Do Rio de Janeiro à Palestina: Marielle Presente!
Ativistas prestam solidariedade a Marielle Franco - Reprodução

Do Rio de Janeiro à Palestina: Marielle Presente!

Nota do Comitê Nacional Palestino de BDS de repúdio à execução da vereadora Marielle Franco.

BDS 28 mar 2018, 13:32

Com profunda dor e indignação, nós, do Comitê Nacional Palestino de BDS, a maior coalizão da sociedade civil palestina, recebemos a notícia do assassinato de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro e ativista pelos direitos humanos, e seu motorista, Anderson Pedro Gomes. Da Palestina, nós denunciamos essa execução política e nos solidarizamos com a família, amigos, companheiros e companheiras de Marielle e Anderson, e todas as pessoas no Brasil que lutam por justiça e igualdade.

Mariele era uma mulher negra, queer, de 38 anos, da Maré, a maior favela do Rio de Janeiro. Uma lutadora ativa e destemida que se tornou a quinta vereadora mais votada da cidade em sua primeira eleição. Ela denunciava publicamente as violações da política e exército contra nas favelas. Em meio à injustiça, racismo, machismo e militarização que encobrem nosso mundo, Marielle brilhava como um raio de esperança.

Ela representava as aspirações de muitos brasileiros e brasileiras por mudança, e as esperanças de milhares de pessoas ao redor do mundo, incluindo as nossas, por uma vida digna e livre de opressão. A esperança que Marielle inspirou não foi morta na semana passada. Como o poeta palestino Mahmoud Darwish disse, “nós sofremos de uma doença incurável: esperança”; os ideais que Marielle defendia seguem vivos.

Para todas as pessoas lutando por seus direitos no Brasil, queremos que vocês saibam que não estão sozinhas. Sua luta está sendo amplificada ao redor do mundo e nós, da Palestina, somos parte das incontáveis vozes que nenhuma bala, exército ou brutalidade silenciará. Estamos juntos e juntas com vocês, e lado a lado conquistaremos nossos direitos, liberdades e dignidade.

Nossas lutas estão profundamente conectadas. Isto é especialmente verdade porque. tanto localmente quanto nacionalmente, governos brasileiros têm profundas relações militares e de segurança com o regime israelense de ocupação e apartheid. Estão importando tecnologias e treinamentos “testados em campo” sobre nossos corpos, para reprimir movimentos sociais brasileiros e matar a população pobre e negra.

Nós continuaremos a internacionalizar nossa resistência popular e conectar nossas lutas para acabar com a militarização e a opressão racista, das favelas do Rio à Palestina.

Juntas e juntos estamos comprometidos a seguir lutando pelo mundo que Mariele sonhou, um mundo de liberdade, justiça e igualdade para todas e todos.

Marielle, presente!

Fonte: http://bdsmovement.net/news/rio-de-janeiro-palestine-marielle-presente


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.