Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Temer sobreviveu (por enquanto)

Quando 95% da população queria ver o presidente processado, o Congresso mais uma vez se descola do povo em nome da pequena política.

Ueslei Marcelino / Reuters
Ueslei Marcelino / Reuters

Não é a primeira vez que a Câmara demonstra sua total desconexão com o sentimento da maioria do povo. Mas desta vez o descolamento é absoluto, pois 95% dos brasileiros queriam ver Temer processado, mas os deputados disseram sim ao arquivamento da denúncia.

Seguimos com um governo chefiado e composto por uma verdadeira quadrilha que circula com malas de dinheiro – cuja grande parte já está denunciada, processada ou presa. É um escárnio contra o povo, contra a democracia e contra o bom senso.

A Operação Lava Jato, através da Polícia Federal e do procurador Rodrigo Janot, fez o seu trabalho, mas os mecanismos legais são insuficientes para combater a corrupção. Não é o Poder Judiciário que vai salvar o Brasil.

É pela política que podemos mudar a realidade. Mas a política que prevalece no nosso sistema é a pequena politica. A política do toma-lá-dá-cá, da troca de favores, dos cargos e da liberação de emendas. A política do interesse público não existe neste jogo que assistimos esta tarde. E não é de hoje. A pequena política seguiu prevalecendo durante os 13 anos de governo petista. As estruturas corruptas a serviço do capital seguiram intocadas.

O Brasil se desmancha em corrupção, desemprego e desestruturação dos serviços públicos. Direitos sociais são retirados. Mas para o andar de cima tudo vai bem. Eles seguem milionários cortando na carne dos de baixo.

O silêncio relativo das ruas é sintomático da desesperança. Mas também é fato que depois de boas mobilizações e de uma greve geral poderosa os aparelhos sindicais e partidários não organizaram a revolta latente. Há quem prefira ver Temer sangrar até 2018. Mas quem está sangrando mesmo é o povo. Há quem tema o povo na rua. Vimos este medo em junho de 2013, quando uma verdadeira revolta popular e juvenil tomou conta do Brasil. O andar de cima tremeu. A casta política tremeu. Preferem o silêncio das ruas.

Mas isso não vai durar para sempre. As sementes de junho vão germinar e trazer novos ares, novas cores e novos rostos. A luta está sempre recomeçando.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista