Executiva Estadual do PSOL Potiguar em solidariedade ao povo palestino
PALESTINOS SÃO ATACADOS POR FORÇAS ISRAELENSES NA ÚLTIMA SEXTA-FEIRA - IBRAHEEM ABU MUSTAFA / Reuters

Executiva Estadual do PSOL Potiguar em solidariedade ao povo palestino

PSOL Potiguar presta sua solidariedade ao povo palestino combatendo as posições sionistas no interior da esquerda brasileira.

A executiva estadual do PSOL Rio Grande do Norte vem por meio desta nota reiterar a acertada posição expressa pelo documento “Repúdio à covarde repressão de Isral na Faixa de Gaza” de nossa secretaria de relações internacionais e aprovada na executiva nacional do partido.

A tradição internacionalista de nosso partido não pode deixar de prestar solidariedade ativa e militante aos palestinos, ainda mais em um momento que o Estado Imperialista de Israel, capitaneado por Benjamin Netanyahu avança em sua escalada de repressão.

Dezessete mortos e 1400 feridos foram o saldo de sua última ação repressiva.

O massacre realizado durante a Marcha do Retorno deve ser repudiado não só por toda a esquerda revolucionária, mas também por democratas e humanistas de todo o mundo.

Também nos solidarizamos ao nosso secretário Israel Dutra que, por conta da firme e acertada posição, vem sendo atacado de forma covarde por aqueles que buscam desesperadamente mediações para sustentar o imponderável.

O Estado de Israel é responsável por essas mortes. Sanções mais duras ao Estado de Israel são urgentes.

Pelo fim do Genocídio do Povo Palestino.

Pela ampliação do Boicote ao estado Genocida de Israel.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.