Vitória eleitoral da extrema direita na Holanda
10328.w1980.bdeedb6.126342e

Vitória eleitoral da extrema direita na Holanda

O Partido da Liberdade (PVV) cresceu com enfoque no discurso antimigração e no negacionismo climático

Alex de Jong 28 nov 2023, 09:13

Foto: Grenzeloos

Via International Viewpoint

O fato de a direita ter vencido as recentes eleições holandesas não foi nenhuma surpresa. O que surpreendeu foi o quanto a participação da extrema direita foi decisiva para a vitória geral da direita. Para Geert Wilders, líder do Partido da Liberdade (PVV), de extrema direita, anos de paciência valeram a pena, enquanto o partido de direita em exercício apostou e perdeu.

O avanço eleitoral da extrema direita ocorreu em grande parte às custas da (centro) direita. Com 37 das 150 cadeiras parlamentares, o PVV está agora bem à frente da segunda lista, uma chapa conjunta de social-democratas e verdes que conquistou 25 cadeiras. O número total de assentos para os partidos de esquerda permaneceu constante, enquanto os partidos que faziam parte do governo de centro-direita perderam assentos, às vezes de forma significativa. Em outras palavras, a direita se recompôs e se radicalizou, enquanto a esquerda não conseguiu avançar de sua posição fraca anterior. Como isso pode ser explicado?

Em um nível mais imediato, uma escolha tática do VVD (Partido Popular pela Liberdade e Democracia), o principal partido do governo anterior, parece ter saído pela culatra para eles. Em julho deste ano, o primeiro-ministro Mark Rutte, do VVD, provocou uma crise no governo atual ao insistir em novas restrições aos direitos dos refugiados. Rutte deliberadamente ultrapassou a linha vermelha de um dos parceiros de coalizão do VVD, provocando assim o colapso de seu próprio governo e novas eleições.

Essa foi uma tentativa do VVD de colocar a questão dos refugiados e da migração no centro da disputa eleitoral. O VVD esperava que, ao se posicionar mais à direita nessa questão, conseguiria reunir apoio suficiente para se tornar novamente o maior partido do país. Rutte deixou o cargo para dar lugar a um novo líder do partido, Dilan Yeşilgöz. Yeşilgöz, ministro da justiça no gabinete mais recente, continuou a reforçar o perfil de direita do VVD, especialmente por meio de histórias exageradas sobre a suposta facilidade com que os migrantes podem entrar na Holanda.

A aposta do VVD era que as eleições se desenrolariam como uma polarização entre eles e a centro-esquerda na questão da migração, e Yeşilgöz foi apresentado como o sucessor de Rutte. Essa tática eleitoral parecia fazer sentido: Rutte é o primeiro-ministro desde 2010 e manteve sua popularidade durante todo esse tempo. Ao concentrar a disputa eleitoral na migração, o VVD esperava evitar as questões em que é vulnerável, como a crise habitacional do país e o aumento do custo de vida. No entanto, o VVD acabou perdendo 10 cadeiras e conquistando apenas 24.

O AVANÇO DA EXTREMA DIREITA

Paradoxalmente, a tática do VVD funcionou muito bem. A ênfase em uma suposta “crise de refugiados” e na restrição da migração beneficiou o partido que, desde a sua fundação em 2006, tem em seu cerne a política antimigratória: o PVV de Wilders. Entretanto, nem todo o crédito pela vitória de Wilders pode ser atribuído ao VVD. Um clichê jornalístico nas últimas semanas foi que Wilders havia “moderado” suas opiniões, mas o programa do PVV permaneceu tão radicalmente antimigrante como sempre. O partido quer fechar completamente as fronteiras para os que buscam asilo e “nenhuma escola islâmica, Alcorão ou mesquita” na Holanda. Essas políticas racistas são combinadas com uma retórica repressiva sobre “tolerância zero para a escória das ruas”, incluindo a mobilização do exército, a desnaturalização e a deportação de criminosos com dupla nacionalidade e prisões preventivas daqueles considerados simpatizantes do “jihadismo”.

Wilders não mudou, o que mudou foi a dinâmica entre a direita e a extrema direita. Rutte optou por uma abordagem de deixar Wilders de lado, seu principal concorrente na direita, descartando as posições do PVV como “irrealistas” e apresentando seu VVD como o partido que poderia implementar políticas de direita com mais eficiência. Essa abordagem normalizou cada vez mais as posições do PVV, posições que foram rejeitadas apenas porque eram supostamente impossíveis de serem implementadas. Em vez de tentar se posicionar como parceiro júnior do VVD, Wilders insistiu em sua postura de oposição de direita a Rutte e continuou a martelar em suas questões centrais. Em 22 de novembro, Wilders colheu os frutos dessa abordagem de longo prazo. O fato de outro partido de extrema direita, o FvD, um partido que obteve sucesso significativo há alguns anos, ter entrado em crise, em grande parte devido à megalomania de seu líder Thierry Baudet, também beneficiou Wilders, pois ele consolidou e expandiu o voto da extrema direita.

Wilders é um político experiente, um dos membros mais antigos do parlamento holandês e capaz de enxergar além do próximo ciclo eleitoral. Ele começou sua carreira no VVD no final dos anos 90, separando-se do partido para formar o PVV em 2006. Inicialmente, o PVV combinou sua política racista e antimigrante com um discurso radical pró-mercado, uma versão radicalizada do neoliberalismo do VVD. Na última década, aproximadamente, o PVV mudou sua retórica para uma espécie de “chauvinismo do bem-estar”, apresentando-se como o protetor das pessoas comuns e dos restos do sistema de bem-estar holandês. Para o PVV, a causa final do retrocesso do estado de bem-estar social é a presença de comunidades de migrantes parasitas, especialmente muçulmanos, na sociedade holandesa e o desperdício de dinheiro em “passatempos de esquerda”, como medidas para mitigar a mudança climática. Esse dinheiro, sugere o PVV, teria sido suficiente para proteger os padrões de vida do “verdadeiro” povo holandês. Em seu programa eleitoral, o PVV também apresentou propostas “progressistas”, como a abolição do imposto de valor agregado sobre as necessidades diárias, a redução dos custos de saúde e o retorno da idade de aposentadoria de 67 para 65 anos.

Essas ideias são, sem dúvida, populares, mas são secundárias em relação à agenda principal do PVV. Para Wilders, elas são apenas meios para atingir seu objetivo: fechar as fronteiras e atacar os direitos das minorias, especialmente os dos muçulmanos. Entre 2010 e 2012, o primeiro governo liderado por Rutte foi apoiado pelo PVV que, nas palavras de Wilders, “aceitou medidas de austeridade em troca de limites à imigração”. No parlamento, o PVV propôs um projeto de lei que reduziria os acordos de negociação coletiva, votou para restringir ainda mais o acesso à seguridade social e se opôs às tentativas de combater a evasão fiscal. O fato de as “políticas sociais” do PVV serem, em grande parte, retórica vazia não é, entretanto, consistentemente apontado pelos partidos de esquerda.

A ESQUERDA ESTÁ ESTAGNADA

A participação total dos partidos de esquerda no parlamento nacional permaneceu praticamente a mesma de antes das eleições. O número dois nos resultados das eleições foi uma lista conjunta do PvdA social-democrata e dos Verdes (Groenlinks). Juntas, essas duas partes ganharam oito novas cadeiras, um avanço modesto que foi uma decepção. A centro-esquerda apresentou Frans Timmermans, ex-comissário europeu, como seu candidato, tentando apresentá-lo como futuro primeiro-ministro, alguém progressista, mas também seguro para administrar o Estado holandês. A abordagem do PvdA e da coalizão GroenLinks de combinar propostas moderadamente progressistas com um ar de conhecimento tecnocrático e uma orientação para formar uma coalizão governamental com partidos à sua direita teve algum sucesso em atrair votos do centro, mas não em atrair muitos novos eleitores para a esquerda.

Enquanto isso, o SP, de esquerda, perdeu quatro de suas nove cadeiras. O partido se fixou na combinação de um perfil cada vez mais conservador em questões “culturais” (migração, mas também medidas de mudança climática) com posições socioeconômicas progressistas. Os reveses contínuos não foram suficientes para convencer o SP a mudar de rumo. Sua atual líder, Lilian Marijnissen, ocupa esse cargo desde 2017: Para ela, novembro de 2023 foi a sétima vez que o partido sofreu declínio eleitoral. A última vez que o partido conseguiu avançar nas eleições nacionais foi em 2006 e, desde então, o partido perdeu dezenas de milhares de membros. A ênfase do SP na restrição da migração de mão de obra na campanha eleitoral fortaleceu a estrutura de direita de que os migrantes são um problema, enquanto o partido deixou de se concentrar em seus pontos fortes, como moradia e saúde. O SP acabou perdendo um grande número de votos para a direita e a extrema-direita.

Um remédio amargo para a extrema esquerda foi o desaparecimento do parlamento do partido radical BIJ1 (a pronúncia holandesa significa “juntos”). Nascido especialmente do movimento antirracista, o BIJ1 conseguiu reunir apoio de diferentes partes do ativismo e da extrema esquerda, mas tem sido assolado por brigas internas. O ecologista Partido para os Animais perdeu metade de seus assentos e ficou reduzido a três assentos. O Partido para os Animais atraiu gradualmente um apoio cada vez maior por suas posições ecológicas baseadas em princípios, mas o partido está dividido e não tem clareza sobre como deve se relacionar com as questões de esquerda em geral, não apenas com a ecologia. Nos últimos meses, também houve uma briga feia pela liderança do partido e divisões.

PERSPECTIVAS

Uma possibilidade para a Holanda é a formação de uma coalizão de direita liderada por Wilders. Outro grande vencedor nas eleições de novembro foi um novo partido, o NSC, uma cisão do CDA democrata-cristão. O NSC entrou no parlamento com 20 cadeiras. O NSC é um partido conservador, uma versão da Democracia Cristã sem referências religiosas explícitas. Enquanto isso, o CDA, que já foi um dos maiores partidos do país, ficou com apenas cinco cadeiras. Juntamente com o VVD, o direitista Movimento Cidadão Fazendeiro (outro partido recém-formado, em grande parte baseado em fragmentos da base do CDA) e o NSC, o PVV teria a maioria. Mas o NSC disse que não está disposto a formar uma coalizão com um partido como o PVV, que quer atacar os princípios fundamentais de igualdade perante a lei e a liberdade de religião. E o VVD disse que, após sua derrota nas eleições, o partido deveria ir para a oposição. Mas essas objeções podem ser apenas manobras para obter concessões do PVV. O próximo governo provavelmente será bastante instável. O que é certo é que muito pouco restará das propostas econômicas “progressistas” do PVV.

A situação é sombria, mas continua contraditória; nas últimas semanas, houve a maior manifestação contra a mudança climática da história da Holanda, mas o vencedor das eleições foi um partido que ridiculariza a mudança climática como um absurdo. Da mesma forma, a solidariedade com a Palestina levou muitos às ruas, mas o PVV se orgulha de seu apoio incondicional a Israel e quer transferir a embaixada holandesa para Jerusalém. No próximo período, a esquerda holandesa, tal como existe, estará na defensiva. O combate às políticas antimigrantes e ao racismo e a defesa dos direitos civis das minorias, especialmente dos muçulmanos, precisarão ser fundamentais.


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin