Ahed Tamimi: “Sou uma combatente pela liberdade. Não serei a vítima”
Reprodução

Ahed Tamimi: “Sou uma combatente pela liberdade. Não serei a vítima”

O Governo e as autoridades israelitas “estão com medo do quão longe cheguei. Eles temem sempre a verdade, eles são os ocupantes e nós estamos sob ocupação”, destacou a jovem ativista palestina.

Esquerda.net 1 ago 2018, 16:10

Durante a entrevista conduzida por Oliver Holmes e Sufian Taha, publicada no Guardian, Ahed Tamimi afirmou que pretende estudar direito para, um dia, poder levar Israel às barras dos tribunais criminais pelas permanentes violações dos direitos dos palestinianos. A ativista de apenas 17 anos, que passou os últimos oito meses na prisão, quer que sejam restituídos ao seu país os direitos que lhe foram espoliados.

Ahed relatou como conseguiram “transformar a prisão numa escola”, permitindo-lhe dedicar-se ao estudo da legislação internacional.

“A experiência de ser presa foi muito difícil. Por mais que tente, não consigo descrevê-la”, afirmou, avançando, por outro lado, que “essa experiência agregou valor” à sua vida.

“Talvez tenha me tornado mais madura. Mais consciente”, assinalou.

Sobre o Governo e as autoridades israelitas, a jovem palestiniana frisou que “eles têm medo da verdade”.

“Se não estivessem errados, não teriam medo da verdade. A verdade assusta-os. E eu consegui divulgar essa verdade ao mundo. E, claro, estão com medo do quão longe cheguei. Eles temem sempre a verdade, eles são os ocupantes e nós estamos sob ocupação”, destaca.

Ahed sente orgulho de se ter tornado “num símbolo para a causa palestiniana”, ainda que assuma que essa é uma “grande responsabilidade”.

“Não sou a vítima da ocupação”, diz a ativista. “O judeu ou o colono que carrega uma espingarda aos 15 anos é vítima da ocupação. Eu sou capaz de distinguir entre o certo e o errado. Mas ele não. A sua visão está toldada. O seu coração está cheio de ódio e desprezo contra os palestinianos. Ele é a vítima, não eu. Eu digo sempre que sou uma combatente pela liberdade. Então, não serei a vítima”, vinca Ahed.

O irmão de Ahed de 22 anos, Wa’ed Tamimi, ainda está na prisão a aguardar sentença pelo seu envolvimento em confrontos com soldados.

Publicado originalmente no Esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.