Carta ucraniana de solidariedade ao povo palestino
imgonline-com-ua-resize-mzgmc6rzjt8gv0t_large

Carta ucraniana de solidariedade ao povo palestino

Leia a declaração de dezenas de ucranianos e ucranianas em defesa da Palestina

Vários Autores 8 nov 2023, 11:49

Via Commons

Nós, pesquisadores, artistas, ativistas políticos e sindicais ucranianos e membros da sociedade civil, nos solidarizamos com o povo da Palestina que, por 75 anos, tem suportado e resistido à ocupação militar israelense, à separação, à violência colonial, à limpeza étnica, à desapropriação de terras e ao apartheid. Escrevemos esta carta de povo para povo. O discurso dominante em nível governamental e até mesmo entre os grupos de solidariedade que apoiam as lutas de ucranianos e palestinos geralmente cria separações. Com esta carta, rejeitamos essas divisões e afirmamos nossa solidariedade a todas as pessoas oprimidas e aos combatentes da liberdade.

Como ativistas comprometidos com a liberdade, os direitos humanos, a democracia e a justiça social, e reconhecendo plenamente as diferenças de poder, condenamos veementemente os ataques a civis, sejam eles israelenses atacados pelo Hamas ou palestinos atacados pelas forças de ocupação israelenses e gangues de colonos armados. Alvejar deliberadamente civis é um crime de guerra. No entanto, isso não justifica a punição coletiva do povo palestino, a identificação de todos os residentes de Gaza com o Hamas e o uso indiscriminado do termo terrorismo aplicado a toda a resistência palestina. Tampouco justifica a continuação da ocupação. Fazendo eco a várias resoluções da ONU, sabemos que não haverá paz duradoura sem justiça para o povo palestino.

Em 7 de outubro, testemunhamos a violência do Hamas contra civis em Israel, um evento que muitos agora usam para demonizar e desumanizar a resistência palestina como um todo. O Hamas, uma organização islâmica reacionária, deve ser visto em um contexto histórico mais amplo e na usurpação de terras palestinas por Israel durante décadas, muito antes do surgimento da organização no final da década de 1980. Durante a Nakba (catástrofe) de 1948, mais de 700.000 palestinos foram brutalmente expulsos de suas casas e vilas inteiras foram massacradas e destruídas. Desde sua criação, Israel nunca parou de buscar sua expansão colonial. Os palestinos foram forçados ao exílio, fragmentados e administrados sob diferentes regimes. Alguns deles são cidadãos israelenses, vítimas de discriminação estrutural e racismo. Os que vivem na Cisjordânia ocupada estão sujeitos ao apartheid sob décadas de controle militar israelense. Os que vivem na Faixa de Gaza sofrem com o bloqueio imposto por Israel desde 2006, que restringe o movimento de pessoas e mercadorias, levando ao aumento da pobreza e da privação.

Desde 7 de outubro e até o momento em que este artigo foi escrito, mais de 8.500 pessoas foram mortas na Faixa de Gaza. Mulheres e crianças são responsáveis por mais de 62% das mortes, enquanto mais de 21.048 pessoas ficaram feridas. Nos últimos dias, Israel bombardeou escolas, áreas residenciais, a Igreja Ortodoxa Grega e vários hospitais. Israel também cortou o fornecimento de água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza. Há uma grave escassez de alimentos e medicamentos, o que levou ao colapso total do sistema de saúde.

A maior parte da mídia ocidental e israelense justifica essas mortes como meros danos colaterais na luta contra o Hamas, mas permanece em silêncio quando se trata de civis palestinos alvejados e mortos na Cisjordânia ocupada. Somente desde o início de 2023, e antes de 7 de outubro, o número de mortos do lado palestino já chegou a 227. Desde 7 de outubro, 121 civis palestinos foram mortos na Cisjordânia ocupada. Mais de 10.000 prisioneiros políticos palestinos estão atualmente detidos em prisões israelenses. A paz e a justiça duradouras só são possíveis com o fim da ocupação atual. O povo palestino tem o direito à autodeterminação e à resistência contra a ocupação israelense, assim como os ucranianos têm o direito de resistir à invasão russa.

Nossa solidariedade nasce de um sentimento de raiva pela injustiça e de profunda tristeza pelos efeitos devastadores da ocupação, do bombardeio da infraestrutura civil e do bloqueio humanitário que sofremos em nosso país. Partes da Ucrânia estão ocupadas desde 2014 e a comunidade internacional não conseguiu impedir a agressão russa, ignorando a natureza imperial e colonial da violência armada, que se intensificou em 24 de fevereiro de 2022. Os civis ucranianos são bombardeados todos os dias, em suas casas, nos hospitais, nos pontos de ônibus, nas filas de pão. Como resultado da ocupação russa, milhares de pessoas na Ucrânia vivem sem acesso a água, eletricidade ou aquecimento, e são os grupos mais vulneráveis que são mais afetados pela destruição da infraestrutura essencial. Durante os meses de cerco e bombardeio intensivo em Mariupol, não havia nenhum corredor humanitário. Enquanto observamos o exército israelense atacar a infraestrutura civil em Gaza, o bloqueio humanitário israelense e a ocupação do território ressoam dolorosamente em nós. A partir desse lugar de dor, experiência e solidariedade, conclamamos nossos compatriotas ucranianos em todo o mundo e todos os povos a erguerem suas vozes em apoio ao povo palestino e condenarem a limpeza étnica israelense em massa em andamento.

Rejeitamos as declarações do governo ucraniano que expressam seu apoio incondicional às ações militares de Israel e consideramos que os apelos do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia para evitar vítimas civis são tardios e insuficientes. Essa postura é um retrocesso no apoio aos direitos palestinos e na condenação da ocupação israelense, que a Ucrânia acompanha há décadas, inclusive votando na ONU. Cientes do raciocínio geopolítico pragmático por trás da decisão da Ucrânia de fazer eco aos aliados ocidentais dos quais dependemos para nossa sobrevivência, acreditamos que o atual apoio a Israel e a rejeição do direito do povo palestino à autodeterminação estão em desacordo com o compromisso da própria Ucrânia com os direitos humanos e com a luta por nossa terra e liberdade. Como povo ucraniano, não devemos nos solidarizar com os opressores, mas com aqueles que sofrem e resistem à opressão.

Opomo-nos veementemente à equiparação, por parte de alguns políticos, da ajuda militar ocidental à Ucrânia e a Israel. A Ucrânia não está ocupando os territórios de outros povos, mas lutando contra a ocupação russa, portanto, a ajuda internacional serve a uma causa justa e à proteção do direito internacional. Israel ocupou e anexou territórios palestinos e sírios, e a ajuda ocidental a esse país confirma uma ordem injusta e demonstra dois pesos e duas medidas quando se trata do direito internacional.

Somos contra a nova onda de islamofobia, como o assassinato brutal de um menino americano palestino de 6 anos e o ataque à sua família em Illinois (EUA), e a equiparação de qualquer crítica a Israel ao antissemitismo. Ao mesmo tempo, nos opomos a responsabilizar todos os judeus do mundo pelas políticas do Estado de Israel e condenamos a violência antissemita, como o ataque da turba ao avião no Daguestão, Rússia. Também rejeitamos o ressurgimento da retórica da “guerra contra o terror” usada pelos Estados Unidos e pela União Europeia para justificar crimes de guerra e violações da lei internacional que minaram o sistema de segurança internacional, causaram inúmeras mortes e foram emprestadas por outros Estados, notadamente a Rússia pela guerra na Chechênia e a China pelo genocídio dos uigures. Hoje, Israel a utiliza para realizar uma limpeza étnica.

Apelo à ação

Pedimos a implementação do pedido de cessar-fogo na resolução da Assembleia Geral da ONU.

Pedimos ao governo israelense que cesse imediatamente os ataques a civis e forneça ajuda humanitária; insistimos no levantamento imediato e indefinido do cerco a Gaza e em uma operação de socorro urgente para restaurar a infraestrutura civil. Também pedimos ao governo israelense que acabe com a ocupação e reconheça o direito dos palestinos deslocados de retornar às suas terras.

Pedimos ao governo ucraniano que condene o uso do terror sancionado pelo Estado e o bloqueio humanitário contra a população civil de Gaza e que reafirme o direito do povo palestino à autodeterminação. Também pedimos ao governo ucraniano que condene os ataques deliberados contra a população palestina na Cisjordânia ocupada.

Pedimos à mídia internacional que pare de colocar palestinos e ucranianos uns contra os outros, onde hierarquias de sofrimento perpetuam a retórica racista e desumanizam aqueles que estão sendo atacados.

Vimos o mundo se unir em solidariedade ao povo ucraniano e pedimos a todos que façam o mesmo pelo povo palestino.

2 de novembro de 2023

Signatários:

Volodymyr Artiukh, pesquisador
Levon Azizian, advogado de direitos humanos
Diana Azzuz, artista, musicista
Taras Bilous, editor
Oksana Briukhovetska, artista, pesquisadora, Universidade de Michigan
Artem Chapeye, escritor
Valentyn Dolhochub, pesquisador, soldado
John-Paul Himka, professor emérito, Universidade de Alberta
Karina Al Khmuz, engenheira biomédica e programadora
Yuliia Kishchuk, pesquisadora
Amina Ktefan, influenciadora de moda, criadora digital
Svitlana Matviyenko, acadêmica de mídia, SFU; diretora associada do Institute for Digital Democracies
Maria Mayerchyk, acadêmica
Vitalii Pavliuk, escritor, tradutor
Sashko Protyah, cineasta, voluntário
Oleksiy Radynski, cineasta
Mykola Ridnyi, artista e cineasta
Daria Saburova, pesquisadora, ativista
Alexander Skyba, ativista trabalhista
Darya Tsymbalyuk, pesquisadora
Nelia Vakhovska, tradutora
Yuliya Yurchenko, pesquisadora, tradutora, ativista
Iryna Zamuruieva, pesquisadora ecofeminista, artista, gerente de projetos de política climática e fundiária
Alisha Andani, estudante de história da arte
Daša Anosova, curadora, pesquisadora, UCL SSEES
Lilya Badekha, ativista, culturologista, gerente de mídia social da Spilne Magazine
Anastasia Bobrova, pesquisadora
Anastasiia Bobrovska, DJ, ativista, consultora de estratégia digital
Mariana Bodnaruk, pesquisadora
Yuriy Boyko, pesquisador, assistente científico
Vladislava Chepurko
Daria Demia, artista
Olena Dmytryk, pesquisadora
Olha Dobrovolska, professora, pesquisadora cultural
Svitlana Dolbysheva, artista, cineasta
Hanna Dosenko, antropóloga
Vitalii Dudin, ativista da ONG “Sotsialnyi Rukh
Oksana Dutchak, socióloga
Nastya Dzyuban, coreógrafa e performer
Kateryna Farbar, jornalista
Taras Gembik, trabalhador cultural, co-organizador do SDK Slonecznik no Museu de Arte Moderna de Varsóvia
Anna Greszta, pesquisadora, cofundadora da Collect4Ukraine
Nataliya Gumenyuk, jornalista
Olenka Gu, socióloga
Tetiana Hanzha, documentarista
Andrii Hulianytskyi, pesquisador
Serhii Ishchenko, jornalista
Hanna Karpishena
Milena Khomchenko, curadora e escritora, editora-chefe do compêndio SONIAKH
Daria Khrystych, pesquisadora e ativista
Amira Khussein, gerente de negócios de moda
Kyrylo Klymenko, historiador
Lyuba Knorozok, produtora, diretora de documentários
Oleksandra Kokhan, pesquisadora
Vladyslav Kononok, gerente de projetos
Mariia Kosenko, tradutora
Olga Kostyrko, pesquisadora independente, ativista, editora
Iaroslav Kovalchuk, candidato a doutorado, historiador
Anna Kovtoniuk, desenvolvedora de software
Dmytro Kozak, candidato a doutorado, antropólogo
Ruslana Koziienko, candidata a doutorado, antropóloga social
Yustyna Kravchuk, trabalhadora cultural, tradutora
Yulia Krivich, artista, co-organizadora do SDK Slonecznik e do Museu de Arte Moderna de Varsóvia, bolsista de doutorado na Academia de Artes de Cracóvia, Polônia
Amir Ktefan, tradutor pessoal e palestrante
Olexii Kuchanskyi, pesquisador, programador de cinema
Veronika Kulak, estudante de economia empresarial
Yuliia Kulish, pesquisadora
Kateryna Lysovenko, artista
Kostiantyn Maleoniuk, ativista
Daryna Mamaisur, cineasta, artista visual, pesquisadora
Daniil Marchenko, entregador de bicicletas, cozinheiro
Anastasia Marusii, historiadora de arte
Mykyta Mikhalkov, estudante, voluntário
Andrii Myroshnychenko, gerente cultural e tradutor
Pavlo Molochko, sinalizador na AFoU
Andriy Movchan, publicitário
Serhii Movchan, ativista de esquerda, voluntário
Zarina Netovkina
Zhanna Ohanesian, pesquisadora, trabalhadora humanitária
Kateryna Olieshko, artista, ativista, produtora criativa
Olga Papash, pesquisadora, produtora, voluntária
Anton Parambul, soldado
Mariia Pastukh, ativista, chefe do coletivo de solidariedade da Ucrânia “Vsesvit”.
Valerii Petrov, criador de jogos
Julie Poly, artista
Mariia Ponomarova, diretora de cinema, produtora criativa
Zakhar Popovych, ativista
Nina Potarska, pesquisadora
Dariia Puhach, linguista de computador
Olha Pylypenko, diretora artística
Anna Rebrii, jornalista, estudante de doutorado, ativista
Maksym Romanenko, médico
Marta Romankiv, artista, pesquisadora, estudante de doutorado na Academia de Belas Artes de Gdansk
Betya Roytburd, artista, organizadora, curadora
Kseniia Rybak, pesquisadora
Bohdana Rybenchuk
Mariia Salan, artista
Abdula Sarkhan, artista digital
Yulia Serdyukova, produtora de filmes
Mariia Shynkarenko, pesquisadora
Maria Sonevytsky, professora, pesquisadora
Veronika Stancheva, psicóloga
Vladyslav Starodubtsev, historiador
Oleksandr Svitych, pesquisador
Olena Syrbu, pesquisadora, trabalhadora cultural
Nast’ey Teor, artista gráfico e designer
Natasha Tseliuba, feminista, ativista, artista, curadora
Dra. Nataliya Tchermalykh, Universidade de Genebra
Marharyta Tokarieva, pesquisadora, cineasta
Leo Trotsenko, artista
Vyacheslav Tsyba, filósofo, tradutor, editor
Elen Udud

Tetiana Usova, tradutora, cineasta
Kateryna Volochniuk, pesquisadora
Valeriia Voronova, influenciadora de moda, criadora digital, designer de interiores
Bogdana Yakovenko, fotógrafa, ativista, voluntária
Mariana Yaremchyshyna, trabalhadora cultural, ativista
Aisha Yusupova, psicóloga, artista criativa
Fattukh Zhalal, estudante de relações econômicas internacionais
Roma Zimenko, trabalhadora humanitária
Yevheniia Stepko, editora
Oksana Karpovych, cineasta
Rita Adel, analista de pesquisa
Olena Martynchuk, antropóloga cultural
Kris Maslyuk, estudante
Oleksandra Hryhorenko, tradutora
Arsenii Kniazkov, pesquisador de filmes
Olena Mykhaylova, pesquisadora
Islam Dabank, poeta e gerente de negócios
Diana Khalilova. Artista, gerente cultural
Sylvestr Kozurak, artista
Vitalii Zalozetskyi, filósofo
Denys Gorbach, pesquisador social
Mykhaylo Maliarenko, militar
Alexandra Paul Zotov, museu
Tasha Gnatenko
Ira Tantsiura, ativista, pesquisador
Oleksandra Chernomashyntseva, voluntária, cenógrafa
Ostap Bohoslavets, pesquisador
Anton Karyuk, artista
Tania Banakh, historiadora
babych kateryna, ativista
Stepan Bilousov, estudante
Iryna Tsiuk, revisora de textos
Mila Teshaieva, fotógrafa, diretora de cinema,
Oleksiy Godz, arquiteto
Mariia Goubernik, psicoterapeuta, ativista
xenia mil’ushkina, ativista, influenciadora on-line
Anna Zakharchenko, estudante
Alyssa Naryzhny
Marta Iwanek, fotógrafa, cineasta
Anna Lykhohliad, pesquisadora

Tetiana Usova, tradutora, cineasta
Kateryna Volochniuk, pesquisadora
Valeriia Voronova, influenciadora de moda, criadora digital, designer de interiores
Bogdana Yakovenko, fotógrafa, ativista, voluntária
Mariana Yaremchyshyna, trabalhadora cultural, ativista
Aisha Yusupova, psicóloga, artista criativa
Fattukh Zhalal, estudante de relações econômicas internacionais
Roma Zimenko, trabalhadora humanitária
Yevheniia Stepko, editora
Oksana Karpovych, cineasta
Rita Adel, analista de pesquisa
Olena Martynchuk, antropóloga cultural
Kris Maslyuk, estudante
Oleksandra Hryhorenko, tradutora
Arsenii Kniazkov, pesquisador de filmes
Olena Mykhaylova, pesquisadora
Islam Dabank, poeta e gerente de negócios
Diana Khalilova. Artista, gerente cultural
Sylvestr Kozurak, artista
Vitalii Zalozetskyi, filósofo
Denys Gorbach, pesquisador social
Mykhaylo Maliarenko, militar
Alexandra Paul Zotov, museu
Tasha Gnatenko
Ira Tantsiura, ativista, pesquisador
Oleksandra Chernomashyntseva, voluntária, cenógrafa
Ostap Bohoslavets, pesquisador
Anton Karyuk, artista
Tania Banakh, historiadora
babych kateryna, ativista
Stepan Bilousov, estudante
Iryna Tsiuk, revisora de textos
Mila Teshaieva, fotógrafa, diretora de cinema,
Oleksiy Godz, arquiteto
Mariia Goubernik, psicoterapeuta, ativista
xenia mil’ushkina, ativista, influenciadora on-line
Anna Zakharchenko, estudante
Alyssa Naryzhny
Marta Iwanek, fotógrafa, cineasta
Anna Lykhohliad, pesquisadora


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin