Pela superação da crise da direção revolucionária: Sobre meu ingresso no Movimento Esquerda Socialista

Pela superação da crise da direção revolucionária: Sobre meu ingresso no Movimento Esquerda Socialista

Uma das maiores tarefas de um marxista revolucionário é superar o seu próprio sectarismo.

Wesley M. de Almeida 19 jun 2023, 17:13

Ingresso no Movimento Esquerda Socialista (MES) com exatidão e entusiasmo, ambos possibilitados pela confiança política no nosso horizonte socialista e pela compreensão da necessidade de disputa dos rumos do PSOL. A atual complexidade conjuntural potencializou as mais diversas dispersões de militantes socialistas, na contramão das necessidades de nossos dias. Há os que se apoiem no programa petista, em sua reedição cada vez mais fiadora da aniquilação da organização dos trabalhadores nas trincheiras da luta de classes, rifando direitos e espoliando o conjunto da classe para bancar os lucros da burguesia e colocar na conta do povo os rombos da crise capitalista. As correntes neoreformistas, inclusive internas no PSOL, tentam extirpar do partido as próprias razões de sua fundação e alicerces de sua existência. Se de um lado existe uma pressão pela capitulação, do outro lado (mas no mesmo sentido da desmobilização), as organizações sectárias e esquerdistas, que cada vez mais se acomodam em sua marginalidade política e vivem no isolamento influindo em poucas fileiras das vanguardas, caracterizam o PSOL como um campo devastado, um partido adaptado a ordem e que nada pode acrescentar para a reorganização dos revolucionários.

A realidade demonstra o oposto. As tensões seguem vivas dentro do partido, e no cotidiano da luta de classes o PSOL segue sendo referência e protagonista na combatividade (a exemplo existe a recente votação contra a reedição do Teto de Gastos, o calabouço fiscal de Lula e Haddad), e cada vez mais percebo uma centralidade no PSOL na reorganização do campo socialista e revolucionário. As frustrações das tentativas de fundação de outro espaço de reorganização só demonstram que os lugares e as práticas destes estão inadequadas. Quem encara a militância enquanto algo maior que um hobby deve assumir a responsabilidade de lidar com as contradições, com os erros e com as escolhas táticas que empregamos.

No MES encontrei uma organização que supera, e muito, onde me encontrava no início de minha radicalização socialista. O centralismo democrático deve ser um exercício dialético para a atuação, não no caminho da abnegação e seitificação, mas no caminho do convencimento político através da reflexão coletiva sobre a nossa atuação. É bastante profícuo estar organizado e construir uma coletividade que busca a compreensão de nosso contexto histórico, que busca o afinamento na análise de conjuntura, a realização dos balanços – profundamente necessários – e que tenha a capacidade organizativa de formação de novos quadros.

Para mim, não é hora de aventureirismo, não é hora de construir organizações onde a direção se enrijece em seu núcleo fundador e se nega a formar novos quadros, que possam dar continuidade e substituí-los nos rumos da organização. É cômodo confiar nas mesmas unidades de pessoas, enquanto tem suas bases aderindo à ideologia de uma “organização perfeita”, incapaz de autocrítica, incapaz de realizar balanços de suas atividades e incapaz de formar quadros que se somem nas direções do partido. A burocratização, em certos casos, vence pela comodidade.

Meu teste na luta de classes passa pela construção ativa de um projeto socialista e revolucionário, alternativo à hegemonia lulopetista, empregando a agitação de massas, mais do que a agitação de um livro do Lênin ou Trotsky lidos de forma bíblica e irreflexiva. Neste sentido não poderia aderir ao comensalismo organizativo, minha posição é de disputa direta, de construção cotidiana e de mobilização qualificada e expansiva. Descrente do parlamento, mas não negligente, com atenção redobrada às pressões do capital, assim como é necessário também em outras estruturas, como sindicatos. Flexibilidade tática, rigidez nos princípios.

Revivi uma atuação com diversidade de pensamento e unidade de ação, criando confiança em uma militância que possui a mesma confiança na política coletiva. Nutro a liberdade de crítica enquanto princípio fundamental (ainda mais em nossa complexa conjuntura) para a construção revolucionária. Não temos todos os caminhos táticos prontos e dados, temos um horizonte em construção permanente e temos companhia para chegarmos lá, isso me basta no momento.

Estaremos (Juntos!) na fileira da frente do combate às ameaças fascistas, somando forças para que assumamos as tarefas de nosso período, que não tarda a findar uma fase da experiência da nossa classe.

Parafraseando Trotsky: A resolução da crise de direção revolucionária, de nossa crise civilizatória, só pode ser resolvida pela Quarta Internacional.

Saudações Revolucionárias camaradas do MES
Saudações Revolucionárias camaradas da Quarta Internacional


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin