A Decomposição do Sionismo – E o que Poderá Sucedê-lo

A Decomposição do Sionismo – E o que Poderá Sucedê-lo

Publicação de Trotsky em 1904 no jornal russo Iskra nº 56 criticando o Sionismo após seu VI Congresso na Basileia, chamando seu principal líder, Theodor Herzl, de “aventureiro sem vergonha” e criticando o Bund Russo pelo seu afastamento da política revolucionária

Leon Trotsky 27 nov 2023, 18:22

A recente tentativa de um estudante sionista russo de assassinar Max Nordau é mais um lembrete das disputas sionistas que eclodiram no congresso de Basileia realizado no último outono.

O congresso sionista mais recente[1] foi uma demonstração de impotência. Pessoas de todo o mundo  se reuniram para proclamar em voz alta: “Não fizemos nenhum avanço. Nos esgotamos. Esgotamos todos os fundos confiados aos nossos métodos de trabalho. E não vemos nada à frente. O Sultão acariciou Herzl[2] (mas quem notou isso?) e talvez ele o acaricie novamente – mas e então?”

Sim, e então? Uma resposta tinha que ser encontrada. O método de pensamento excluía uma resposta real, a psicologia do desespero sugeria uma ficção – uma lamentável e vazia. Herzl propôs bater à porta da África. Claro, Herzl se encarregará da questão das relações com Chamberlain ou Edward VII[3] – trata-se de possessões britânicas. Não é a primeira vez que lhe cabe interceder com os príncipes do mundo em nome do “seu” povo. Esse aventureiro sem vergonha ainda colheu aplausos entusiasmados no congresso de Basileia. No congresso, os representantes do “povo judeu” não conseguiram encontrar nem uma mão para erguer um chicote de indignação sobre a cabeça dessa figura repulsiva… Apenas os soluços histéricos dos românticos de Sião ecoaram na câmara de reuniões em determinado momento – Herzl prometeu a Palestina, mas não a entregou.

Mas o “líder” não renunciou à Palestina. Sua incursão na África foi apenas uma distração militar (ou, mais precisamente, comercial). Eis o tipo de “imaginação” usada por Herzl para defender seus planos políticos dos ataques dos cavaleiros desgastados do “puro” sionismo: “Vamos supor”, ele escreve em “Die Welt”[4] após o congresso, “que eu queira adquirir uma casa para mim, mesmo que não seja a minha ancestral, que tenha passado para mãos alienígenas, então certamente não confiaria apenas na bondade do proprietário atual. Talvez eu lhe faça uma proposta direta (Herzl parte para encontrar o Sultão). Mas se ele não concordar com isso, se ele permanecer inflexível (como sabemos, o Sultão se mostrou hospitaleiro, mas “inflexível”), então, talvez, em certo momento, eu anuncie que estou desistindo do negócio. Escolherei uma casa nas proximidades, ou até mesmo em uma rua a certa distância (uma alusão à África), e conduzirei negociações sérias sobre isso… E assim por diante,” – o líder acrescenta de forma enfática e então fica em silêncio. Você entende o quão diabolicamente astuto é esse plano? Você finge que está comprando uma pátria em uma rua distante, usa supostas “negociações sérias” para amortecer a vigilância do Sultão e depois… e depois você extrai a Palestina dele e a apresenta ao povo judeu. Apenas uma coisa em tudo isso nos perturba: e se o artigo de Herzl fosse traduzido para o turco e apresentado ao Sultão? De fato, ele também pode adivinhar que tipo de armadilha infernal está escondida por trás das palavras “e assim por diante”.

Como você pode ver, é impossível ir além disso em um descarado roubo “diplomático”. Mas também é impossível manter o sionismo vivo por mais tempo por meio de parábolas tão grosseiras.

O sionismo esgotou sua miserável substância, e o congresso de Basileia, repetimos, foi uma demonstração de sua decomposição e impotência. Herzl ainda pode indagar sobre o preço de tal ou qual “terra natal” por algum tempo, dezenas de intrigantes e centenas de simplórios ainda podem continuar a apoiar suas aventuras, mas o sionismo como movimento já está condenado à perda de todos os seus direitos – a um futuro. Isso é claro como o dia.

A mesma conclusão foi alcançada pelo autor do panfleto “O VI Congresso Sionista em Basileia”, publicado pelo Bund. “A liquidação do sionismo começou.” Isso é incontestável. Mas quem obterá sua clientela? Em outras palavras: Em que direções se dispersarão os elementos sociais que dele se alimentavam? “Debaixo dele (sionismo),” diz o autor, “estão ocultos interesses perfeitamente reais de certas camadas, e enquanto esses interesses existirem, o movimento não desaparecerá sem deixar para trás um sucessor… Haverá novos inimigos, haverá uma nova luta.” Mas quem será esse sucessor? Claro, a decomposição do sionismo ocorrerá em conjunto com o desmembramento político desse conglomerado de estratos sociais que constitui esse “partido”. Neste caso, o que nos interessa é o destino futuro da ala esquerda sionista, que é composta por representantes intelectuais e semi-intelectuais da democracia burguesa.

Desiludidos com o sionismo e, assim, perdendo a fé no êxodo do Egito da Zona de Assentamento Judeu na Rússia por meio da “política” de fugir de sua morada sombria; impelidos à oposição pela bota da repressão autocrática-policial; forçados a métodos ilegais de autodefesa pelos acontecimentos de Kishinev e Gomel praticados pelo governo – a antiga ala esquerda do sionismo inevitavelmente se moverá para as fileiras revolucionárias. A posição nacional contemporânea do Bund, ao se separar do partido, facilitará esse processo. O exército do Bund será reforçado por aqueles que o autor citado há algumas linhas atrás deseja, por algum motivo, ver como “futuros inimigos”. Mas por que? Eles podem até se tornar bons amigos. E, falando de maneira geral, nada é mais desejável do que transformar um inimigo em amigo. Resta apenas fazer a pergunta: O Bund é capaz de assimilar sem dor a ala democrática de sionistas desiludidos? E tememos que seja impossível dar uma resposta positiva a esta pergunta fundamental.

Já foi apontado em mais de uma ocasião que tendências nacionalistas penetraram no Bund a partir das esferas burguesas do sionismo. Mas tal afirmação pode parecer absurda. Não foram os publicistas do Bund que expuseram o caráter reacionário do sionismo? O Bund não está conduzindo uma luta sem limites contra essa corrente? O nome do Bund não provoca acessos de loucura em nossos bons sionistas? Tudo isso é absolutamente verdadeiro. Mas o que importa é que é precisamente a lógica interna dessa luta com o sionismo que introduziu um conteúdo nacionalista na agitação política do Bund. Com mais frequência do que nunca, a luta política é simultaneamente uma competição política, na qual muito se aprende com o inimigo. Encontrando-se em uma atmosfera de sentimentos nacionais exacerbados, tendo a autocracia à sua frente e o sionismo atrás, o Bund teve que enfatizar que representava os verdadeiros interesses nacionais das massas judaicas. Ao adotar essa posição, mostrou-se incapaz de estabelecer a relação correta entre os momentos nacionais e de classe. Aqui, o destino trágico de nosso partido após 1898 pesou sobre o destino específico do Bund. O isolamento organizacional do Bund direcionou a energia revolucionária de seus trabalhadores para canais estreitos e limitou impiedosamente – visivelmente, por um longo tempo – o horizonte político de seus líderes.

“Quanto menor o número de indivíduos participando de um determinado movimento social, menor é o grau em que esse movimento é um movimento de massa – então menos proeminentes são os aspectos gerais e naturalmente determinados, e mais dominantes são os aspectos aleatórios e particulares” (Kautsky, “Soc. Revolution”). O partido proletário só pode se definir de acordo com um panorama político, ou seja, de Estado. Somente nesse caso os “aspectos gerais e naturalmente determinados”, ou seja, os princípios da social-democracia, se incorporam às bases do movimento. Mas a esfera de atividade do Bund não é caracterizada por uma identificação estatal, mas sim por uma identificação nacional. “O Bund é a organização do proletariado judeu” – na época do primeiro congresso, essa posição não tinha um significado político, mas sim um significado técnico (no sentido amplo da palavra). O Bund era a organização partidária adaptada para trabalhar nos lugares onde a maioria da população fala a língua judaica. Com a “conivência” do partido – que, em virtude de sua fragmentação, muitas vezes desempenhava o papel de uma ficção cerimonial – o “aleatório” ou o “particular” passou a dominar sobre o “geral” e “naturalmente determinado”. Esse fato organizacional-técnico chegou ao nível de uma “teoria” nacional-política. Como é bem sabido, o quinto congresso do Bund[5], que antecedeu o segundo congresso do partido, propôs uma nova tese: “O Bund é a organização social-democrata do proletariado judeu, sem restrições em suas atividades por quaisquer fronteiras regionais, e junta-se ao partido como seu único representante.” Foi assim que o conflito entre o particular e o geral foi resolvido dentro do Bund. Se, pelo menos em intenção, o Bund anteriormente era representante do partido social-democrata no proletariado judeu, agora transformou-se no representante dos interesses do proletariado judeu, apresentando-os ao partido social-democrata. E mais ainda. “Falar em nome de todo o proletariado de uma determinada região em que, além de outras organizações pertencentes ao partido, o Bund também está ativo, é permitido apenas com a participação deste último.” Tudo foi virado de cabeça para baixo: o ponto de vista de classe foi subordinado ao nacional; o partido foi colocado sob o controle do Bund; e o geral ficou em segundo plano em relação ao particular.

A saída do Bund do partido é a etapa final e o resultado dessa evolução de cinco anos. E, por sua vez, o fato da completa separação “oficial” do Bund inevitavelmente serve como ponto de partida para o desenvolvimento adicional do Bund na direção do nacionalismo. Dizemos: inevitável, porque sobre a boa vontade dos líderes do Bund pesa a má vontade de sua posição nacional-política. O fato de a saída do Bund do partido coincidir com o momento da crise fatal no sionismo é, por assim dizer, um presságio histórico. Ao se emancipar do controle do “geral” e do “naturalmente determinado”, o Bund abriu bem suas portas para o “particular”. Avaliado objetivamente, ele constitui agora um aparato organizado que não poderia ser mais adequado para desviar o proletariado judeu do caminho da social-democracia revolucionária para o caminho do nacionalismo democrático revolucionário. Claro, na consciência subjetiva do Bund, ainda são preservadas experiências social-democratas suficientes para combater tal desvio. Mas a lógica dos fatos é mais forte do que a inércia do pensamento. As conclusões que os líderes atuais do Bund se atrevem a fazer serão feitas amanhã por aqueles que os substituírem. Tendo estabelecido sua posição atual com base em um ponto de vista nacional, o Bund facilitou a transição para suas fileiras daqueles elementos cujo pensamento não é constrangido por tradições social-democratas. Eles chegarão – já estão a caminho – e removerão imperiosamente aqueles que lhes parecerem “doutrinários”. Claro, o Bund preservará sua fraseologia socialista por um longo tempo – assim como o PPS[6] tem preservado até o presente. Mas de forma alguma isso o impedirá – pelo contrário, ajudará – a cumprir aquela função política que o mesmo PPS desempenha com tanto sucesso, ou seja: a absorção dos interesses de classe do proletariado pelos interesses nacionalistas da democracia revolucionária. Sim, o publicista do Bund estava certo: o sionismo “não desaparecerá sem deixar para trás um sucessor”. Mas esse sucessor pode se revelar como Sindicato Geral Judaico do Trabalho na Lituânia, Polônia e Rússia.

Primeiramente publicado no “Iskra”, nº 56, 1º de janeiro de 1904.

As notas numeradas foram extraídas das Obras Completas de L. Trotsky de 1926, Volume 4, Moscou-Leningrado.

[1] Sionismo – Um movimento nacionalista da burguesia judaica com o objetivo de criar um estado judeu independente na Palestina. O primeiro congresso dos sionistas, que unificou todos os grupos palestinófilos anteriormente dispersos, foi aberto em 29 de agosto de 1897 em Basileia. Pela primeira vez, um programa dos sionistas foi elaborado neste congresso. Suas tarefas básicas foram definidas da seguinte forma:

“O sionismo busca criar um refúgio na Palestina assegurado por lei para o povo judeu. Para alcançar esse objetivo, o congresso recomenda: 1) estímulo apropriado da colonização da Palestina por judeus – agricultores, artesãos e trabalhadores; 2) a coesão e unidade de todos os judeus por meio de instituições gerais e locais com base em fundamentos legais; 3) o fortalecimento dos sentimentos nacionais judaicos e da autoconsciência popular; 4) passos preliminares para obter o acordo dos governos para a realização das tarefas do sionismo.”

O segundo congresso de Basileia ocorreu em 1898. Foi adotada uma resolução sobre a organização de um banco colonial judeu que financiaria o reassentamento em massa de judeus na Palestina. O terceiro congresso de Basileia, realizado em agosto de 1899, levantou a questão de assegurar o direito à colonização da Palestina. O direito à colonização deveria ser obtido do sultão turco, pois a Palestina pertencia ao Império Turco. Os quarto e quinto congressos declararam a necessidade de desenvolver e fortalecer os sentimentos nacionais nas massas do povo judeu, e colocaram o trabalho cultural entre os judeus em todos os estados no centro das atividades sionistas. Até o quarto congresso, qualquer tipo de trabalho entre judeus na diáspora era considerado indigno de um sionista. Tudo tinha que ser subordinado à única ideia de Sião. No sexto congresso de Basileia (1903), o líder do sionismo, Herzl, desesperado com a possibilidade de colonizar a Palestina, propôs substituir a Palestina pela Uganda (na África Oriental). Essa proposta encontrou vigorosos protestos dos apoiadores do território palestino e dividiu o congresso em dois campos.

A questão de Uganda foi remetida para consideração de uma comissão especialmente eleita. No sétimo congresso (1905), ela se opôs ao plano de colonizar Uganda. Após uma longa luta, o congresso adotou uma resolução sobre a necessidade de aderir estritamente ao primeiro programa de Basileia, que reconhecia a Palestina como o único território adequado para a criação de um estado judeu. A decomposição interna do sionismo, que se manifestou tão claramente no sexto congresso, continuou desde então.

Em determinado momento, o sionismo era difundido nas massas judaicas na Rússia, especialmente no meio da pequena burguesia, comerciantes, artesãos, etc. A Revolução de Outubro resolveu a questão nacional de uma vez por todas e privou o sionismo de qualquer influência na Rússia.

Uma seção da burguesia judaica, tendo se estabelecido na Palestina, formou um “estado independente” lá, sob a proteção da Inglaterra.

[2] Herzl, Theodor (1860-1904) – o reconhecido líder do sionismo. Em sua juventude, ele se envolveu em atividades literárias. O caso Dreyfus e o crescente movimento antissemita chamaram sua atenção para a questão judaica. Em 1896, ele publicou seu livro “O Estado Judeu”, no qual argumentava que a criação de um estado judeu independente na Palestina era a única maneira de estabelecer condições normais de vida para as massas judaicas. Pouco depois da publicação deste livro, Herzl fez contatos com grupos de estudantes palestinófilos já existentes e, em 1898, convocou o primeiro congresso em Basileia, que constituiu o início organizacional do sionismo. A partir desse momento, Herzl conduziu uma campanha enérgica por suas ideias sionistas. Ele visitou os líderes dos principais governos europeus e conduziu negociações com eles sobre o reassentamento de judeus na Palestina. Herzl visitou o Sultão Turco várias vezes, buscando concessões em relação à colonização da Palestina. Ao encontrar fracasso nessas negociações, ele renunciou à ideia de um território palestino e tentou substituir a Palestina pela Uganda (na África Oriental). Mas o projeto de colonizar a Uganda provocou forte oposição dos palestinófilos no sexto congresso sionista. No final de sua vida, Herzl começou a reconhecer a natureza utópica de sua ideia de reassentamento em massa de judeus e a criação artificial de um estado judeu. Sob sua liderança, o sionismo deslocou o centro de gravidade de seu trabalho para o desenvolvimento e fortalecimento de sentimentos estreitamente nacionalistas no povo judeu.

[3] Chamberlain, Joseph (1836-1914) – Um dos representantes mais proeminentes do imperialismo inglês. Membro do partido radical e um de seus líderes até 1885. De 1880 a 1885, foi Ministro do Comércio no ministério liberal de Gladstone. Quando os liberais se dividiram entre apoiadores de políticas imperialistas e protecionismo e apoiadores do livre comércio, Chamberlain apoiou os primeiros. Em 1885, após desentendimentos com Gladstone sobre a questão do “Home Rule” (ou seja, sobre conceder à Irlanda seu próprio parlamento e amplo grau de autogoverno local), ele deixou o ministério e o partido radical. Pouco depois, tornou-se líder do liberal-unionist party (um partido nacionalista do grande capital) como porta-voz da política do imperialismo inglês. No final da década de 1890, Chamberlain foi nomeado Ministro das Colônias e permaneceu no cargo até 1905. Essa nomeação sinalizou a entrada da Inglaterra no caminho do imperialismo ativo. Um fervoroso defensor da expansão imperialista e o primeiro Ministro das Colônias da Inglaterra após sua entrada final no caminho da política imperialista, Chamberlain recebeu o merecido apelido de pai do imperialismo inglês.

Edward VII – Rei da Inglaterra, ascendeu ao trono em 1901 e morreu em 1910.

[4] Die Welt” – Órgão de imprensa central dos sionistas, publicado em alemão em Berlim.

[5] V Congresso do Bund – Ocorreu em junho de 1903. Tendo encerrado decisivamente os remanescentes mais visíveis do economicismo e dos desvios terroristas dos Socialistas Revolucionários, organização russa, nas fileiras do Bund, o V congresso teve discussões especialmente acaloradas sobre questões de caráter nacional. As demandas pela completa autonomia do Bund, como único representante do proletariado judeu, predominaram no congresso. O congresso tomou uma decisão que, dada a grande quantidade de interesse que atraiu, reproduzimos na íntegra:

“1. A posição do Bund no partido é definida pelos seguintes pontos:

2. O Bund é a organização social-democrata do proletariado judeu, sem restrições em suas atividades por quaisquer fronteiras regionais, e se une ao partido como seu único representante.

3. O Bund elege sua representação no Comitê Central, no Comitê no Exterior e nos congressos do partido. A forma de representação deve ser baseada nos mesmos princípios para todas as seções do partido.

4. O programa geral do partido é o programa do Bund.

5. O Bund tem seus próprios congressos, para resolver todas as questões que dizem respeito especialmente ao proletariado judeu, seu próprio Comitê Central e seu próprio Comitê no Exterior.

6. O Bund goza de liberdade para lidar com assuntos relacionados à sua organização.

7. O Bund tem o direito de publicação sem restrições, além da literatura na língua judaica e literatura em outras línguas.

8. O congresso do partido tem o direito de revogar todas as resoluções dos congressos do Bund.

9. Em casos de necessidade, o CC do partido tem o direito de se envolver com partes separadas do Bund, mas apenas com a participação do CC do Bund.

10. Todos esses pontos são considerados como fundamentais e podem ser modificados, complementados ou revogados apenas com o acordo mútuo das seções do partido.

Nota: Organizações locais e regionais não são reconhecidas, neste aspecto, como partes separadas do partido.”

As exigências do Bund encontraram uma resposta negativa no II congresso do POSDR. O Bund deixou o partido e continuou a existir separadamente do POSDR.

[6] Polish Socialist Party (PPS), Partido Socialista Polonês – Foi fundado em 1892. Embora naquela época já existisse um movimento operário de massa na Polônia, ele reunia principalmente grupos da intelligentsia e da pequena burguesia. O objetivo principal e pilar básico do programa do PPS era a luta pela independência nacional da Polônia; o alcance dessa independência foi declarado pelo partido como o objetivo imediato mais importante do movimento operário polonês. Esse slogan social-patriótico foi resolutamente contestado por Rosa Luxemburgo, que argumentava que a independência de um território não é uma condição praticamente necessária para o sucesso da luta revolucionária. Em 1906, a ala esquerda – “levitsa” – se separou do PPS. Em 1918, após se fundir com o Partido Social-Democrata da Polônia, formou o Partido Comunista Polonês.

Após a separação, o núcleo duro do PPS gradualmente degenerou-se em um partido chauvinista pequeno-burguês. Hoje, o PPS é o principal sustentáculo da ditadura burguesa na Polônia e conduz uma luta frenética contra o movimento comunista do proletariado polonês.


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin