Acordo de coalizão abre a porta para a direita alemã
Martin Schulz. Crédito: SPD Schleswig-Holstein

Acordo de coalizão abre a porta para a direita alemã

Com Angela Merkel e Martin Schulz sob pressão, o partido de extrema-direita AfD cresce na Alemanha. Alex Callinicos comenta os acontecimentos das últimas semanas no país.

Alex Callinicos 26 fev 2018, 18:04

A Alemanha sob a chanceler Angela Merkel deveria ser o bastião do centro neoliberal na Europa.

A Grã-Bretanha poderia votar para sair da União Europeia. A França poderia ver a nazista Frente Nacional ganhar o segundo lugar nas eleições presidenciais.

E o autoritarismo da direita poderia se espalhar na Europa central, mas a Alemanha seguraria firme.

Porém, as caretas sobre a formação de um novo governo alemão destruíram essa história. Nas eleições federais de setembro passado, a grande coalizão em curso foi humilhada. Ela consistia no bloco conservador CDU/CSU e no SPD de tipo trabalhista.

Eles têm dominado a República Federal Alemã desde que foi fundada, em 1949. Mas dessa vez fizeram 53,5% dos votos, depois de fazer mais de 67% em 2013.

O partido de extrema-direita Alternativa para Alemanha (AfD) invadiu o parlamento federal pela primeira vez, com 12,6%.

O líder do SPD, Martin Schulz, anunciou que iriam para a oposição, deixando Merkel se envolver em negociações tortuosas com partidos menores. Mas quando elas entraram em colapso, ela conseguiu atrair o SPD de volta às conversações.

Finalmente, no início de fevereiro um acordo foi alcançado. Parecia um bom negócio para o SPD, que recebeu seis ministérios incluindo finanças, assuntos estrangeiros e trabalho. O SPD também ganhou concessões sobre como gastar o gigantesco orçamento superavitário de 46 bilhões de euros que o governo alemão acumulou graças a quase uma década de austeridade e um boom nas exportações.

A nova grande coalizão aumentará os gastos com previdência, escolas, infraestrutura e banda larga de alta velocidade — todos objetivos do SPD.

Mas o acordo conseguiu enfurecer a todos. A ala direita conservadora — especialmente a CSU, da Baviera — está brava sobre as concessões ao SPD. Muitos deles já culpavam Merkel pelo resultado da eleição.

Eles argumentam que ela abriu um espaço à direita para a AfD preencher por governar pelo centro. O chefe da confederação da indústria alemã queixou-se que o acordo de coalizão estava “distorcido para a reditribuição da riqueza em vez de garantir o futuro da economia alemã”.

Mediocridade

Isso foi pouco comparado ao barulho no SPD. Schulz, uma mediocridade superestimada, já estava também sob fogo.

A juventude do partido, em particular, o atacou por voltar atrás na sua promessa de ficar na oposição e reconstruir a base do SPD.

Nas últimas semanas ele quebrou outra promessa, de não entrar no governo, anunciando que ele pegaria o Ministério de Relações Exteriores. Sigmar Gabriel, o ex-ministro de Relações Exteriores e ex-líder do SPD, reclamou publicamente que “a nova liderança do SPD claramente não se importava com a apreciação pública do meu trabalho”.

Tão grande foi a raiva sobre a promessa quebrada de Schulz que no dia 9 de fevereiro ele anunciou que não iria mais entrar no governo.

Ele já havia dito que não seria mais presidente do partido, então ele é história. Mas o SPD não está fora da floresta ainda.

O resultado de um referendo dos membros do partido sobre participar ou não da Grande Coalizão vai ser anunciado no 4 de março. Enquanto isso, o SPD continua a cair nas pesquisas. Uma, há duas semanas, o colocou com 17%, enquanto a AfD chegava a 15%.

Esta é uma figura aterrorizante — o bastião histórico da social-democracia europeia está apenas dois pontos percentuais acima de um partido de extrema-direita fundado por um grupo de racistas do tipo da Ukip. Também inclui nazistas.

E Merkel está sob pressão. O tabloide da direita Bild a acusou de se pendurar no governo “a qualquer preço”. E Kurt Kister, editor do Suddeutsche Zeitung, disse que “este governo pode ser legendado como ‘não durará muito’.”

Mas se a grande coalizão não aguentar muito, o que a seguirá? Será que a AfD vai puxar todo o espectro político alemão para a direita? O Die Linke pode oferecer um foco para a resistência pela esquerda?

Isso exigiria combinar oposição firme à austeridade com anti-racismo como princípio e solidariedade com imigrantes.

As manifestações anti-racistas em toda a Europa no 17 de março serão um importante teste para essa alternativa.

(Publicado originalmente em Socialist Worker e traduzido pela Revista Movimento)


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.