Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Venezuela: Crise humanitária não é um conto

Mais de 4 mihões de venezuelanos emigraram de seu país nos últimos anos.

Carlos Garcia Rawlins
Carlos Garcia Rawlins

Segundo cifras do Instituto Nacional e Informática (INEI), entre 1990 e em 2014, emigraram 2 724 809 peruanos para o exterior. Nos últimos 85 anos, 3672392 compatriotas saíram do país e não regressaram. A busca de melhores oportunidades foi uma constante, ainda que a inflação durante o governo de AGP tenha contribuído, assim como o Fujishock e o terrorismo durante a década de Fujimori e Montesinos.

Somos um país que sabe de migrações. Por isso causa surpresa, quando não indignação, que desde setores tão díspares – tanto de uma certa esquerda como uma certa direita – se estigmatize cidadãos venezuelanos que buscam refúgio em nosso país e se propugne um fechamento de fronteiras. No caminho se esgrimenm argumentos fantasiosos e carentes de rigor objetivo: “são pessoas de classe média que buscam derrubar Maduro”, “vêm para fazer crer que há crise humanitária quando na Venezuela se vive melhor que aqui”, “roubam trabalho dos peruanos” ou a mais recente “vão votar nas eleições de 2021 e com isso distorcer a vontade dos peruanos”.

Mais de 4 mihões de venezuelanos emigraram de seu país nos últimos anos, segundo estatísticas de INEI; deles, 350 mil vieram ao Peru, segundo os números que possui a Superintedência Nacional de Migrações. Não vêm para conhecer Machu Picchu, não vêm para roubar o trabalho de ninguém, não vêm porque são um álibi do império, vêm porque fogem de uma crise humanitária sem precedentes na América Latina. Buscam novas oportunidades como milhares de nossos compatriotas fizeram isso em épocas difíceis para o Peru.

A xenofobia se sustenta as mais das vezes num marcado racismo, como o que sentem os setores acomodados quando Lima se enche de provincianos, ou numa alta cota de estupidez quando se sustenta na ignorância que deveria ceder espaço à prudência e ao respeito por seres humanos que escapam de uma crise que lhes nega a existência como tais.

Fonte: https://titoprado.lamula.pe/ 2018/08/15/venezuela-crisis- humanitaria-no-es-cuento/ titoprado01/

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista