A “Marcha de Prigozhin”: do que se tratou?
Advertising_PMC_Wagner_Group_Billboard

A “Marcha de Prigozhin”: do que se tratou?

A crise militar desencadeada na Rússia pelo exército mercenário Grupo Wagner foi aparentemente encerrada sem a publicidade de seus termos reais

Coletivo Editorial Posle 26 jun 2023, 10:56

Via International Viewpoint

Os eventos de 23 e 24 de junho já estão sendo descritos como o mais sério desafio político interno ao regime de Putin. Em questão de horas, as unidades Wagner conseguiram, com pouca resistência, assumir o controle de Rostov-no-Don e Voronezh, cidades importantes no sul da Rússia. Eles chegaram a ficar a algumas centenas de quilômetros de Moscou. Ao anunciar o início de uma rebelião militar, o líder da Wagner, Yevgeny Prigozhin, desafiou abertamente a necessidade de uma invasão em grande escala da Ucrânia, exigiu a remoção da liderança militar da Rússia e afirmou que seu objetivo era a restauração da “justiça”. E, embora o conflito tenha sido resolvido com pouco sangue, parece ter minado para sempre a promessa de estabilidade de Putin e a unidade do regime.

Não há dúvida de que Prigozhin é um criminoso de guerra e um oportunista que busca seus interesses pessoais. Nos meses que antecederam o motim, Prigozhin fez várias declarações criticando a liderança militar russa, tentando assumir o controle das unidades da Wagner, compostas por ex-prisioneiros russos e oficiais aposentados do exército. Yevgeny Prigozhin, que deve sua carreira ao patrocínio de Putin e tem amplas conexões no aparato de segurança do Estado, revelou-se o mais consciente das fraquezas do regime e da vulnerabilidade da “cadeia de comando” de Putin. Os generais Surovikin e Alekseev, que desempenharam papéis importantes na chamada “operação militar especial” na Ucrânia, pediram publicamente a Prigozhin que “caísse em si” e “resolvesse a questão pacificamente”. A maior parte do exército permaneceu em uma neutralidade silenciosa em relação aos rebeldes. O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior, Valery Gerasimov, que Prigozhin exigiu encontrar, nunca comentaram o que estava acontecendo e desapareceram. Observe que os panfletos distribuídos por Wagner não apenas pediam a renúncia deles, mas também uma corte marcial imediata para Shoigu e Gerasimov, sob a acusação de tratamento brutal dos soldados, suprimentos insuficientes para o exército e ocultação da verdade sobre o curso da guerra.

Na manhã de 24 de junho, Vladimir Putin fez um discurso urgente de cinco minutos à nação. Ele chamou a rebelião de Wagner de “punhalada nas costas” do exército russo, mas não mencionou nenhuma ação específica para reprimi-la. Putin destacou as dimensões morais e políticas do motim e o chamou de traição merecedora da mais dura resposta. Ele culpou os amotinados por colocarem a Rússia à beira de uma guerra civil e de uma derrota militar. No entanto, o presidente russo não mencionou nenhum nome, revelando sua falta de preparo e incerteza sobre a situação. Vários milhares de colunas armadas dos combatentes de Wagner atravessaram uma grande distância em menos de um dia e pararam voluntariamente a 200 quilômetros de Moscou. Ao mesmo tempo, o presidente Putin, presumivelmente, saiu correndo da capital, registrando seus discursos de sua remota residência rural em Valdai. Governadores regionais e políticos pró-Kremlin juraram lealdade ao presidente e à ordem constitucional nas mídias sociais apenas algumas horas após a eclosão do motim.

Como era de se esperar, algumas forças, facções e cidadãos não seguiram o apelo do presidente para resistir aos traidores e expressaram seu apoio aos rebeldes. Entre eles estão os neonazistas de ambos os lados da frente: o Corpo de Voluntários Russos que luta ao lado das forças armadas ucranianas e o grupo de sabotagem Rusich, que está envolvido em um conflito armado com a Ucrânia desde 2014 como representante russo. Prigozhin respondeu de forma inequívoca à mensagem de Putin. Ele afirmou que o presidente estava “errado” sobre a traição de Wagner, chamou a si mesmo e a seus combatentes de “patriotas da pátria”, acusou autoridades de Moscou de corrupção e se recusou a recuar. Buscando expandir seu apoio, Prigozhin expressou duas reivindicações marcantes da oposição anti-Putin: As regiões russas devem se opor a Moscou por expropriar os recursos do país e a liderança russa é composta por bandidos e funcionários corruptos e deve ser exposta e levada à justiça.

Apesar de Prigozhin confiar apenas nas unidades armadas, o programa que ele anunciou deveria dar legitimidade popular ao golpe de Estado. As pessoas em Rostov-no-Don aplaudiram os combatentes de Wagner como heróis, demonstrando que os slogans de Prigozhin poderiam obter apoio das massas. A tentativa de motim de Wagner também revelou a falta de disposição dos serviços de segurança em intervir ativamente na situação.

A “marcha da justiça” de Prigozhin terminou de forma tão inesperada quanto começou. O ditador bielorrusso Lukashenko intermediou um acordo entre Wagner e o Kremlin. De acordo com seus termos, Prigozhin deveria retirar suas unidades e os amotinados deveriam ser poupados de punição por seus supostos “feitos de armas”. Os acordos com Lukashenko também parecem incluir cláusulas secretas que concediam a Wagner certa autonomia e definiam a estrutura para relações futuras com a liderança militar. O acordo foi garantido pela “palavra do Presidente da Rússia”, como declarou posteriormente o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov. Em outras palavras, o público é mantido no escuro quanto aos termos e ao conteúdo desses acordos não oficiais. Embora todas as unidades militares russas e cidadãos comuns tenham sido convocados a participar do motim e a resistir aos rebeldes, a crise foi resolvida por uma conspiração entre dois criminosos de guerra, com o autocrata bielorrusso desempenhando o papel de intermediário e árbitro.

Embora seja difícil prever as consequências desses eventos, já está claro que eles mudaram para sempre o sistema político de Putin. Se essa tentativa de insurgência militar foi tão bem-sucedida, por que esse exemplo não pode inspirar futuras tentativas de aproveitar esse sucesso? As contradições das elites russas passaram da mídia para a realidade das cidades russas e das forças armadas. O mundo inteiro testemunhou que elas foram (temporariamente) resolvidas fora de qualquer estrutura legal com o compromisso garantido pela “palavra” de Putin. Na Rússia, o estado de direito deu lugar aos códigos da máfia. As palavras apoiadas pela violência são mais fortes do que a promotoria pública ou até mesmo as declarações do presidente de punição iminente. A guerra desencadeada pelo regime de Putin está se tornando uma ameaça cada vez mais aparente à sua estabilidade e resultará inevitavelmente em seu eventual colapso. Que forma esse colapso assumirá? E será que as massas intimidadas e destituídas de poder da Rússia poderão vir à tona? Essas perguntas permanecem em aberto.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.