Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Palestinos na abertura da embaixada dos EUA em Jerusalém e 70 anos da Nakba em curso

Coalizão da sociedade civil palestina denuncia Estado de Israel durante manifestações do povo palestino em semana emblemática da região.

Adel Hana/AP
Adel Hana/AP

Retrocedendo décadas da política externa dos EUA, o governo Trump está transferindo a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém hoje. O movimento coincide com a celebração de Israel de seu estabelecimento sobre as ruínas das cidades e aldeias das quais a maioria dos palestinos foram expulsos há 70 anos.

As Nações Unidas e a comunidade internacional não reconhecem a soberania israelense sobre qualquer parte de Jerusalém e consideram Jerusalém Oriental como parte integrante do território palestino ocupado.

Amanhã, os palestinos comemoram o 70º aniversário da Nakba, ou “Catástrofe”, marcando a expulsão em massa sistemática de palestinos indígenas de suas casas para estabelecer um estado de maioria judaica. Em Gaza, onde a maioria dos palestinos são refugiados, milhares participarão das manifestações da Grande Marcha de Retorno, pedindo o direito dos refugiados de retornarem às terras de onde foram expulsos à força. Espera-se que estas manifestações sejam as maiores desde que começaram há sete semanas.

Entre 1947 e 1949, os paramilitares sionistas e, em seguida, os militares israelenses, transformaram 750 mil a 1 milhão de palestinos nativos em refugiados, massacraram civis palestinos e destruíram centenas de comunidades palestinas. Israel usou a força para impedir que as famílias palestinas voltassem para suas casas e continua a negar aos refugiados palestinos o direito de retorno sancionado pela ONU.

Uma exigência chave dos palestinos, destacada pelos manifestantes em Gaza e recentemente confirmada pela Anistia Internacional, é um embargo militar abrangente a Israel, semelhante ao que foi imposto à África do Sul do apartheid para acabar com suas flagrantes violações dos direitos humanos.

Abdulrahman Abunahel, um líder comunitário e coordenador do Comitê Nacional Palestino BDS (BNC), baseado em Gaza, que coordena e apoia o movimento global BDS pelos direitos palestinos, disse:

“Para nós palestinos, a Nakba não é apenas um crime do passado. Está em curso, nunca terminou. Meus avós foram violentamente expulsos de sua aldeia em 1948 e obrigados a viver como refugiados na Faixa de Gaza. Sua bela vila, chamada Barbara, fica a apenas 16 km de distância. Eu quase posso ver, mas não tenho como alcançá-lo.

A Nakba em curso é a razão pela qual eu cresci como um refugiado que vive sob o regime militar israelense. É por isso que eu vivo no que muitos de nós chamam de uma prisão sufocante ao ar livre, abarrotada de dois milhões de pessoas, negando meus direitos básicos, incluindo a liberdade de locomação. Israel nem sequer me permite deixar Gaza temporariamente para receber cuidados médicos importantes. Minhas dificuldades não são excepcionais, dezenas de palestinos morreram no ano passado, apenas esperando que Israel lhes concedesse permissão para procurar atendimento médico que salva vidas fora de Gaza, e milhares não pudessem fazer suas consultas médicas.

A Nakba em curso é a razão pela qual eu participo da Grande Marcha de Retorno e apoio o movimento BDS – eu simplesmente quero o direito de viver na terra de onde eu estou, em liberdade, em paz e com dignidade. Nasci refugiado, não quero morrer como um.”

Omar Barghouti, co-fundador do movimento BDS pelos direitos dos palestinos, disse:

“A decisão do governo Trump de abrir a embaixada dos EUA em Jerusalém enquanto palestinos relembram os 70 anos dolorosos de deslocamento sinaliza que está dando a Israel um reinado mais livre do que nunca para tentar nos expulsar de nossa terra natal. A aliança de extrema-direita entre Trump e Netanyahu está causando estragos na Palestina e, por extensão, no mundo.

Em Jerusalém, Israel há muito tempo destruiu casas palestinas, revogou o direito dos palestinos a viver em sua cidade e incentivou colonos israelenses ilegais a despejar famílias palestinas e roubar suas casas abertamente. O governo Trump agora não é apenas um facilitador, mas também um parceiro pleno na crescente limpeza étnica dos palestinos em Jerusalém e além.

Ainda assim, tenho esperança na popular e criativa resistência palestina, agora revigorada pela Grande Marcha do Retorno. Eu tenho esperança porque um número crescente de pessoas em todo o mundo está vendo a conexão entre nossa luta por liberdade, justiça e igualdade, e suas próprias lutas pela justiça. É por isso que eles estão cada vez mais apoiando o movimento BDS liderado pelos palestinos.

Esta crescente aliança internacional de comunidades progressistas que trabalham para derrotar a odiosa agenda da extrema-direita é o que me dá esperança de que podemos, e eventualmente, acabar com a Nakba em curso, acabar com a destruição da vida palestina e criar um mundo melhor para todos.”

14 de maio de 2018 

Fonte: https://bdsmovement.net/news/palestinians-us-embassy-opening-jerusalem-70-years-ongoing-nakba

 

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento. Como forma de contribuir para os debates que ocorrerão na VI Conferência Nacional de nossa corrente, o Movimento Esquerda Socialista, este volume reúne dois números da revista (7 e 8). Dessa forma, pretendemos oferecer à militância e a nossos aliados e leitores documentos que constam do temário oficial do evento, bem como materiais que possam subsidiar as discussões que se realizarão. Na expectativa de uma VI Conferência de debates proveitosos para nossa corrente, desejamos a todas e todos uma boa leitura deste volume!

Solzinho

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista