ARQUIVO: Imagina na Copa…
Imagem de campanhas vinculadas na internet durante Junho de 2013

ARQUIVO: Imagina na Copa…

Em Junho de 2013, após brutal violência policial durante ato em São Paulo, os governos repressores de PT e PSDB eram desmascarados.

Maurício Costa 14 jun 2018, 13:08

Hoje foi o dia de caírem as máscaras.

Até a mídia mais conservadora, que ontem exortava a polícia a “retomar a Paulista” ou a construir a “hora do basta” contra os protestos pela redução das tarifas em São Paulo foi obrigada a denunciar a violência fascistoide da polícia contra tudo e contra todos, inclusive vários de seus jornalistas.

Momentos antes do início da barbárie promovida pela polícia – após a bela demonstração de força e unidade do movimento na caminhada pacífica – eu estava cumprindo a tarefa de comunicar ao Tenente-Coronel BenHur, chefe da operação, a nossa intenção de continuar o ato até o Ibirapuera. Escapou dele a resposta “Realmente, vocês estão de parabéns. Sou favorável ao seu percurso, mas preciso consultar meus ‘superiores’”. Imediatamente depois disso as bombas estouraram enquanto os manifestantes gritavam “Sem violência”.

A promessa de repressão anunciada por PT e PSDB como tentativa de ganhar credibilidade de investidores para a realização da Expo 2020 em São Paulo, cumpriu-se, mas não convenceu ninguém. São revoltantes as imagens que pipocam nas redes sociais como as das prisões indiscriminadas, da jornalista da Folha atingida por bala de borracha e de um policial quebrando a própria viatura para forjar a tal ação dos “vândalos”.

Sem dúvidas, a extrema violência da ação policial dessa quinta-feira estava premeditada e também ocorreu em outras cidades que atenderam à convocação desse “dia nacional de lutas contra os aumentos”. Seu sentido era tentar acabar com o movimento antes do começo da Copa das Confederações, quando os olhos do mundo estarão voltados ao Brasil e outras cidades do país, que sofrem do mesmo ou outros problemas urbanos decorrentes da realização dos megaeventos, não se sentissem estimuladas a sair às ruas.
Na imprensa internacional também caiu a máscara brasileira. As manchetes estampam a violação das liberdades de manifestação e imprensa ao lado das remoções forçadas de famílias e do desrespeito generalizado às legislações e direitos adquiridos, regras da “ditadura da Copa”. O ministro José Eduardo Cardozo é o principal responsável por garantir, além da criminalização dos protestos, o amplo leque de violações de direitos humanos, a começar pelos conflitos indígenas.

Contudo, mesmo com jornalistas, trabalhadores e estudantes feridos e presos, telefones grampeados, policiais (muitos) infiltrados no movimento, o clima de terror construído por Haddad, Alckmin e Cardozo após a manifestação da última terça-feira não vingou e a ação brutal da polícia nessa quinta terminou com o fortalecimento público de que a legitimidade e a história estão nas ruas do lado dos manifestantes, não dos governos. Está evidente que o desfecho dessa questão não pode ser outro senão a redução das tarifas e liberação dos detidos.

A adesão da população às manifestações é nítida e os atos ganham cada vez mais peso. A proposta de negociação feita Ministério Público de suspensão do reajuste por 45 dias até que uma comissão analise a legalidade e legitimidade do decreto da prefeitura foi aceita pelo movimento, mas negada pela prefeitura, que continua intransigente. Enquanto isso o movimento segue. E amanhã será maior. Imagina na Copa…

14 de junho de 2013

Artigo originalmente publicado em juntos.org.br.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.