Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Discurso de Abertura do I Congresso da III Internacional

Há 99 anos, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht eram assassinados. Dias depois, Vladimir Lênin realizaria a melhor homenagem a seus camaradas com a fundação da III Internacional

Isaac Brodsky, "2º Congresso do Comintern", 1924
Isaac Brodsky, "2º Congresso do Comintern", 1924

Há 99 anos, em 15 de janeiro de 1919, os revolucionários Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht foram assassinados pelos Freikorps, paramilitares de extrema-direita, com a conivência do governo social-democrata, durante as lutas da Revolução Alemã de 1918-1919. Dias depois, Vladimir Lênin realizaria a melhor homenagem a seus camaradas com a fundação da III Internacional. Reproduzimos o discurso da abertura do congresso em nosso site.

Discurso de Abertura do I Congresso da III Internacional

Por encargo do Comitê Central do Partido Comunista de Rússia declaro inaugurado o primeiro Congresso Comunista Internacional. Antes de tudo, rogo a todos os pressentes a honrar a memória dos melhores representantes da III Internacional, de Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, fiquemos de pé.

Camaradas: Nossa assembléia reviste grande alcance histórico-universal. Demonstra o fracasso de todas as ilusões da democracia burguesa. Pois a guerra civil é um feito não somente na Rússia, mas sim nos países capitalistas da Europa mais desenvolvidos, como a Alemanha, por exemplo.

A burguesia tem um medo extremo ao crescente movimento revolucionário do proletariado. Isso se compreenderá se temos pressente que o curso dos acontecimentos, depois de a guerra imperialista, conduz inevitavelmente ao movimento revolucionário do proletariado, que a revolução mundial começa e cobra forças em todos os países.

O povo se da conta da magnitude e alcance da sua luta travada em nossos dias. Só falta encontrar a forma prática que permita ao proletariado exercer seu domínio. Uma forma assim é o sistema soviético com a ditadura do proletariado. A ditadura do proletariado! Palavras essas que soaram em latim para as massas. Perante a propagação do sistema de soviets por todo o mundo, este latim foi traduzido para todas as línguas modernas; as massas operárias deram a forma prática da ditadura da ditadura. As grandes massas operárias a compreendem graças ao poder soviético instalado na Rússia, graças aos espartaquistas da Alemanha e as diversas organizações de outros países, como os Shop Stewards Committees na Inglaterra, por exemplo. Tudo isso demonstro que foi encontrada a forma revolucionária da ditadura do proletariado, que o proletariado já está em condições de aplicar na prática seu domínio.

Camaradas: Creio que depois dos sucessos da Rússia e depois da luta de Janeiro na Alemanha é de singular importância assinalar que também em outros países se abre caminho à vida e adquire domínio a novíssima forma do movimento do proletariado. Hoje, por exemplo, li em um jornal anti-socialista um comunicado telegráfico sobre o fato de o governo inglês ter concedido audiência ao soviet de deputados operários de Birmingham e expressou sua disposição a reconhecer os soviets como organizações econômicas. O sistema soviético venceu no solo da atrasada Rússia, senão na Alemanha, o país mais desenvolvido na Europa, assim como na Inglaterra, o país capitalista mais velho. A burguesia segue cometendo atrocidades, assassinam aos milhares os operários. A vitória será nossa, a vitória da revolução comunista mundial é certa.

Camaradas: Os saúdo cordialmente em nome do Comitê Central do Partido Comunista da Rússia, proponho que passamos para a eleição da presidência. Peço a sugestão de nomes.

Fonte: https://www.marxists.org/portugues/lenin/1919/03/02.htm

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista