Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Sobre a condenação de Lula pelo TRF

Luciana Genro manifesta-se sobre a condenação de Lula e, guardando as profundas diferenças com seu projeto, defende politicamente seu direito a candidatar-se em 2018.

O ex-presidente Lula - Reuters
O ex-presidente Lula - Reuters

Tenho defendido o direito de Lula ser candidato e ser julgado pelo povo nas urnas. Sua condenação no TRF-4 pode impedir que isso ocorra. Uma eleição sem Lula pode sim ser considerada uma fraude, como diz o PT. E todos sabem que não tenho nenhuma ligação com Lula nem com o PT. Tenho uma opinião jurídica sobre o processo. Ocorre que a política manipula até mesmo processos judiciais. Por isso o STF salvou Aécio Neves, que segue sendo senador, e Michel Temer segue sendo presidente, apesar das provas cabais contra ele. Então minha manifestação é política.

Num quadro destes, um líder popular ser barrado pela Justiça não é admissível. Vai apenas restringir mais a capacidade de decisão do povo. Uma capacidade de decisão que já é muito pequena, se é que podemos dizer que existe, nesta podridão de sistema, ao qual a cúpula petista se adaptou e agora paga o preço. Um sistema que, além do mais, vem encarcerando em massa a juventude pobre e negra em nome do “estado de direito” e mantém presas milhares de pessoas sem julgamento.

Cabe ao PSOL lutar para construir uma esquerda consequente, antissistema, anticapitalista e que se mantenha coerente com as bandeiras da defesa dos interesses do povo.

Artigo originalmente publicado no site da autora

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista