Metroviários de SP são readmitidos e Governo PSDB se desmoraliza
FÁBIO NASI/FRAME/FOLHAPRESS

Metroviários de SP são readmitidos e Governo PSDB se desmoraliza

Na noite desta quinta, Metrô e o Governo PSDB admitiram sua derrota e formalizaram acordo para a reintegração dos funcionários demitidos na greve de 2014.

Ana Cláudia Borguin 14 abr 2018, 12:54

Os Metroviários de São Paulo tiveram uma importante vitória! Na noite desta quinta, 12/04, o Metrô e o Governo PSDB admitiram sua derrota e formalizaram acordo para a reintegração de todos os 37 funcionários demitidos na greve de 2014.
Esta vitória é carregada de simbolismos: a greve de 2014 foi uma das mais fortes da categoria, durou 5 dias e foi marcada por muita organização dos trabalhadores e muita repressão por parte da Polícia Militar nos piquetes realizados.

A demissão destes companheiros foi completamente ilegal, baseada em falsas alegações de depredação e vandalismo e representou uma grande perseguição – parte dos demitidos eram diretores do sindical ou cipistas (portando, tinham estabilidade).

A batalha jurídica que se deu posteriormente confirmou o apelo destes companheiros – foram duas instâncias vencidas. Mesmo assim, o governo tratou a demissão como uma questão política porque sabia que isto teria um potencial gigante para a luta dos metroviários.

O que garantiu esta reintegração foi a força que a categoria demonstrou ao se manter unificada e tocar as lutas sem baixar a cabeça. Mesmo com a derrota das demissões, continuou a batalha e realizou outras greves gerais, além de ainda, com um exemplo ímpar de solidariedade, aumentar sua contribuição mensal ao sindicato para custear os salários de nossos ativistas demitidos, compreendendo esses lutadores e lutadoras como parte fundamental de nosso corpo de funcionários.

Os Metroviários ainda sofrem os diversos ataques empreendidos pela retirada de direitos a nível nacional e estadual. Neste momento, inclusive, se encontram em plena campanha salarial. Mas esta vitória nos dá ainda mais força para continuar a lutar com a certeza que com unidade e organização, tudo poderá ser conquistado!

Não tem arrego! Ninguém fica para trás!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.