Vitória na França! Leia a declaração do NPA sobre o resultado eleitoral
A87FFAD7-2930-4816-88E2-46237BB1DD7F

Vitória na França! Leia a declaração do NPA sobre o resultado eleitoral

A extrema direita foi afastada pela mobilização popular – agora precisamos implementar o programa da Nova Frente Popular

NPA 9 jul 2024, 17:57

Via International Viewpoint

A principal lição dos primeiros resultados desse segundo turno é o revés sofrido pelo Reencontro Nacional e seus aliados. A derrota das centenas de candidatos fascistas, racistas, islamofóbicos, antissemitas e ultra racistas apresentados pelo RN é um grande alívio para as pessoas racializadas, mulheres, pessoas LGBTI+ e trabalhadores. Essa vitória da esquerda unida interrompeu o ímpeto da extrema direita, que, no entanto, conquistou cerca de cinquenta cadeiras a mais. Essa derrota da extrema direita de Bardella e Le Pen é fruto da mobilização popular que ocorreu graças ao ímpeto unitivo proporcionado pela criação da Nova Frente Popular.

Essa já é uma vitória para a Nova Frente Popular, que foi possível graças à mobilização de toda a esquerda – partidos políticos, sindicatos e grupos de campanha -, mas também, e acima de tudo, pela mobilização de base de grandes setores das classes trabalhadoras, em particular pessoas racializadas e jovens, que se comprometeram em todos os lugares a bloquear o RN. Isso possibilitou que um número muito grande de deputados da Nova Frente Popular (incluindo uma maioria relativa para o LFI) fosse eleito para a Assembleia Nacional com base em um programa que rompe não apenas com o macronismo a serviço dos ultra-ricos, mas também com a esquerda liberal do mandato de Hollande, que seguiu as políticas da direita.

A derrota do RN não deve esconder o fato de que ele aumentou significativamente seu número de parlamentares e continua sendo uma ameaça às pessoas racializadas, aos direitos sociais e às liberdades democráticas. Tampouco deve ocultar a derrota dos macronistas, que perderam um terço de suas cadeiras. Se eles ainda têm tantos deputados, devem isso apenas aos eleitores de esquerda, que em grande parte mudaram para eles no segundo turno para bloquear o RN. Esse voto de bloqueio não altera de forma alguma os resultados eleitorais: tanto nas eleições europeias quanto nas legislativas, Macron e Attal foram claramente rejeitados e, portanto, não têm mais legitimidade para reivindicar a liderança do país. Macron agora não tem outra opção a não ser se submeter à vontade do povo e permitir que um governo de esquerda implemente o programa da Nova Frente Popular, que agora tem a legitimidade das urnas. Caso contrário, ele deve sair.

Essa rejeição é também uma rejeição da Quinta República e de suas instituições autoritárias e antidemocráticas. A mobilização popular, marcada por um comparecimento sem precedentes em décadas, também levanta a necessidade de avançar em direção a uma Assembleia Constituinte, para uma democracia genuína da maioria.

A partir de agora, os compromissos assumidos devem ser honrados, e todas as medidas emergenciais estabelecidas no programa da Nova Frente Popular devem ser aplicadas, começando pela revogação das reformas das pensões e do seguro-desemprego.

Isso só poderá acontecer se o ímpeto popular for mantido e ampliado. Isso significa criar coletivos da Nova Frente Popular em nível de base, abertos a todos, o que pode ajudar a ampliar o movimento e construir mobilizações e greves nos próximos meses. Nenhum governo de unidade nacional pode responder às aspirações expressas nas urnas hoje. Devemos nos manter unidos para agir, debater e traçar uma perspectiva emancipatória que faça a extrema direita recuar a longo prazo, em torno de uma esquerda que lute e rompa com o sistema, uma esquerda que possa transformar radicalmente esta sociedade!

Montreuil, domingo, 7 de julho de 2024


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.