução social e sindical da Ucrânia. Embora o número de participantes do workshop não tenha sido grande, as pessoas interessadas participaram e fizeram perguntas, a começar pelas companheiras ucranianas Olesia, da KVPU, Ivanna, da FPU, e Inna, da Labor Initiatives.

Certamente a tarefa que apresentamos não é fácil: propor aos sindicatos ucranianos que cheguem a um acordo sobre um plano para a reconstrução social do país; ter alternativas e voz na reconstrução que os capitalistas ucranianos e o capital internacional estão buscando; e fortalecer os sindicatos nesse processo com apoio material e político.

As tarefas humanitárias que os sindicatos e as ONGs, as feministas, etc, têm de enfrentar por causa da guerra estão agora em primeiro plano. Mas, mesmo assim, há uma consciência crescente de que é necessário um plano e que os sindicatos ucranianos devem começar a pensar nele e elaborá-lo. Se os sindicatos ocidentais e mundiais fizerem isso, devemos apoiá-los. E nessa batalha para fortalecer o sindicalismo de classe, outros sindicatos da região também devem participar.

É muito cedo para pensar em reconstrução?

Mas será que é necessário fazer isso agora? Nossa proposta como Rede Europeia de Solidariedade com a Ucrânia (ENSU) é que sim, é necessário começar a elaborar esse plano o mais rápido possível. Portanto, de agora em diante, enquanto ainda houver guerra. Isso significa que estamos analisando a perspectiva de a Ucrânia vencer a guerra, rejeitar a invasão e alcançar a estabilidade em todo o seu território, com garantias de que outra invasão e agressão por parte da Rússia não será tentada novamente. É importante começar agora porque os laços de solidariedade devem ser usados para encontrar meios econômicos para o funcionamento dos sindicatos, inclusão como agente com voz e poder de decisão nos planos econômicos, treinamento sindical e político para o estágio de transição. A experiência e uma análise comum dos períodos de transição são fundamentais: é nesse momento que o futuro de um país está em jogo. Os sindicalistas da Geórgia e da Bielorrússia usaram essa conferência para trocar opiniões sobre seus próprios erros com os ucranianos. Isso deve continuar. Isso é solidariedade.

Os capitalistas já vão realizar sua própria conferência sobre a reconstrução da Ucrânia em Londres, em junho próximo. Eles receberão muito dinheiro da Comunidade Europeia. Então, os sindicatos da Ucrânia e de toda a Europa têm o direito de perguntar: quanto dinheiro haverá para a reconstrução social? Se o tecido produtivo não for reconstruído com direitos trabalhistas, com estabilidade garantida, se as leis e os padrões trabalhistas da OIT não forem cumpridos e, pelo contrário, forem restringidos e retrocederem, será aceito que o dumping social será instalado na Europa? Um “diálogo social” que amarre as mãos dos sindicatos é a maior traição ao povo trabalhador ucraniano que está defendendo seu país hoje na linha de frente e na produção de bens e serviços necessários.

Após esse primeiro debate, devemos esperar que os sindicatos FPU e KVPU reflitam sobre essas questões. Se eles considerarem isso útil e positivo, tentaremos ajudar.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.