Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Os Assassinos de Marielle Franco tem que Ser Levados à Justiça

Organizações de esquerda norte-americanas prestam sua solidariedade à execução de Marielle Franco

Mídia NINJA / flickr
Mídia NINJA / flickr

No dia 14 de março, Marielle Franco e seu motorista Anderson Pedro Gomez foram assassinados a sangue frio após terem sairem de um evento promovendo os direitos de mulheres afro-brasileiras. Negra, mulher, lésbica, feminista, Marielle integrava do Partido Socialismo e Liberdade, sendo vereadora no Rio de Janeiro. O assassinato de Marielle traz todos os indícios de ter sido cometido por profissionais, acontecendo logo após ela ter feito denúncias contra a brutalidade policial e a intervenção militar direta do governo federal nas ruas do Rio de Janeiro.

Em 10 de março, Marielle divulgou denúncias de residentes da favela de Acari contra o 41.º batalhão da Polícia Militar, escrevendo que “Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior.”

Quatro dias depois, o carro dela estava cravado de balas.

Como Marielle servia como relatora de uma comissão criada pela câmara dos vereadores para monitorar a intervenção militar, não se pode permitir que seu assassinato silencie liberdades democráticas como liberdade de expressão e o direito de reunião.

Condenamos o assassinato de Marielle da forma mais veemente possível e exigimos que os responsáveis sejam trazidos à justiça. Incluímos nesta exigência tanto os capangas que puxaram o gatilho como também aqueles que deram as ordens.

Consideramos também responsáveis por esse crime o Presidente Michel Temer, o Governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão, o Presidente da Câmara de Deputados Rodrigo Maia, e o General Braga Neto (supervisor da intervenção militar no Rio). Ao militarizarem as ruas do Rio de Janeiro e atacarem liberdades democráticas básicas, eles no mínimo criaram as condições para que tal ato abominável pudesse ocorrer.

Também responsabilizamos esses políticos pela segurança pessoal da família e amigos de Marielle, seus companheiros do PSOL, e todos os militantes por direitos civis, sindicatos, LGBT, feministas, e anti-racistas que com ela trabalhavam em busca de justiça e igualdade.

Enquanto organizações sediadas nos Estados Unidos, nos comprometemos também a divulgar o assassinato de Marielle e a exigir do governo americano a suspensão de todo financiamento militar, policial, e de inteligência ao governo brasileiro até que aqueles responsáveis pelo assassinato de Marielle sejam levados à justiça.

Democratic Socialists of America
International Socialist Organization
Left Roots
Philly Socialists
Socialist Alternative
Solidarity

Fonte: https://socialistworker.org/2018/03/28/marielles-assassins-must-be-brought-to-justice

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Apresentamos uma revista especial sobre os 50 anos do Maio de 1968 com o orgulho de herdar uma tradição. Assim como a Comuna de 1871, a Revolução Russa de 1917 e as lutas contra as ditaduras na América Latina, consideramo-nos parte deste excepcional movimento mundial de luta política, protagonizado por jovens e trabalhadores de várias partes do mundo, como nas famosas barricadas de Paris. Consideramos suas lições e sua potência como atuais. Boa parte dos leitores da Revista Movimento participaram ativamente das Jornadas de Junho de 2013 em nosso país. Aos cinco anos deste acontecimento, queremos contribuir para o encontro e a síntese de tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas gerações.

Solzinho

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista