Eleições do SINDIMETRÔ/RS | Vitória da concepção classista e independente!
Foto-da-vitoria

Eleições do SINDIMETRÔ/RS | Vitória da concepção classista e independente!

Trabalhadores e trabalhadoras do metrô gaúcho dão exemplo de combatividade nas eleições do sindicato

Etevaldo Souza Teixeira 15 nov 2023, 10:11

A Chapa 1 União e Luta para Avançar venceu as eleições do sindicato dos metroviári@s do Rio Grande do Sul com 56,26% contra 43,73 votos da Chapa 2 Frente Ampla. A categoria manteve o projeto de luta que tem como programa: defesa da Trensurb pública e estatal; avançar na democracia; transparência financeira; independência do sindicato frente ao governo e aos patrões; solidariedade e apoio a todas lutas da classe trabalhadora.

Assim a Chapa 1 agradece a categoria:

VITÓRIA!

O resultado da nossa luta, empenho e compromisso com a categoria metroviária se refletiu nas urnas: Vitória da Chapa 1!

Seguiremos ainda mais mobilizad@s e fortalecid@s com uma certeza: a nossa defesa incansável por uma Trensurb pública, estatal e de qualidade.

Aos trabalhadores e trabalhadoras da Trensurb, nosso agradecimento por escolherem uma gestão independente de governo e de patrões para o Sindimetrô RS.

Para construir o nosso futuro, dependemos do empenho não só de parte, mas de toda a categoria para conquistarmos avanços coletivos!

Duas concepções se enfrentaram: um sindicato independente versus um sindicato atrelado

A concepção vencedora da Chapa 1 União e Luta para Avançar, liderada pelo Luis Henrique Chagas, teve apoio do SINDISAÚDE/RS, ASERGHC, por militantes do MES/PSOL do Sindicato dos Municipários e da juventude JUNTOS. A concepção é de um sindicalismo classista que desenvolve sua luta através da mobilização independente e autônoma para defender os interesses da categoria. A gestão do sindicato representada na Chapa 1 esteve na vanguarda nas campanhas para derrotar Bolsonaro e, para tanto não mediu esforços em unidade com outros sindicatos e, em particular com o SINDISAÚDE. Neste processo exigiu do candidato e atual Presidente da República Lula, o compromisso de não privatizar a Trensurb. Esse “compromisso” está sendo quebrado.

Vejamos: Em audiência o Ministro da Casa Civil Rui Costa foi demagogo ao informar que retiraria a empresa do Plano Nacional de Privatização (PND). Esta audiência teve a presença das deputadas federais Fernanda Melchionna (PSOL), Daiana Santos (PCdoB), Maria do Rosário (PT) e Reginete Bispo (PT), e os deputados Elvino Bohn Gass (PT), Alexandre Lindernmeyer (PT) e Marcon (PT). Entretanto, a retirada da Trensurb não se efetivou. O sindicato não se acomodou e foi a Brasília para uma audiência pública convocada pela Deputada Fernanda Melchionna. Neste evento o ministério da casa civil não compareceu, e para surpresa da categoria, nenhum dos deputados do PT se fizeram presentes ou representados. Por sua vez, o Ministério das Cidades (Jader Barbalho Filho – MDB) enviou representante para justificar a manutenção da TRENSURB no estudo do BNDES para a possibilidade de concessão. Portanto a luta continua contra qualquer forma de privatização, seja concessão ou seja parceria pública privada. Os metroviári@s majoritariamente entenderam que o sindicato deve ser independente do governo e da gestão. Dessa forma construir sua própria mobilização autônoma e que seja eficaz para derrotar o projeto neoliberal privatista.

Por sua vez, a Chapa 2 da Frente Ampla, apoiada pela CUT – material e politicamente – representava a gestão da empresa e, sem qualquer crítica ao governo que mantem a empresa na lista do PND. As propostas de campanha se mantêm dentro dos marcos das reivindicações específicas que são comuns a toda categoria, desde melhoria nas condições de trabalho e salário. A concepção acrítica à gestão foi nítida, pois tinham os FG’s adesivados e atuando como verdadeiros cabos eleitorais nos locais de trabalho. Isso demonstrava de forma flagrante o atrelamento que viria numa gestão no sindicato. Porém a categoria, em sua maioria, não se intimidou e escolheu um sindicato que não seja correia de transmissão de políticas do governo e nem um sindicato subordinado aos interesses dos gestores.

A categoria pode contar com dedicação e trabalho da direção eleita

O maior desafio após a eleição será unir e mobilizar a categoria em torno da defesa da Trensub pública. Passado o processo eleitoral sindical os novos dirigentes já apontam o caminho e o espirito que vai vigorar. Vejam o que disse a vice-presidente Ana Paula Almada: Contem com minha dedicação e empenho! Nossa luta é grande e pesada, precisamos nos esforçar! E complementada por Keity Goularte: Só queria dizer que agora o trabalho começa de verdade! O Secretário Geral Vinícius faz um balanço e aponta o caminho: o trabalho foi recompensado, conseguimos derrotar a direção da empresa nessa eleição, foram dias de muito trabalho, muita luta e prometo a todos que serão 3 anos de muita dedicação. Esse é o sentimento e a vontade do grupo que se formou em torno da Chapa 1 União e Luta para Avançar.

Os números por setor de trabalho

A Chapa 1 União e Luta para Avançar venceu na administração e manutenção por uma larga vantagem com aproximadamente mais de 50 votos em cada uma das urnas. Venceu no SEOPE (setor de operações) por muito pouco, o que mostrou a divisão da categoria. A Chapa 2 Frente Ampla venceu no SETRA (pilotos) com uma diferença de mais de 20 votos. Também, é necessário levar em consideração que o Chagas está conquistando seu quarto mandato no comando do sindicato. A categoria precisa de um plano político e organizativo em que leve em conta o empenho de todos no processo de mobilização e, com isto fortaleça a formação dos novos dirigentes.

A leitura do resultado demonstra a necessidade de unir a categoria. A Chapa 1 União e Luta para Avançar entendeu claramente e, assim resume: Para construir o nosso futuro, dependemos do empenho não só de parte, mas de toda a categoria para conquistarmos avanços coletivos!

Avançar na unidade da categoria com participação da base, ampliando os fóruns e valorizando a organização por local de trabalho serão os caminhos a serem perseguidos.

A vitória foi muito importante e deve ser valorizada, pois se enfrentou a estrutura de cargos de confiança da empresa indicados pelo PT e o apoio da CUT. Agora, é hora de exigir da direção da empresa e da CUT para que sejam consequentes na defesa da Trensurb pública e estatal. O SINDIMETRÔ deverá realizar um plano de lutas para enfrentar a assombração da privatização. Para tanto, é necessário reverter a terceirização, pois são estes setores (privados) que fragilizam a empresa.

Um episódio que deve ser repudiado

A Maria Silveira, metroviária, representante na Comissão Eleitoral do SINDIMETRÔ foi colocada num episódio constrangedor e abominável. Ela durante o processo eleitoral foi abordada de forma autoritária, machista e opressora por um experiente mesário da CUT. Ele afirmou que ela não deveria fazer parte da comissão porque estava na atual gestão. Maria explicou que fora eleita em assembleia e não estava concorrendo à reeleição por nenhuma das chapas. No entanto, o mesário não ficou satisfeito com a resposta e levou o “suposto problema” para o conjunto da comissão eleitoral. Em outras palavras, não reconheceu a explicação e os argumentos da Maria, que tinha os mesmos atributos de toda comissão eleitoral. Portanto, ficou demonstrado o desrespeito com uma mulher, negra e jovem, que representava a comissão e que já lhe havia oferecido explicações. Ademais, o questionamento não deveria ser realizado por nenhum mesário, que sequer eram da categoria. Maria lhe respondeu por educação. Portanto, condenamos e repudiamos o ato realizado pelo militante da CUT. Deixamos aqui registrado toda nossa solidariedade à Maria Silveira, nossa companheira Mariazinha!


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.