Monica Seixas entra na justiça contra Enel
monica

Monica Seixas entra na justiça contra Enel

A deputada estadual do Movimento Pretas do PSOL entrou com uma representação no MP e outra no TCE pela rescisão contratual do contrato com a Enel

Dani Ribeiro 8 nov 2023, 09:00

A deputada Monica Seixas, do Movimento Pretas do PSOL, entrou com uma representação no Ministério Público (MP) e outra no Tribunal de Contas do Estado (TCE)  contra a Enel Brasil SA. O estado de São Paulo foi atingido por um forte vendaval na última sexta-feira (3), com rajadas de vento que ultrapassaram os 100 km/h. Além das trágicas mortes, quedas de árvore, alagamentos e desmoronamentos, ao menos 2,1 milhões de pessoas ficaram sem energia. Os canais de atendimento da Enel, empresa privada responsável pelo fornecimento de energia no estado, não funcionaram e a regularização dos serviços ainda não ocorreu totalmente.  

Desde que a privatização foi feita, pouco investimento foi realizado. Os preços das tarifas aumentaram, o canal com o consumidor foi restrito e houve um corte de funcionários de 36% dos empregados desde 2019. 

“A Enel acumula desassistência, lentidão e descaso nesses dias sem energia. Esses fenômenos climáticos serão cada vez mais frequentes. Onde estão os investimentos para evitar danos à população? A Enel não cumpre o contrato e por isso vamos à justiça. As pessoas não podem ficar desassistidas dessa forma. A revolta popular só aumenta”, afirma Monica Seixas.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.