Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Frente à desmarcação da greve nacional façamos um dia de luta e protestos!

É necessário manter o dia 5 de dezembro como Dia Nacional de Lutas para acumular forças para enfrentar o governo Temer e a patronal.

Reprodução
Reprodução

Os ataques que estamos sofrendo são duríssimos: desemprego, nova lei trabalhista e a reforma da previdência. Quando todos sabemos que uma nova Greve Geral é necessária, as burocracias das cúpulas das centrais mostraram sua natureza: suspendem a Greve Nacional, convocada para o dia 05 de Dezembro, sem consultar os sindicatos e tratam os trabalhadores como marionetes. Fazer isso justamente no momento em que o governo está sofrendo várias derrotas é um golpe, uma verdadeira traição.

Nesta semana a MP do Programa de Demissão Voluntária caducou sem ser votada, perdendo validade. Os servidores federais fizeram fortes mobilizações e abriram negociação. A propaganda milionária que contava mentiras em rede nacional de televisão para aprovar a reforma da previdência foi retirada do ar por decisão judicial e o governo ainda não tem nos 308 votos para acabar com a aposentadoria.

A decisão das centrais vem na contramão da necessidade dos trabalhadores derrotarem de vez esse governo e suas reformas. Não podemos confiar plenamente que a reforma está derrotada, assim como também devemos parar o país exigindo a revogação da reforma trabalhista, da PEC do congelamento dos gastos e das terceirizações sem limites.

Seria razoável ao menos que chamassem um dia de luta, chamando a classe a se manter alerta a um Congresso corrupto e entreguista. Sabemos que pode sair um dia de luta digno, ainda que uma Greve Geral depende das principais estruturas sindicais do país.

Diante dos vários desafios que estão colocados, um deles é buscar uma alternativa de luta e combativa no movimento sindical. O MOVER – Plataforma Anticapitalista, atuando dentro da CSP-CONLUTAS, considera que é necessário manter o dia 05 de Dezembro como “Dia Nacional de Lutas”, pois podemos acumular forças para fazer um verdadeiro enfrentamento ao governo Temer e à patronal.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista