Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Cyril Ramaphosa não é a resposta

Uma análise das recentes eleições que deu posse ao novo presidente do Congresso Nacional Africano.

Cyril Ramaphosa em encontro do Fórum Econômico Mundial em 17 de Janeiro - Reinart Toerien/EWN
Cyril Ramaphosa em encontro do Fórum Econômico Mundial em 17 de Janeiro - Reinart Toerien/EWN
Jacobin

O ex-líder sindical convertido em multimilionário Cyril Ramaphosa acaba de se eleger presidente do Congresso Nacional Africano (CNA). Numa histórica conferência eleitoral, derrotal sua rival, a Dra. Nkosazana Clarice Dlamini-Zuma (NDZ), médica, ex-presidenta da União Africana e ex-esposa e sucessora ungida do atual presidente Jacob Zuma. Porém, a vitória de Ramaphosa é pírrica. As seis principais posições principais do corpo mais poderoso do CNA, o Comitê Executivo Nacional, estão divididas no meio entre Zuma e as facções de Ramaphosa, o que resulta num ponto morto chamado “unidade”.

Os partidários de Ramaphosa proclamaram sua vitória como um triunfo sobre a corrupção, a criminalidade, a incompetência e a repressão que caracterizaram o desastre absoluto da presidência de Zuma. Uma vez querido pela esquerda, a reputação de Ramaphosa sempre estará manchada por sua participação no massacre de Marikana. Nos dias anteriores ao massacre, apresentou uma solicitação ao governo em nome de Lonmim. Suas ações contribuíram diretamente para o assassinato de 34 trabalhadores, traindo o movimento que cortou seus dentes políticos.

Amplamente visto como “capturado” pelos Guptas, uma família de empresários indianos, Zuma e seus comparsas desmantelaram grandes seções do estado, inclusive a procuradoria-nacional e o serviço de arrecadação de impostos, para manter-se fora do cárcere.

A defesa feita por Zuma da Transformação Econômica Radical (RET, em sua sigla em inglês) não fez nada para ajudar a economia. Sob o mandato de Zuma, a economia degradou-se para o status de sucata, o crime em todas as suas manifestações aumentou, o outrora poderoso movimento sindical se dividiu, os trabalhos de manufatura desapareceram, o desemprego alcançou um recorde oficial alto de 27% e as condições de vida da maioria dos trabalhadores negros diminuíram visivelmente.

O governo de Zuma descreveu qualquer da mídia, da comunidade empresarial ou de dentro do CNA como “Capital do monopólio branco”. E, de fato, o grande capital na África do Sul é tão corrupto e vingativo como Zuma e seus comparsas. Quando se adaptou a seus resultados, as empresas participaram na “captura do estado” e ajudaram os Guptas a esfolar o país a todo custo. O grande capital, tanto em suas encarnações nacionais ou internacionais, inclusive KPMG, MultiChoice e MacKinsey Company, estiveram implicados nos planos dos Guptas. Em dezembro último, no maior escândalo de fraude corporativa do país, a empresa de móveis Steinhoff revelou-se uma empresa criminosa.

África do Sul é o país mais desigual do mundo. Embora a demografia racial da desigualdade tenha mudado desde o fim do apartheid – cerca de 49% frente a 86% dos proprietários de maiores rendas, são brancos e os negros constituem apenas 30% -, quase a totalidade dos setores mais pobres da população são negros. Mas a retórica de Zuma distrai-se do fato de que seu governo não desafiou o capital. Destruiu e saqueou as instituições estatais, prejudicando mais a classe trabalhadora negra da África do Sul.

Por uma boa razão, Zuma e sua facção podem ter perdido a presidência do partido, mas os elementos mais corruptos e perigosos do CNA têm o controle do partido. O CNA está parcialmente controlado pela chamada Liga Premier, um apodo que se refere a uma camarilha corrupta de premiês (governadores) das províncias-chave da África do Sul, mais parecidos com os capos da máfia do que com os políticos que operam numa democracia constitucional. Dois de seus membros agora ocupam postos nos primeiros seis cargos do CNA: David Mabuza (governador de Mpumalanga) e Ace Magashule (governador de Free State).

Dois dos gangsters mais perigosos da África do Sul, Mabuza e Magashule transformaram suas respectivas províncias em feudos privadas. Mabuza tem sido associado a vários assassinatos políticos e parece mais do que disposto a retirar seus rivais. Magashule pagou o casamento da sobrinha de Guptas em dinheiro, e o CNA desqualificou sua província das eleições duas vezes graças ao seu total desrespeito pelo processo democrático básico – uma conquista notável considerando os já baixos padrões do partido.

Magashule supervisionará a manutenção diária do partido como secretário-geral do ANC com a ajuda de Jessie Duarte (reeleita como vice-secretária-geral), uma lacaia sem princípios dos Guptas e Mabuza está em posição de se tornar o próximo presidente da África do Sul após Ramaphosa.

O resultado é provavelmente um desastre: com Mabuza e Magashule no gabinete, será difícil para Ramaphosa embarcar em reformas agudas ou em mudanças de políticas, e talvez ele nem possa fazer recordar Zuma. A unidade, como qualifica Mabuza, significa que o CNA não vai se separar e o SACP e o COSATU permanecerão na aliança, abortando quaisquer esperanças de um novo partido de esquerda emergir. Na verdade, há indícios de que um acordo foi interrompido entre Ramaphosa e Mabuza antes da conferência que viu Mabuza se tornar um governador, trocando seu apoio de NDZ por Ramaphosa. Poderia significar que Mabuza poderia ter rompido com a Premier League e está buscando esculpir uma nova facção, tornando-se ainda mais perigoso e imprevisível.

Duas redes concorrentes patronais agora gerem o CNA: uma alinhada com a grande estabilidade promissora do capital e a outra representando uma facção predatória baseada na transferência de ativos do estado para elites politicamente conectadas, mesmo que isso mergulhe o país em uma crise econômica.

Zuma fica sozinho

O RET rondou esta campanha. A última versão da política do CNA promove o fim do neoliberalismo, a redistribuição radical e a transferência da economia sul-africana para as mãos negras.

No primeiro dia da conferência, Zuma anunciou a peça central do RET: um plano para educação superior gratuita, após vários anos de protestos estudantis sob a campanha #FeesMustFall. O movimento de Zuma baseou-se em uma proposta supostamente elaborada por um agente de segurança do Estado que também é o namorado de sua filha.

Zuma negligenciou uma consulta ao partido, a seu ministro das Finanças ou do tesouro antes de fazer o anúncio – um movimento que violou todos os padrões de democracia constitucional e deveria nos deixar muito céticos quanto às perspectivas de implementação dessas medidas.

Durante a conferência, Zuma entregou um discurso monumentalmente horrível, falando como se ele tivesse sido um mero observador durante a última década, em vez do chefe partidário e presidente nacional. Ele jogou a culpa dos problemas do CNA e da África do Sul nas parcelas imperialistas, nos tribunais, nos meios de comunicação, na sociedade civil – todos menos ele mesmo. O melhor resume-se na insistência de Zuma de que ele fez o seu melhor como presidente e não teve arrependimentos, apesar da profundidade da crise atual.

A retórica anti-imperialista de Zuma é tão transparentemente oportunista e falaciosa que persuade poucos. A classe trabalhadora sul-africana reconhece o RET como marketing cínico, mas também sabe que Ramaphosa também não é seu homem.

Zuma deixou todos os seus ex-aliados, incluindo o líder sindical Zwelinzima Vavi e o líder da SACP, Blade Nzimande, no ônibus. Tudo o que ele promoveu são os Guptabots, os gangsters, os lacaios e os idiotas, como o presidente da Liga da Juventude do ANC, de trinta e sete anos, Collen Maine. Publicamente ridicularizado como “o homem de Oros” – referindo-se à mascote da África do Sul para o nosso koolaid, uma versão laranja do homem Michelin – Maine não conseguiu ganhar o respeito de um único sul-africano.

“Oros” fez seu nome por acrobacias tão patéticas como ameaçar pelo pescoço o ex-ministro das Finanças Pravin Gordhan por supostamente ser um “impimpi” (informante), apesar de não ter nenhuma credencial de luta contra o apartheid para demonstrar. De fato, a geração mais nova do CNA não tem talento político; eles receberam suas posições graças à lealdade cega e à disposição de lançar seus princípios no caminho certo.

Do ponto de vista de Ramaphosa, unir-se com a facção do gângster do ANC seria um resultado desastroso, mas não devemos esperar uma divisão, uma purga, uma responsabilidade ou uma alternativa – apenas um ponto morto. Eu espero verdadeiramente que eu esteja errado e que Ramaphosa possa manobrar seus inimigos enquanto estabiliza a economia e purga o estado de seus elementos parasitários, mas é difícil ter fé no CNA.

Zuma está seguro por enquanto. Não convém nem a Ramaphosa nem ao eixo Gupta dividir o partido ou escalar o faccionalismo. Ambos os lados reconhecem que precisam do controle do estado para poderem impulsionar suas respectivas máquinas patronais.

Transformação radical realidade

Ao menos, a corrupção de Ramaphosa dará aos sul-africanos trens que realmente funcionam – sob Zuma, o governo fez um acordo de dois mil milhões de dólares para vagões que não se encaixavam nas faixas. Ao menos, Ramaphosa pode nomear o próximo promotor nacional e substituir o odioso Shaun Abrahams. E, ao menos, o estado da África do Sul não será desmantelado, de modo que um futuro governo de esquerda – aqui estou bastante otimista – terá algo a ser herdado.

O que resta da esquerda sul-africana não pode assumir que o heroísmo da luta contra o apartheid tenha deixado uma base de massa gritando para o socialismo, apenas esperando pelo líder ou pela retórica certos. Também não pode assumir que altos níveis de luta social se traduziram automaticamente em um movimento contra-hegemônico. Deve construir uma maioria e conquistar pessoas. Perseguir atalhos nos deu Zuma – ao menos, devemos aprender com os nossos erros; esses erros que destruíram um dos movimentos trabalhistas mais poderosos do mundo.

Enquanto os Economic Freedom Fighters (EFF) e seu líder Julius Malema têm mais que alguns defeitos, eles mostraram que a retórica e a militância de esquerda têm uma audiência na África do Sul depois de ganhar mais de um milhão de votos nas eleições de 2014. Embora o EFF tenha sido inicialmente descartado como meros oportunistas pela esquerda estabelecida, eles mantiveram ideias emancipadoras nos discursos políticos da África do Sul e provavelmente fizeram mais para dar noites sem dormir Zuma do que a Aliança Democrática de centro-direita e o lamento interminável de sua base de apoio liberal. Um partido de esquerda não será criado por tratativas clandestinas e pelo estilo endêmico do clube para ONGs e o movimento sindical. Ele precisa de uma visão que atraia pessoas e crie quadro em vez de aduladores.

Sem um movimento, só podemos discutir as lutas defensivas para proteger os ganhos pós-apartheid, como o sistema de subsídio social, a constituição e o estado de um poder judicial, que continua a marginalizar a classe pobre e trabalhadora muito frequentemente.

A reconstrução de um movimento sindical iniciado pela nova Federação Sul-Africana de Sindicatos levará anos, uma vez que as condições econômicas e a dizimação de empregos industriais significam que o clima para a organização do trabalho é excepcionalmente difícil.

A África do Sul precisa de mais do que um novo líder: precisa de uma nova visão, que nivela a desigualdade econômica e desmantela os sistemas patronais, que se inspire no passado heroico e trace um novo caminho a seguir. Isso certamente não está na agenda de Ramaphosa, enquanto bandidos como Mabuza ameaçam arrastar o país para um pesadelo.

Artigo originalmente publicado pela Jacobin Magazine.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento. Como forma de contribuir para os debates que ocorrerão na VI Conferência Nacional de nossa corrente, o Movimento Esquerda Socialista, este volume reúne dois números da revista (7 e 8). Dessa forma, pretendemos oferecer à militância e a nossos aliados e leitores documentos que constam do temário oficial do evento, bem como materiais que possam subsidiar as discussões que se realizarão. Na expectativa de uma VI Conferência de debates proveitosos para nossa corrente, desejamos a todas e todos uma boa leitura deste volume!

Solzinho

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista