Nós ganhamos

Especialista em questões de gênero, jornalista argentina escreve sobre as mobilizações pela legalização do aborto que tomaram conta do país.

Mariana Carbajal 9 ago 2018, 17:15

Às mentes conservadoras, se impôs uma juventude fervorosa que encontrou no lenço verde um símbolo da igualdade. Vencemos os fundamentalismos, porque ficou em evidência e em questão a sustentação do catolicismo por parte do Estado e a pretensão da hierarquia da Igreja em controlar as políticas públicas de saúde e de educação. Já se vendem nas ruas os lenços laranja, símbolo da separação de Igreja e Estado. Vencemos porque os argumentos baseados em crenças religiosas mostraram as mentiras dos antidireitos. Vencemos porque o aborto deixou de ser um tabu, saiu do armário e se descriminalizou socialmente. Vencemos, porque as mães e avós contaram a suas filhas e netas sobre seus abortos, porque as adolescentes levaram o debate para suas casas e escolas. Vencemos, porque o mundo nos viu e descobriu que na Argentina as mulheres ainda não têm o direito de decidir sobre seus corpos e fomos vergonhosamente expostos como um país onde ainda não gozamos de uma cidadania plena. Eles nunca nos deram nada. Para estudar em universidades, para ter o direito ao voto, para decidir sobre a vida dos nossos filhos, para ter livre acesso à métodos contraceptivos, sempre tivemos que sair às ruas para lutar. As lutas feministas pressionam as margens. Os votos que faltaram para descriminalizar e legalizar o aborto não são nada mais do que uma pedra no caminho. Não foi ontem. Vai ser amanhã.

Artigo originalmente publicado no portal Página 12. Tradução de Evenlin Minowa. 


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento, de números 19 e 20. Nela, publicamos um dossiê que celebra os 150 anos de nascimento de Rosa Luxemburgo, vinculado à iniciativa coordenada por nossa camarada Luciana Genro: o curso da Escola Marx “150 anos de Rosa Luxemburgo: pensamento e ação”.