Petróleo no chão, não à invasão!

Petróleo no chão, não à invasão!

Nem o imperialismo estadunidense nem o desenvolvimentismo tacanho de Maduro têm o direito de se apoderar desses recursos ou comprometer a vida na terra

Kennedi de Oliveira 4 dez 2023, 17:40

Recentemente, o mundo foi surpreendido por um novo rumor de guerra, desta vez na América Latina. Nicolás Maduro ameaça invadir a vizinha Guiana para anexar a região de Equessibo, um território que vai desde a fronteira venezuelana-guianense até o Rio Essequibo, uma porção de terra que corresponde a 75% do território da Guiana.

A Guiana Essequiba, ou região do Essequibo, compreende o delta do rio e foi parte do território venezuelano até 1899, quando foi anexada pela Grã-Bretanha em conluio com os EUA. Desde então, é alvo de litígio por parte da Venezuela.

Nas últimas semanas, o regime venezuelano aumentou o tom, anunciando um plebiscito em que buscava legitimidade para iniciar a agressão contra a Guiana visando a anexação. No último dia 3, o plebiscito aconteceu – sob as já alardeadas violações do regime democrático na Venezuela – e, como esperado, a posição pró-invasão venceu com mais de 95% dos votos.

A propaganda pró-guerra chegou a contar com os principais líderes militares da Venezuela gravando vídeos reivindicando a posse sobre a região de Essequibo, inclusive com demonstrações de força como a pintura dos caças SU 30 MK2 com o mapa da Venezuela contendo o Essequibo e os dizeres “Venezuela Toda”, fazendo referência à região que quer retomar.

Porém, mais importante até que os eventos históricos, é necessário pontuar que a região de Essequibo não é um enclave qualquer, muito menos algo de importância menor. É um território rico em petróleo, gás natural, ouro e outros minerais valiosos. Não à toa, a extração predatória desses recursos é capitaneada pelos EUA na região – principalmente com a Exxon, que recentemente inaugurou a terceira plataforma petrolífera na Guiana, e a Chevron.

Dessa forma, entendendo também que nos últimos anos a reserva de petróleo em território Essequibo atingiu a marca de 11 bilhões de barris – algo que corresponde a 75% da reserva brasileira que conta com cerca de 15 bilhões -, podemos ter a dimensão do que está em jogo nessa disputa entre Maduro, às petroleiras estadunidenses e o Estado da Guiana.

É necessário cercar a Guiana de solidariedade internacional, sob a palavra de ordem de “não à invasão venezuelana”, que seria extremamente calamitosa para as trabalhadoras e os trabalhadores guianenses, além de trazer a guerra para o território latino. Pior, para território amazônico, também gerando risco de uma intervenção yankee no nosso continente. Mas também é necessário apontar que apenas a desistência da invasão por parte de Maduro não soluciona o problema central da região, que é a exploração desenfreada de combustíveis fósseis. Por isso, petróleo no chão também deve ser uma reivindicação justa para sanar o conflito na região.

Nem o imperialismo opressor estadunidense nem o desenvolvimentismo tacanho de Maduro têm o direito de se apoderar desses recursos ou comprometer a vida na terra extraindo e queimando uma quantidade absurda de combustíveis fósseis que geram o aquecimento global e as mudanças climáticas.

Vale ressaltar também que a recente seca histórica da região amazônica tem tudo a ver com a exploração desenfreada do petróleo, e que no Brasil mesmo travamos uma luta para impedir a exploração petrolífera na Amazônia, não podemos coadunar com essa exploração na região de Essequibo só porque é floresta do lado de lá da fronteira. 

Não queremos guerra, não queremos invasão e não queremos exploração desenfreada do planeta terra. Lutar pela não-invasão da Guiana é lutar pela convivência pacífica entre os povos e pela preservação do ambiente em que vivemos. Em última instância, essas lutas também são de sobrevivência e pela preservação da vida na terra.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.