75% mais letal que Operação Escudo, Operação Verão já matou 56 pessoas em SP
2448c0f5-cee8-43e6-872b-ccd8af6ddada

75% mais letal que Operação Escudo, Operação Verão já matou 56 pessoas em SP

A terceira etapa da ação policial terminou ontem. Sob críticas, SSP promete ampliar efetivo na Baixada Santista 

Tatiana Py Dutra 2 abr 2024, 10:41

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Nesta segunda-feira (1º), a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) anunciou o encerramento da terceira etapa da Operação Verão, realizada no litoral paulista desde dezembro passado para combater o tráfico de drogas. Durante esse período, pelo menos 56 pessoas foram mortas pela polícia, 1.025 foram presas e 47 adolescentes foram apreendidos. Na violenta Operação Escudo, realizada durante 40 dias a partir de julho de 2023, houve 28 mortes e 958 prisões. A alta na letalidade é da ordem de 75,5%.

Conforme a SSP, 2,6 toneladas de drogas foram recolhidos na Operação Verão e houve uma redução de 25,8% nos casos de roubo em Santos, São Vicente e Guarujá durante o primeiro bimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Contudo, moradores da região relatam excessos nas abordagens e truculência policial. Em nota divulgada no mês passado, a Ouvidoria de Polícias de São Paulo qualificou como “estatística de tragédias humanitárias” o número de suspeitos mortos. Segundo o órgão, os relatos de parentes de vítimas precisam ser investigados “para o bem da própria corporação”.

“A sociedade precisa da polícia e seu histórico trabalho profissional, lançando mão de tecnologia e inteligência, como, por exemplo, as câmeras portáteis, que protegem tanto a população quanto os policiais”, informou a Ouvidoria, que encaminha as denúncias e acompanha as investigações.

O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) também se manifestou, apresentando uma representação por improbidade administrativa contra o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite, devido ao alto número de vítimas.

Direitos Humanos

A Ouvidoria de Polícia participou de audiência pública realizada por diversas organizações de defesa dos direitos humanos e movimentos sociais, no último dia 25 de março, na Faculdade de Direito da USP, sobre a Operação Escudo/Verão na Baixada Santista. No evento, que contou com a presença de familiares das vítimas das operações e moradores das comunidades afetadas, foi apresentado um resumo sobre as graves violações de direitos e outras irregularidades.

Também foi divulgado um relatório que detalha as ilegalidades, com base nos relatos das famílias e testemunhas coletados pelas organizações durante missão realizada no dia 3 de março. O documento apresenta oito casos envolvendo 12 mortos e feridos, vítimas da violência policial nas cidades de Santos, São Vicente e Cubatão. Das execuções documentadas, 11 eram homens negros, sendo um deles uma pessoa com deficiência.

“Eles [os policiais] bateram na porta, e ele estava dormindo. Aí bateram na porta e ele perguntava ‘quem é’ e os polícia não respondia. Aí ele ‘se não, se não falar quem é não vou abrir’. Aí continuaram insistindo, batendo na porta. Ele abriu, e aí foi quando os polícias entraram para dentro, para dentro de casa. Aí começou a ligar a sirene… a sirene, aí começou a torturar. Eles ligavam a sirene para abafar o som”, diz o relato de uma testemunha ouvida pela missão.

Tanques nas ruas

A SSP-SP informou que todos os casos de mortes são “rigorosamente investigados” pela Polícia Civil e Militar, com supervisão das respectivas corregedorias, Ministério Público e Poder Judiciário. Também anunciou que, com o término da operação, o efetivo policial na Baixada Santista será ampliado. Um total de 341 policiais militares, incluindo soldados, cabos e sargentos, serão designados para atuar permanentemente nas cidades da região. Além disso, está previsto um aumento no número de policiais civis com a formação de novos agentes ainda em 2024.

Não é a única ação ostensiva de repressão em curso no Estado. No Guarujá, uma operação de Garantia da Lei e da Ordem, autorizada pelo governo federal em novembro, deu às Forças Armadas o poder de atuar na região dos portos de Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Itaguaí (RJ), e também nos aeroportos do Galeão (RJ) e de Guarulhos (SP). Na última quarta-feira (27), blindados da Marinha foram vistos circulando na região do Guarujá (SP) em uma operação de combate ao tráfico.

Para a deputada estadual Monica Seixas (PSOL-SP), há uso excessivo do instrumento policial contra pessoas em situação de vulnerabilidade.

“Esses locais estão passando por uma chacina organizada pelo governador e pelo secretário de segurança. São Paulo está regredindo ao período da ditadura”, crítica.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão