Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Doria, 4 reais ninguém suporta!

Relato do Primeiro Grande Ato contra o aumento das passagens de ônibus em São Paulo.

Imagem do primeiro grande ato contra o aumento da passagem em São Paulo - Cmi São Paulo
Imagem do primeiro grande ato contra o aumento da passagem em São Paulo - Cmi São Paulo

O Primeiro Grande Ato organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento da tarifa do transporte público nesta quinta-feira, reuniu cerca de 2 mil pessoas e terminou em repressão. Marchamos do Teatro Municipal, passando pela Prefeitura e encerrando no Largo da Concórdia, perto ao metrô Brás.

Gritos, cartazes e faixas criticavam não apenas o aumento mas o corte das linhas de ônibus, assim como as regalias e mentiras de Alckmin e Doria. Doria, além de descumprir a promessa de campanha de que iria congelar a tarifa, diz cinicamente que o aumento é “suportável”, enquanto Alckmin é investigado pelo Ministério Público pelo Cartel do Metrô. Desviam bilhões das obras em favor da mesma máfia empresarial que impõe mais este aumento sobre as costas da população, sobretudo dos trabalhadores pobres de periferia, que não aguentam mais pagar por um transporte precário, lotado e caótico.

O ato seguiu tenso, cercado pela PM de todos os lados pelo Choque e várias viaturas e assim que se encerrou, fecharam a estação Brás e Bresser Mooca, reprimindo (manifestantes ou não) com tiros de bala de borracha, bombas e gás lacrimogênio. Também se feriu um grupo de cinco amigos numa lanchonete da Rua Bresser, alvo de estilhaços de bombas.

Porém, a repressão só demonstra o medo do governo Alckmin e Doria de que a juventude tome as ruas e derrube mais este aumento como em junho de 2013. Nossa luta é por um transporte público, gratuito e de qualidade e pelo direito a cidade! Não nos calarão! Amanhã vai ser maior!

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista