A pobreza sistêmica é um grande obstáculo para a economia da China
China_Poverty

A pobreza sistêmica é um grande obstáculo para a economia da China

A pobreza extrema e os baixos salários são um problema cada vez mais real para a potência capitalista

Tommy Wei 19 jun 2024, 14:00

Foto: CSIS

Via International Viewpoint

Há cerca de dez anos, quando a economia da China ainda estava em meio à sua “glória” reconhecida mundialmente, tive dois encontros impressionantes durante minhas viagens. Um deles foi em uma cidade do norte, no inverno. Caminhando por uma rua pouco povoada em uma tarde de frio intenso, vimos um homem com roupas finas vendendo enormes espanadores de penas de galinha – presumivelmente usados para limpar a carcaça de automóveis – na beira da estrada. Eu me perguntei se essa mercadoria com um propósito muito específico encontraria compradores em um local que não fosse um mercado. A mulher que estava caminhando comigo comentou: “É isso que as pessoas têm de fazer para ganhar a vida”.

O segundo encontro foi em uma cidade do sul, no verão. Encontrei uma “torre de vigia” construída pelos moradores há cerca de cem anos em um vilarejo que havia se tornado parte da cidade. Essa estrutura semelhante a uma torre era usada como defesa contra bandidos, feita de concreto reforçado, com apenas um pequeno espaço em cada andar e janelas estreitas e pontiagudas em todos os lados. Não havia restrição de acesso a esse edifício histórico, então comecei minha escalada. Quando entrei em um dos andares por uma escada de ferro estreita e íngreme, de repente notei uma tábua de madeira no canto com um mosquiteiro esticado sobre ela, na qual duas crianças de colo esfarrapadas olhavam de olhos arregalados para mim, o hóspede não convidado. Descobriu-se que esse prédio abandonado, sem eletricidade nem água, cheio de mosquitos e poeira, era a “casa” de uma família da cidade.

Essas imagens de pobreza podem ser encontradas em qualquer país, talvez devido ao desemprego causado pela lentidão geral da economia nacional, ou devido a traumas pessoais e dependência de drogas. No entanto, a China tem sua própria característica especial: pobreza sistêmica “funcional” em meio ao rápido desenvolvimento econômico. De acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas da China (NBS), a média de horas de trabalho semanais dos trabalhadores empregados do país em dezembro de 2023 era de 49 horas, um novo recorde na China moderna e um dos mais altos do mundo. Apesar disso, a renda salarial média anual dos residentes do país em 2023 era de apenas 22.053 yuans (cerca de 2.800 euros).

Persiste a pobreza sistêmica do “trabalho”

O documentário “Eighteen-year-olds on the Assembly Line” (Dezoito anos na linha de montagem), lançado em 2016, registra vividamente essa situação. O diretor passou três anos nas zonas industriais de Dongguan, mostrando aos espectadores que até mesmo os trabalhadores mais duros do mundo lutam para escapar da pobreza nas fábricas da China. O salário por hora pode ser tão baixo quanto 10 yuans (cerca de 1,3 euros) para um dia de 12 horas; o entretenimento comum nas metrópoles esgota rapidamente os contracheques; e o dinheiro necessário para o casamento e a casa própria continua sendo um objetivo distante.

Em 2022, um TikToker filmou um banquete de casamento na região da Montanha Daliang e foi chamado pela polícia porque o vídeo amplamente divulgado revelou os aspectos chocantes da pobreza na China rural: o salão do casamento estava em mau estado, com poucas mesas, cadeiras ou aparelhos elétricos utilizáveis. Os convidados se agacharam no chão para saborear o único prato do banquete de casamento: bok choy em conserva e sopa de tofu. Isso explica por que muitos jovens chineses ainda estão dispostos a trabalhar em fábricas de exploração.

Xi Jinping declarou solenemente em 25 de fevereiro de 2021 que a “campanha da China contra a pobreza alcançou uma vitória abrangente (…) e criou outro milagre humano que será lembrado ao longo da história!” Alguns comentam sarcasticamente que talvez a desaceleração econômica durante a epidemia tenha deixado os residentes urbanos relativamente ricos em situação difícil, diminuindo assim o nível de “pobreza”.

A proliferação de smartphones, vídeos curtos e mídia de autopublicação tornou os encontros e relatos de pobreza onipresentes na Internet. Embora essas imagens e textos não possam substituir dados econômicos rigorosos, eles desafiam a narrativa do governo sobre uma boa situação econômica.

Mesmo com a censura rigorosa, ainda encontrei uma notícia patética sobre a pobreza na South Reviews, uma revista de grande circulação na China. Zhao era um jovem de 19 anos que morreu antes da primavera de 2024. Durante os oito meses que antecederam sua morte, ele vendeu seu plasma 16 vezes, ganhando de 200 a 400 yuans (cerca de 25 a 50 euros) e uma refeição a cada vez. Zhao tinha um emprego como administrador de um cibercafé e levava um estilo de vida modesto. Ele raramente saía com os amigos e não tinha dinheiro para comprar uma bicicleta elétrica para se locomover. Sua maior despesa antes de morrer foi um smartphone que comprou para seu pai em dezembro do ano passado. Sua casa não tinha computador, TV ou sofá, e ele não acendia as luzes ao anoitecer para economizar eletricidade. Sua mãe não podia trabalhar devido a uma doença e seu pai era um trabalhador migrante. O posto de sangue onde ele vendia sangue pertence a uma bioempresa de grande porte. O relatório anual dessa empresa para 2023 mostra que ela tinha 79 estações de sangue em funcionamento, coletando um total de 2.415 toneladas de plasma naquele ano.

Após três anos de quarentena rigorosa, a economia da China não se recuperou como esperado em 2023. Agora, em 2024, o tema quente é o “excesso de capacidade” – a União Europeia e os Estados Unidos estão planejando aumentar as taxas tarifárias sobre os carros elétricos fabricados na China. Diante dos boicotes ocidentais aos produtos chineses, a última solução de Xi é permitir que o povo chinês absorva a “capacidade excedente”. Em março, o Conselho de Estado emitiu um plano de ação para promover a renovação de equipamentos em larga escala e a troca de bens de consumo; em abril, o Ministério do Comércio e 14 outros ministérios emitiram em conjunto outro plano de ação, organizando uma campanha nacional de troca de carros e eletrodomésticos e “renovação” de móveis domésticos.

A política de troca mencionada no plano de ação inclui “dar tratamento preferencial aos consumidores que trocam seus aparelhos antigos por aparelhos que economizam energia” e “incentivar regiões com recursos a subsidiar os consumidores para que comprem aparelhos domésticos ecológicos e inteligentes”. Para as famílias que vivem em prédios abandonados ou para os moradores da montanha Daliang, que quase não possuem eletrodomésticos, essa política só pode ser considerada melhor do que nada.

Isso me faz lembrar de uma “piada” britânica que ouvi na minha infância: “Mamãe, por que nossa casa é tão fria?” “Porque não temos dinheiro para comprar carvão, querida.” “Por que não temos dinheiro para comprar carvão?” “Porque seu pai perdeu o emprego.” “Por que o papai perdeu o emprego?” “Porque há muito carvão.”

De acordo com os pesquisadores Wan Haiyuan e Meng Fanqiang do Instituto de Distribuição de Renda da China da Universidade Normal de Pequim, o número de pessoas na China que ganham menos de 2.000 yuans (cerca de 250 euros) por mês chegou a 964 milhões, representando cerca de 69% da população total; 95% da população ganha menos de 5.000 yuans (cerca de 637 euros) por mês. Esperar que essa população absorva os produtos dos setores de manufatura de exportação estabelecidos para atender às necessidades dos países desenvolvidos é equivalente a uma fantasia.

Talvez o grupo-alvo desse “plano brilhante” seja a chamada “classe média”. Entretanto, os dados do primeiro trimestre de 2023 mostram que o saldo hipotecário da China era de 38,94 trilhões de yuans (cerca de 5 trilhões de euros). Grande parte dessa dívida é carregada por residentes urbanos de renda mais alta, portanto, qual é o incentivo que essa classe tem para comprar novos carros elétricos ou geladeiras inteligentes?

As causas da pobreza sistêmica da China não são apenas os baixos salários e as péssimas condições de trabalho, como demonstrado nas fábricas de eletrônicos de Dongguan, mas também as moradias, a educação, a saúde, os cuidados infantis e os setores de assistência a idosos proibitivamente caros. Esses setores permitem que a classe empresarial e o governo obtenham altos lucros e impostos. Embora bens de consumo como telefones celulares e carros possam ser mais acessíveis do que eram há 30 anos, alimentos comuns e água potável sem excesso de pesticidas, fertilizantes químicos e metais pesados tornaram-se luxos. Poucos chineses realmente “superaram” a pobreza quando suas vidas são medidas em relação a um padrão de decência, saúde e relaxamento com um futuro promissor.

As causas da pobreza sistêmica da China

As repercussões da pobreza são visíveis: os ricos estão constantemente procurando maneiras de transferir seus ativos para o exterior para escapar da desvalorização; dezenas de milhares de trabalhadores e até mesmo algumas pessoas de classe média estão viajando pelas perigosas florestas tropicais da América Central para fugir para os EUA a fim de vender sua mão de obra a um preço melhor; cada vez mais jovens estão perdendo a esperança de acumular riqueza e subir na escala social, por isso se recusam a trabalhar duro e optam por viver com baixas aspirações; e algumas pessoas desesperadas estão optando por acabar com suas próprias vidas ou prejudicar outras pessoas devido à frustração.

Então, por que os governantes da China não permitiram que as pessoas comuns tivessem mais “dividendos” durante as últimas décadas de prosperidade econômica? Por exemplo, seguro-desemprego universal; pensões decentes para todos os idosos; subsídios adequados para estudantes; salário mínimo mais alto; um sistema público de habitação mais inclusivo. Atualmente, a pensão média na China rural é de apenas 204 yuans por mês (cerca de 26 euros), de acordo com um relatório de 2023 do Farmers’ Daily. Os estudantes universitários precisam de um atestado de pobreza para solicitar pequenos subsídios estatais de 1.000 a 3.000 yuans por ano (cerca de 127 a 382 euros). As moradias de baixo custo do governo exigem um hukou* local e uma renda familiar per capita de menos de 960 yuans por mês (cerca de 122 euros), o que exclui a maioria dos trabalhadores rurais migrantes.

Uma explicação interessante para esse fato vem do “Livro do Senhor Shang”, um texto clássico da dinastia Qin (221 a.C.). Ele sugere que “a maneira de governar o país é enfraquecer as pessoas”, mantendo-as pobres para que dependam do Estado e não possam enfrentá-lo. Essa técnica ajudou a estabelecer o primeiro império unido da história chinesa. Algumas indicações sugerem que Xi admira o sistema Qin, como o drama de televisão estatal altamente financiado “The Fugue of Great Qin”, que foi ao ar depois que Xi se estabeleceu como governante vitalício.

A pobreza sistêmica será um obstáculo

Embora essas “artes de governar” de 2.000 anos de idade sejam primitivas e absurdas do ponto de vista da moderna administração estatal e da economia capitalista, o estilo de governo de Xi Jinping na última década nos deu a impressão de que tudo é possível. Seja um subproduto de políticas econômicas fracassadas ou uma forma intencionalmente projetada de controlar o povo, a pobreza sistêmica será um obstáculo, e não um facilitador, para a ascensão da China.

* Hukou é um sistema de registro de domicílios usado na China continental.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.