Os dias mais quentes de nossas vidas
IMG_3020

Os dias mais quentes de nossas vidas

Antes que seja tarde, é hora da luta

Israel Dutra 21 nov 2023, 13:27

Não houve escapatória. Quem estava no Brasil nos últimos dias não teve outra opção que não sobreviver à onda de calor. Temperaturas altíssimas, como nunca se viu, assolaram inúmeras regiões, particularmente no Sudeste e no Centro-Oeste, com fortes repercussões em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Ao mesmo tempo, seguem temporais devastadores no Sul do Brasil. A força do mar em Santa Catarian chegou a ser qualificada como um pequeno “tsunami”. As duas consequências mais imediatas são as mortes e a alteração qualitativa do modo de vida; ambas atingem em cheio e de forma desigual os mais pobres e vulneráveis. 

A morte de uma fã de Taylor Swift, em um show com sensação térmica de mais de 50 graus no estádio Engenhão, no Rio de Janeiro, comoveu o país e as redes sociais. Uma tragédia diretamente ligada à crise climática. A jovem Ana Clara Benevides faleceu por conta de hemorragias decorrentes de “calor, insolação e desidratação”, segundo o laudo médico. O show no dia seguinte foi cancelado devido às altas temperaturas. 

A era da “fervura global” veio para ficar. Nas útimas semanas, milhões de brasileiros chegaram a essa tétrica conclusão. Cabe à esquerda entender, dialogar e se posicionar diante da nova realidade. 

Um novo normal no Brasil

50 graus como sensação térmica e 40 graus nos termômetros: as temperaturas bateram recordes. O sofrimento de milhões de brasileiros não deve ser passageiro. Há um “novo normal”: três capitais do Sudeste brasileiro, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo, tiveram suas mais altas temperaturas registradas em um novembro, nas últimas semanas. Esse “novo normal” combina temperaturas altas, tempestades e queimadas como as que vimos no Pantanal. Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná tiveram tempesteades que causaram transtornos, mortes e milhares de desabrigados. Os estados amazônicos ainda sofrem com uma seca sem precendentes. 

Quais são as causas imediatas para tamanho descalabro climático? A onda de calor é resultado direto do aquecimento global – ou fervura global – que aumentou muito as temperaturas em várias partes do mundo. O caso brasileiro envolve o El Niño, fenômeno climático que atinge o Oceano Pacíficio, com previsão para durar até o próximo semestre. A ciência explica que o aquecimento global é causado pelos gases de efeito estufa – dentre os quais o mais importante é o gás carbônico -, que retêm o calor do nosso Sol na atmosfera e são liberados na queima dos chamados combustíveis fosseis, como o carvão e petróleo, gerando alterações climáticas.

Às vésperas da COP28, o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) afirmou que o mundo está a caminho de um infernal aumento de 3° de aquecimento global, segundo informação do jornal The Guardian. Por sua vez, os cientistas do observatório europeu Copernicus anunciaram que 2023 deve terminar como o ano mais quente em 125 mil anos. Trata-se de um dado assustador. 

O calor não é igual para todos

Thiago Amparo, colunista da Folha de S. Paulo, apresentou uma definição “essencial”: o calor tem cor e classe. Os bairros nobres com mais condições de acessar serviços e recursos podem melhor se “defender” do calor insuportável em comparação com quem depende de conduções lotadas e sem ar-condicionado, para ficarmos num exemplo elementar. Se vamos puxando o “fio” das contradições, podemos assinalar situações ainda mais graves: as escolas públicas viraram fornos, com crianças e adolescentes com maior dificuldade de concentração e aprendizado. Também sofrem as pessoascom deficiência e dependentes do SUS, vivendo em condições irregulares de moradia em favelas e bairros das periferias do país. 

A restrição ao acesso à agua potável é outra marca da desigualdade gritante do Brasil. Como tem afirmado a deputadaestadual Mônica Seixas (PSOL-SP), utilizando o conceito de “racismo ambiental” para descrever a enorme diferença deacesso aos recuros e exposição aos riscos ambientais. Mônica, inclusive, trava nessas semanas uma luta duríssima no parlamento contra a privatização da água no estado de São Paulo, com o governo de Tarcísio de Freitas querendo vender a SABESP. 

Os desastres naturais são agravados pela condição estrutural da desiguldades, levando a cada vez mais devastação da vida. O outro lado da moeda é reveleado pelos dados da Oxfam sobre os verdadeiros responsáveis pelo colapso que estamos vivendo: o 1% mais rico emite a mesma quantidade de poluição que 5 bilhões de pessoas, segundo dados de 2019. 

Não mude o clima, mude o sistema

É preciso agir imediatamente para puxar os freios de emergência do planeta. Podemos enumerar três dimensões para ação: 

1) pautar medidas emergenciais, na forma de leis e garantias para que a população trabalhadora possa se defender da onda de calor: desde impedir o corte de energia e água de inadimplentes, passando por medidas protetivas para quem trabalha nas ruas, declarando faixas de emergência climática, como muitos países já estão fazendo;

2) pensar num plano integrado de transição energética, levando em conta as demandas dos trabalhadores, pensando em políticas compensatórias, defendendo a Amazônia e se poscionando contra a exploração do petróleo, como o povo equatoriano recentemente fez em plebiscito; um plano gerido por interesses públicos, cancelando as privatizações,  como a que está em curso da SABESP e revendo a da CEDAE no Rio de Janeiro; 

3) o Brasil terá enorme responsabiliidade daqui até a COP 30, que será um dos maiores eventos e desafios do país, para debater um projeto ambiental orientado por uma política de sobrevivência. Há necessidade de um recorte ecossocialista, que ganhe a juventude brasileira para essa luta vital para acumular forças nos próximos anos. É preciso incorporar as demandas dos povos originários e de ribeirinhos, a começar pela campanha em defesa do povo quilombola, ameaçado e criminalizado pelo latifúndio. 

Para defender esses postulados, a esquerda social e política tem que abrir a cabeça e os caminhos para uma nova forma de pensar, atualizando o programa nessa chave e construindo pontes para um bloco social que postule que a defesa do meio ambiente é uma pauta central para classe trabalhadora, ganhando maioria social para forjar essa mudanças. 

Antes que seja tarde, é hora da luta.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.