ARQUIVO: Moção de repúdio à vinda de George Bush ao Brasil
Bush e Lula se abraçam durante visita do então presidente estadunidense ao país - Jason Reed/Reuters

ARQUIVO: Moção de repúdio à vinda de George Bush ao Brasil

Em março de 2007, a então deputada manifestava repúdio à vinda do ianque ao Brasil, declarando-o como “persona non grata” no país.

Luciana Genro 21 mar 2018, 17:09

Moção de repúdio à vinda de George Bush ao Brasil (2007) apresentada pela deputada federal Luciana Genro (PSOL-RS) na Comissão de Relações Exteriores

Nós, parlamentares da Câmara dos Deputados da República Federativa do Brasil,

Considerando que:

– Não queremos em nosso país o senhor das guerras, do imperialismo genocida, das ocupações sangrentas, da opressão aos povos;

– Não queremos receber o assassino do povo iraquiano e afegão;

– Não queremos entre nós o símbolo maior da destruição do planeta, ameaça real ao futuro da humanidade;

– Não concordamos com bases militares estadunidenses no nosso continente, monitorando os nossos governos e nossas riquezas naturais como o Aqüífero Guarani e a Floresta amazônica;

– Não aceitamos nos submeter ao saque imposto por Bush aos povos da América com sua política neoliberal, tragicamente implementada pelos governos subservientes da região;

– Não compactuamos com política genocida da Casa Branca que tem como consequência o recrudescimento da miséria em escala mundial, a degradação ambiental ostensiva e a constante ameaça à soberania dos povos – tanto por meio da intervenção militar quanto por meio da cobrança de dívidas;

– Não damos boas-vindas ao promotor do terrorismo de Estado e do bloqueio econômico a Cuba;

Repudiamos a vinda do presidente George Bush ao país em março de 2007, e o declaramos “persona non grata” no Brasil.

Sala da Comissão, de março de 2007.

Deputada Luciana Genro

PSOL/RS


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.